PANDEMIA DE CORONAVÍRUS

Milionários de todo o mundo pedem mais impostos sobre os mais ricos como saída para a crise

Dezenas de indivíduos que se autodenominam 'Milionários pela Humanidade' exortam os governos a arrecadar mais fundos para ajudar na recuperação econômica

Bill Christeson protesta diante da Suprema Corte dos EUA enquanto esta se prepara para julgar dois casos que buscam obter dados financeiros do presidente Trump, incluindo suas declarações de impostos, em Washington, na quinta-feira.
Bill Christeson protesta diante da Suprema Corte dos EUA enquanto esta se prepara para julgar dois casos que buscam obter dados financeiros do presidente Trump, incluindo suas declarações de impostos, em Washington, na quinta-feira.JIM LO SCALZO / EFE

“Não, não somos nós que cuidamos dos doentes nas unidades de terapia intensiva. Não dirigimos as ambulâncias que os levam aos hospitais. Não enchemos as prateleiras dos supermercados nem somos nós que distribuímos comida de porta em porta. Mas temos dinheiro, e muito”. Este é o começo da carta publicada nesta segunda-feira, no site Millionários pela Humanidade (Millionaires for Humanity), por 83 milionários de vários países, principalmente dos Estados Unidos, na qual pedem a elevação dos impostos sobre os mais ricos “como eles” para contribuir para a recuperação econômico, tendo em vista os danos que a pandemia do coronavírus causará.

Em seu chamado, os signatários pedem aos Governos que assumam sua responsabilidade, aumentando os impostos para quem tem mais, “de forma imediata, substancial e permanente”. Eles também afirmam que o impacto desta crise durará décadas e vai empurrar 500 milhões de pessoas para a pobreza. “Centenas de milhões de pessoas perderão seus empregos à medida que empresas fechem, algumas em definitivo. Já há quase um bilhão de crianças fora da escola, muitas delas sem acesso aos recursos necessários para continuar sua aprendizagem. E, é claro, a ausência de leitos hospitalares, máscaras de proteção e ventiladores é um doloroso lembrete diário do investimento inadequado feito nos sistemas de saúde pública em todo o mundo”, dizem.

São mais de 80 signatários dos Estados Unidos, Canadá, Alemanha, Reino Unido, Dinamarca e Nova Zelândia, entre eles a herdeira da Walt Disney Company, Abigail Disney, o ex-diretor administrativo de uma das maiores empresas de investimento do mundo, a BlackRock, Morris Pearl, e o empresário dinamarquês-iraniano Djaffar Shalchi. "O dinheiro é desesperadamente necessário agora e continuará sendo necessário nos próximos anos, à medida que o mundo se recupere desta crise", dizem.

Esta carta não é a primeira demonstração pública de um grupo de pessoas ricas para expressar o mesmo pedido. Já em 2019, antes da pandemia da covid-19 assolar o mundo, um grupo de centenas de norte-americanos com grandes fortunas, chamado de Milionários Patrióticos (Patriotic Millionaires), se comprometeu a promover políticas públicas para incentivar melhores salários para os trabalhadores e garantir que milionários, bilionários e corporações paguem uma “parcela justa de impostos”.

Mais informações