_
_
_
_
_

Morre Christopher Tolkien, o guardião da Terra Média

O filho do criador de ‘O Senhor dos Anéis’, J. R. R. Tolkien, falece aos 95 anos

Christopher Tolkien.
Christopher Tolkien.Tolkien State
Mais informações
La actriz Tilda Swinton (la Bruja Blanca), en un fotograma de la película <i>Las crónicas de Narnia. </i>
Netflix transformará 'As Crônicas de Nárnia' em série
Smaug el dragón era el último de su especie que quedaba en la Tierra Media y expulsó a los enanos de la Montaña Solitaria tomando su tesoro. Smaug se convierte en el último obstáculo que deben superar Bilbo y la compañía de enanos a los que acompaña para recuperar el tesoro. En esta ilustración, 'Conversación con Smaug', se describe la segunda de las visitas a la cueva. Cuando es descubierto, el hobbit le llama "Smaug, la más importante, la más grande de las calamidades". La nube de vapor alrededor de Bilbo quiere indicar que no pueden ver bien al animal que describe como "un enorme dragón aureorrojizo".
Tolkien: o homem que inventou a Terra Média

O primeiro leitor de O Hobbit morreu nesta quinta-feira na França aos 95 anos. A Tolkien Society confirmou em um comunicado a morte de Christopher Tolkien, filho do escritor de fantasia J.R.R Tolkien, criador de obras imortais como O Senhor dos Anéis (1954) e O Silmarillion (1977) que revolucionaram o gênero e deixaram uma marca indelével na cultura popular.

Responsável pela herança e guardião das essências da Terra Média criada por seu pai, Christopher Tolkien desempenhou um papel muito ativo na difusão das criações dele e atuou como editor de grande parte de sua obra após sua morte, em 1973 “Sabiamente, comecei com um mapa”, dissera J.R.R. Tolkien em mais de uma ocasião para se referir à complexidade do mundo que havia criado em suas obras, a maioria delas situada na Terra Média, um universo habitado por orcs, elfos, anões e outros seres cuja visão acabou por prevalecer sobre todos os outros. Pois bem, seu filho atuou como cartógrafo (muitas vezes literalmente) dessa vasta terra, esclarecendo aspectos, reunindo escritos e expandindo a imaginação do pai. Em muitos casos, como foi o caso dessa mistura de crônica bíblica e enciclopédia fantástica que é O Silmarillion, compilando e permitindo que a obra pudesse vir à tona.

Já neste milênio, ele se encarregou de que Os filhos de Húrin (iniciado por seu pai e editado por ele em 2007) completasse a história da Terra Média. Também atuou como editor de A Lenda de Sigurd e Gudrún (2009) e A Queda de Artur (2013), os primeiros livros do pai que, no entanto, não tiveram o sucesso das criações maiores.

Após a adaptação cinematográfica da obra mais famosa de J.R.R. Tolkien, a figura de seu filho Christopher ganhou certa relevância por ter criticado a maneira pela qual o cineasta Peter Jackson havia trasladado O Senhor dos Anéis para a tela. Embora Christopher tenha evitado entrar em mais polêmicas, denunciou, em 2008, a produtora New Line Cinema, demandando mais de 80 milhões de libras (cerca de 433 milhões de reais) por direitos cinematográficos não pagos.

A luz do trabalho de seu pai, porém, não se extinguiu: há dois dias a Amazon anunciou o elenco de sua adaptação televisiva da Terra Média, que se afastará do enredo faz adaptações cinematográficas para narrar as aventuras da Terra Média milhares de anos antes. A série é, de fato, uma produção bilionária que atua como o principal cavalo de batalha da plataforma digital, o que demonstra a marca que o universo criado por Tolkien (e com o apoio de seu filho) continua deixando a cultura.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_