Metade das aves mais comuns da Europa e da América do Norte desapareceram

Estudo com dados dos últimos 50 anos sobre 529 espécies de aves do Canadá e EUA mostra que há quase três bilhões de pássaros a menos que em 1970

O pepitero do norte pertence ao grupo de passeriformes, a ordem aviária que mais população está perdendo. Em vídeo, imagens da American Bird Conservacy sobre o desaparecimento de 50% das aves mais comuns. FOTO: Jay McGowan | VÍDEO: American Bird Conservacy.

Nos arredores do lago Constança, fronteira aquática entre a Alemanha, Suíça e Áustria, as populações de pardais se reduziram em 90% desde 1950. No deserto do Mojave (EUA), o Campylorhynchus brunneicapillus é ainda mais raro de ver. E no delta do Okavango, em Botsuana, o número de abutres diminuiu 80% em 20 anos. São três dados de um fenômeno mais global que está alarmando os cientistas: o desaparecimento de bilhões de aves, especialmente das mais comuns.

Mais informações

Os últimos dados do desastre acabam de ser publicados na revista Science. Um estudo com dados dos últimos 50 anos sobre a abundância de 529 espécies de aves que sobrevoam os céus da América do Norte (Canadá e EUA) mostra que hoje há quase três bilhões de pássaros a menos que em 1970. A cifra equivale a 29% de toda a avifauna da região. A perda é generalizada em quase todas as famílias, dando-se em quase 60% das espécies. Entre os passerídeos (pardais), alaudídeos (cotovias) e esturnídeos (estorninhos), a extinção chega a 75%. As aves de rapina e as aquáticas estão entre as poucas que ganharam população.

"Esperávamos ver um declínio contínuo nas espécies ameaçadas", diz o pesquisador Ken Rosenberg, do laboratório de ornitologia da Universidade Cornell (EUA) e principal autor do estudo. "Mas, pela primeira vez, os resultados também mostram perdas generalizadas entre as aves mais comuns de todos os hábitats", acrescenta ele, que também é membro da organização American Bird Conservancy.

Na América do Norte, a população de pássaros diminuiu em 2,9 bilhões de indivíduos nos últimos 50 anos, e na Europa a perda foi de 400 milhões em 30 anos

Estes dados, baseados em observações de uma amplíssima rede de colaboradores, tanto aficionados quanto cientistas, foram confirmados por um trabalho paralelo amparado na mais recente tecnologia. Os autores do estudo usaram os registros de 143 radares da rede NEXRAD, da agência meteorológica dos EUA, para detectar mudanças no volume do fluxo migratório das aves sobre o céu norte-americano. Embora não tenham podido recuar a antes de 2007, estimaram que a migração emagreceu 13,6% nesse tempo.

O desaparecimento dos pássaros não é um fenômeno exclusivamente norte-americano. Em 2014, pesquisadores europeus publicaram dados comparativamente similares. Aquele trabalho partia de 1980 e, até 2010, a população de aves europeias havia diminuído em 400 milhões de espécimes, de um total estimado em dois bilhões. Além da menor abrangência temporal, esse estudo se limitou a 144 espécies das chamadas comuns. A tendência prossegue: segundo o último relatório (com dados até 2016) do Plano Pan-Europeu para o Monitoramento das Aves Comuns (PCBMS), um terço das espécies está em declínio. A população total diminuiu 15% desde 1980 e, entre aves de pradarias, as mais habituais das paisagens abertas, a redução chega a 57%.

A coruja-das-neves é, junto a outras aves de rapina, das espécies que recuperaram população.
A coruja-das-neves é, junto a outras aves de rapina, das espécies que recuperaram população.Doug Hitchcox (Cornell Lab of Ornithology)

"De forma míope, os conservacionistas tendem a se centrar nas espécies em extinção e, portanto, subestimam e são cegos à importância das espécies abundantes e ainda comuns, os papéis que desempenham para nós em termos de serviços ecossistêmicos e, muito especialmente, como barômetro fiel da saúde e sustentabilidade do ecossistema", argumenta o ornitólogo Richard Gregory, responsável pelo acompanhamento de espécies no Centro para a Ciência da Conservação RSPB (Reino Unido) e supervisor do projeto PCBMS. Entre esses serviços estariam a dispersão de sementes, a polinização e o controle natural de pragas.

Em países como a Espanha a tendência é ambivalente. "A situação é estável, mas há algumas espécies com uma perda muito notável", comenta o coordenador da área de estudo e acompanhamento da organização SEO/BirdLife, Juan Carlos del Moral. Como no resto da Europa e América do Norte, é o caso das aves mais relacionadas com o campo, que perderam até 95 milhões de seus indivíduos nos últimos 20 anos, segundo dados dessa organização conservacionista. Nesse tempo, só entre as andorinhas a população se reduziu em 15 milhões. "Desapareceram até 74% das codornas, mas isso ainda não é extinção", acrescenta.

O avanço da agricultura está reduzindo a disponibilidade de insetos e, com eles, o alimento de muitas espécies de aves

Não há uma causa única para o desaparecimento maciço dos pássaros. Os autores do estudo da América do Norte apontam a deterioração do hábitat, a pressão direta dos seres humanos e o avanço e intensificação da agricultura. Um recente estudo espanhol relacionava o desaparecimento de práticas agrícolas tradicionais, como o alqueive, com a redução das populações de aves das pradarias. Também a sofisticação dos inseticidas está deixando as espécies insetívoras sem alimentos. Outras causas apontadas poderiam ser o desmatamento nas zonas tropicais ou os transtornos causados pela mudança climática, em especial entre as aves que fazem ninhos mais ao norte.

Mas não há muitos dados para saber se o fenômeno é realmente global ou se limita às regiões mais alteradas pelos humanos, ao menos quanto às aves mais comuns. A ornitóloga Viviana Ruiz, de Cornell, que não participou no estudo da América do Norte, recorda por e-mail que, na América Latina, a situação é "igualmente intensiva ou pior, em percentagem sobre a população total". E dá alguns dados: 44% das 1.156 espécies de aves presentes na América Central estão ameaçadas, com 14% em estado crítico.

"Na África não temos a capacidade para estimar fielmente as mudanças na abundância dos passeriformes [os pássaros]. Por razões práticas, o esforço se centra nas espécies maiores, como as de rapina, das quais temos séries históricas", diz por e-mail o professor Arjun Amar, do Instituto Fitzpatrick de Ornitologia Africana, da Universidade da Cidade do Cabo (África do Sul). "Entretanto, também é verdade que os passeriformes que proliferam em algumas partes da África poderiam estar sofrendo um declínio em grande escala, mas, diferentemente da Europa ou América do Norte, não temos as ferramentas para monitorá-lo e detectá-lo", acrescenta.

Produz-se o paradoxo, ao menos na Europa e América do Norte, de que enquanto as aves mais comuns desaparecem aos milhões, as tradicionalmente mais ameaçadas estão se recuperando. Segundo o estudo da Science, nos EUA e Canadá há agora 250 milhões mais aves de rapina, aquáticas e outras tradicionalmente caçadas, como perus e faisões. Os esforços conservacionistas e a regulação da caça explicariam essa recuperação, que também está sendo observada em diversas espécies famosas dos céus europeus.