Um fóssil mostra o primeiro caso conhecido de cuidados paternos

Os animais, parecidos com lagartos, morreram juntos há 309 milhões de anos enquanto o progenitor protegia a cria com seu corpo e cauda

Os fósseis de 'D. unamakiensis' encontrados no Canadá.
Os fósseis de 'D. unamakiensis' encontrados no Canadá.Universidad de Carleton

Mais informações

Há 300 milhões de anos, a atmosfera da Terra tinha quase o dobro de oxigênio do que agora e o mundo possível era fascinante. Centopeias com dois metros e meio de comprimento como a Arthopleura coexistiam com as Meganeuras, libélulas de tamanho descomunal, com 70 centímetros de envergadura. Ao redor, árvores que superavam 40 metros de altura. No mar, anfíbios iniciavam a invasão da terra firme e assim os répteis começavam a se desenvolver. Nesse período, conhecido como Carbonífero, porque foi então que se formaram os depósitos de rochas que tornaram possível a Revolução Industrial, possivelmente se produziu um marco histórico na evolução animal.

Em uma jazida perto da cidade de Sydney, na costa leste do Canadá, foram encontrados recentemente restos fossilizados do que parece uma trágica cena familiar. Dois esqueletos (parecidos com um par de lagartos) de uma espécie de sinápsidas batizada como Dendromaia unamakiensis jazem entrelaçados dentro do toco de uma árvore que pode ter sido seu abrigo. Em um artigo publicado nesta segunda-feira na revista Nature Ecology & Evolution, a pesquisadora da Universidade de Carleton, em Ottawa (Canadá), Hillary Maddin e sua equipe descrevem como o indivíduo menor parece proteger-se sob as partes traseiras do maior, que o rodeia com seu rabo. Ambos morreram de repente, soterrados e ficando na posição em que foram encontrados 309 milhões de anos depois.

Hoje, o fato de os pais cuidarem dos filhotes é uma estratégia comum entre muitas espécies de vertebrados. Esse tipo de comportamento pode ser custoso para os pais, que precisam dividir com as crias o alimento que encontram e enfrentar perigos para defendê-los. Mas parece que para muitas espécies isso compensa. Até agora, o exemplo mais antigo conhecido de cuidado paterno é o de outro sinápsida, o Heleosaurus scholtzi, que viveu na África do Sul durante o Permiano, cerca de 40 milhões de anos depois do animal apresentado hoje.

Reconstruir a origem desse tipo de comportamento é complicado, porque não é comum encontrar pais e filhos fossilizados juntos em um gesto final que possa ser considerado uma evidência válida de que compartilhavam esse tipo de relação. Nesse caso, o local em que foram encontrados, próximo à raiz de uma árvore que poderia servir de abrigo, se assemelha aos refúgios em que animais semelhantes que existem hoje cuidam de suas crias. O mesmo acontece com o ato de proteger o filhote com o corpo e escondê-lo com a cauda. Esse comportamento foi encontrado, além de nos animais modernos, nos fósseis do Heleossauro e nos sinapsídeos do Triássico, que começa há 250 milhões de anos, os Galesaurus e os Thrinaxodon.

O interesse em conhecer a origem e a evolução dos animais que cuidam dos filhotes também está relacionado à compreensão da história evolutiva dos mamíferos, que surgiram há pouco mais de 200 milhões de anos e são uma classe de animais em que os cuidados maternos são fundamentais, já que todas as crias precisam do leite das mães para sobreviver. Nesse sentido, em outro artigo publicado nesta segunda-feira na Nature Ecology & Evolution, David Ford e Roger Benson, da Universidade Oxford, argumentam que animais como o D. unamakiensis não são ancestrais de mamíferos, como se pensa agora, mas estão relacionados a outro grupo, conhecido como diapsidas, que deu origem a crocodilos, lagartos, tartarugas e aves. A descoberta de novos fósseis contribuirá para dar prosseguimento à reconstituição de uma árvore genealógica da vida que fica nebulosa quando se retrocede milhões de anos no tempo profundo da história da Terra.

Mais informações