Abner Teixeira ganha bronze e conquista a primeira medalha para o boxe brasileiro em Tóquio

Pugilista peso pesado foi derrotado por cubano na semifinal, mas garantiu terceiro lugar no pódio. “Eu trabalho com o objetivo de comprar uma casa para a minha mãe. A medalha vai mudar a nossa vida”

Abner Teixeira comemora vitória nas quartas de final.
Abner Teixeira comemora vitória nas quartas de final.Buda Mendes (AP)
Mais informações
Brazil's defender Guilherme Arana (L) is marked by Mexico's forward Uriel Antuna during the Tokyo 2020 Olympic Games men's semi-final football match between Mexico and Brazil at Ibaraki Kashima Stadium in Kashima city, Ibaraki prefecture on August 3, 2021. (Photo by MARTIN BERNETTI / AFP)
Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, últimas notícias e medalhas ao vivo
Japan's Naomi Osaka leaves the court after being beaten by Czech Republic's Marketa Vondrousova during their Tokyo 2020 Olympic Games women's singles third round tennis match at the Ariake Tennis Park in Tokyo on July 27, 2021. (Photo by Giuseppe CACACE / AFP)
“O cérebro é um músculo, precisa ser tratado”
Rebeca Andrade of Brazil, celebrates after winning the gold medal on the vault during the artistic gymnastics women's apparatus final at the 2020 Summer Olympics, Sunday, Aug. 1, 2021, in Tokyo, Japan. (AP Photo/Natacha Pisarenko)
Os medalhistas do Brasil em Tóquio

A primeira medalha do Brasil no boxe nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 veio pelas luvas de Abner Teixeira. Não foi do jeito que o brasileiro queria, mas foi especial. O atleta foi derrotado pelo cubano Júlio Cesar La Cruz na semifinal da categoria peso pesado masculino, entre 81 e 91 quilos, na manhã desta terça-feira. Como o boxe não prevê a disputa pelo bronze, os derrotados na semifinal já garantem o terceiro lugar no pódio. Foi o caso de Abner, que vê na medalha o caminho para seu maior objetivo: comprar uma casa para sua mãe. Foi a 13ª medalha do Brasil no Japão, a sétima de bronze.

Abner nasceu em Osasco, na região metropolitana de São Paulo, mas tem como lar atual a cidade de Sorocaba, a 100 quilômetros da capital, para onde se mudou em 2011. No mesmo ano, aos 15 anos de idade, descobriu a luta através do projeto social “Boxe - uma luz para o futuro”. Ele relata que, na época, se sentia sedentário e buscou o esporte porque queria algo para “se mexer”. Primeiro tentou o basquete, mas logo o projeto social o atraiu para o boxe. “Participei de uma peneira com mais de 70 atletas e passei”, diz. Até hoje ele agradece ao professor Vladimir Godoi, seu primeiro treinador de boxe que também o ensinou a importância dos estudos. É por causa dele que hoje, aos 24 anos, Abner tem o desejo de cursar educação física na universidade. “Não tinha pretensão nem de ser atleta e nem de fazer faculdade, mas ele me instruiu a querer as duas coisas”, relata.

Com mais de 1,90m, Teixeira logo virou uma referência brasileira na categoria peso pesado, acima de 91 quilos. Foi bicampeão brasileiro juvenil e na elite. Em 2019, disputando o Pan de Lima, saiu com a medalha de bronze. Foi então que percebeu que o esporte poderia ajudar não só a combater o sedentarismo, mas também a dar proporcionar uma vida melhor para a sua família.

O pugilista não esconde que seu maior objetivo é dar uma casa para a mãe, Izaudita Sampaio. “Estou trabalhando para isso, comprar uma casa para minha mãe. Ela nunca teve uma casa própria e quero dar essa alegria para ela. As metas imediatas são ser campeão olímpico e campeão mundial”, disse antes de perder a semifinal. “A longo prazo, elas são comprar a casa para minha mãe e dar um futuro melhor para ela”. Com a medalha de bronze, Abner embolsa cerca de 300.000 reais, além dos possíveis contratos de patrocínio e Bolsa Pódio, o auxílio do Governo federal garantido a atletas que estejam entre os 20 melhores do mundo em sua categoria. Do lado da mãe, nervosismo: dona Izaudita conta que assistiu à luta que garantiu a medalha de bronze ao filho, nas quartas de final, ajoelhada e orando. “Eu falo que o meu coração está bom porque é pressão total. E eu só consegui me levantar na hora que acabou a luta”, brincou a moradora de Sorocaba.

A vitória à qual Izaudita se refere foi contra o palestino Hussein Iashaish, pelas quartas, que valeu uma vaga na semi. Antes, Abner já havia vencido o britânico Cheavon Clarke. A derrota para La Cruz interrompe a trajetória pelo ouro, mas não muda os planos do brasileiro. “A medalha olímpica vai abrir vários caminhos. Posso terminar as Olimpíadas e ir para a de 2024, posso passar para o profissional e lutar por um título mundial profissional. Essa medalha olímpica vai realmente mudar a minha vida”, projetou ele antes de lutar a semi.

A medalha do pugilista confirma o bom momento que o Brasil vive no esporte olímpico. Depois de ter vencido um bronze apenas em 1968, com Servílio de Oliveira, o boxe brasileiro voltou a dar as caras em 2012, com medalhas para os irmãos Esquiva e Yamaguchi Falcão, além de Adriana Araújo. Em 2016, o primeiro ouro veio com Robson Conceição no Rio de Janeiro. Além do terceiro lugar confirmado para Teixeira, os pugilistas Hebert Conceição e Beatriz Ferreira também já garantiram ao menos um bronze, mas ainda lutarão as semifinais para ver tentar chegar à medalha de ouro.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Apoie nosso jornalismo. Assine o EL PAÍS clicando aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS