Planetas

Descoberto Higia, o menor planeta anão do Sistema Solar

A análise mais detalhada já feita deste asteroide revela que ele cumpre os requisitos para entrar na mesma categoria de Plutão

Imagem de Higia feita pelo VLT, no Chile. ESO|EPV

Um estudo publicado nesta segunda-feira afirma que o Sistema Solar tem um novo planeta anão – que é, de fato, o menor anão de todos. Trata-se do Higia, o quarto maior do cinturão de asteroides depois de Ceres, Vesta e Pallas.

Mais informações

Até o momento, sabia-se que Higia cumpria duas das três condições para ser um planeta anão: ele orbita o Sol e não “limpou” sua órbita (gira ao redor do Sol acompanhado por outros corpos). Essa característica foi a que rebaixou Plutão a essa categoria. Agora, uma equipe internacional de astrônomos usou o Very Large Telescope (VLT, telescópio muito grande), situado no deserto do Atacama, no Chile, para determinar se ele satisfaz a terceira condição: ter gravidade própria e, portanto, uma forma redonda.

“Graças à capacidade única do instrumento SHPERE instalado no VLT, conseguimos resolver a forma do Higia, que é quase esférica”, afirma o pesquisador-chefe Pierre Vernazza, do Laboratório de Astrofísica de Marselha (França), num comunicado divulgado pela instituição. “Graças a essas imagens, Higia pode ser reclassificado como um planeta anão, até agora o menor do Sistema Solar".

Cinco planetas já foram confirmados como anões: Plutão, Ceres, Eris, Makemake e Haumea. As observações com o telescópio chileno, publicadas nesta segunda-feira pela Nature Astronomy, mostram que Higia tem um diâmetro de 430 quilômetros. Ceres, até então considerado o menor, tem 950 quilômetros.

As novas observações mergulham no mistério sobre a origem de Higia, batizado em alusão à deusa grega da saúde e da higiene. Esse corpo é o maior de uma família de 7.000 asteroides. Acredita-se que tenha se originado da decomposição de um corpo de cerca de 100 quilômetros de diâmetro há bilhões de anos. Os astrônomos fizeram simulações numéricas para entender as dimensões dos astros que colidiram. Os resultados indicam que a forma esférica de Higia é o resultado de um choque frontal com um projétil de 75 a 125 quilômetros de diâmetro. O impacto teria ocorrido há cerca de dois bilhões de anos e destruído completamente o corpo principal. As peças restantes voltaram a se unir, dando a Higia sua forma esférica. Teria sido a última grande colisão no cinturão de asteroides dos últimos quatro bilhões de anos, explica Pavel Ševeček, coautor do estudo. No entanto, isso não condiz com as observações do telescópio VLT. Os astrônomos cobriram 95% da geografia do planeta sem encontrar nenhuma cratera compatível com uma colisão das dimensões estimadas.