Seleccione Edição
Login
venezuela
Um homem busca restos entre o lixo, em Maracaibo (Venezuela). AP

A venezuelana Maracaibo, uma cidade em ruínas

15 fotos

A miséria é visível nas ruas da cidade venezuelana que outrora foi o coração da florescente indústria petrolífera nacional

  • "Maracaibo marginalizada e sem um real  O que mais pode acontecer com você  Isso não aconteceu com você" versa a gaita maracucha ouvida durante incontáveis festas de Natal na voz de Ricardo Aguirre. O que costumava ser a segunda cidade da América Latina, atrás de Buenos Aires, pioneira no serviço elétrico, bondes e telégrafos, hoje é palco da deterioração e do abandono causados pela escassez que a Venezuela enfrenta. O país do petróleo registrou uma inflação de 130.000% em 2018.
    1"Maracaibo marginalizada e sem um real / O que mais pode acontecer com você / Isso não aconteceu com você" versa a gaita maracucha ouvida durante incontáveis festas de Natal na voz de Ricardo Aguirre. O que costumava ser a segunda cidade da América Latina, atrás de Buenos Aires, pioneira no serviço elétrico, bondes e telégrafos, hoje é palco da deterioração e do abandono causados pela escassez que a Venezuela enfrenta. O país do petróleo registrou uma inflação de 130.000% em 2018. AP
  • Uma montanha-russa não utilizada permanece no solo onde o parque de diversões Grano de Oro costumava ser em Maracaibo. A destruição da cidade, onde os apagões já eram comuns antes de março, desafiou a compreensão de seus habitantes. Os saques ofereciam imagens dignas de uma zona de guerra ou das consequências de um desastre natural.
    2Uma montanha-russa não utilizada permanece no solo onde o parque de diversões Grano de Oro costumava ser em Maracaibo. A destruição da cidade, onde os apagões já eram comuns antes de março, desafiou a compreensão de seus habitantes. Os saques ofereciam imagens dignas de uma zona de guerra ou das consequências de um desastre natural. AP
  • Maracaibo tornou-se a zona zero do colapso na Venezuela. A falta de energia elétrica foi acompanhada de uma escassez no fornecimento de água, gasolina e dificuldades em garantir condições de conservação de alimentos. A distorção da vida em um emblema da cidade do boom do petróleo.
    3Maracaibo tornou-se a zona zero do colapso na Venezuela. A falta de energia elétrica foi acompanhada de uma escassez no fornecimento de água, gasolina e dificuldades em garantir condições de conservação de alimentos. A distorção da vida em um emblema da cidade do boom do petróleo. AP
  • Raúl Navas, de 25 anos, toma banho no Lago Maracaibo no final do dia de trabalho no mercado municipal. Neste lago, o maior da América Latina, já se alertou para a grave contaminação por mais de cinco anos perante a Comissão Permanente de Meio Ambiente, Recursos Naturais e Mudanças Climáticas da Assembleia Nacional. 300 quilômetros da costa foram afetados pelo derramamento diário de até 70 barris de petróleo no estuário.
    4Raúl Navas, de 25 anos, toma banho no Lago Maracaibo no final do dia de trabalho no mercado municipal. Neste lago, o maior da América Latina, já se alertou para a grave contaminação por mais de cinco anos perante a Comissão Permanente de Meio Ambiente, Recursos Naturais e Mudanças Climáticas da Assembleia Nacional. 300 quilômetros da costa foram afetados pelo derramamento diário de até 70 barris de petróleo no estuário. AP
  • Os blecautes maciços de março não eram novos na Cidade do Sol, que já se acostumara com o fracasso do fornecimento desde 2017. Na imagem, um vendedor carrega uma carne em direção a um açougue no mercado. As temperaturas sufocantes de Maracaibo - mínimo de 28 graus Celsius - colocam em risco qualquer alimento que dependa de refrigeração, condição quase impossível de garantir hoje.
    5Os blecautes maciços de março não eram novos na Cidade do Sol, que já se acostumara com o fracasso do fornecimento desde 2017. Na imagem, um vendedor carrega uma carne em direção a um açougue no mercado. As temperaturas sufocantes de Maracaibo - mínimo de 28 graus Celsius - colocam em risco qualquer alimento que dependa de refrigeração, condição quase impossível de garantir hoje. AP
  • A oposição culpa a miséria na Venezuela pelas políticas econômicas equivocadas e pela má administração e corrupção do Governo estabelecidas pelo falecido Hugo Chávez. A atmosfera que hoje é vivida em Maracaibo é mais exaustiva. Muitos dos que podem pagar se juntam ao êxodo de mais de quatro milhões de venezuelanos que deixaram o país nos últimos anos. A cidade do noroeste fica perto da fronteira com a Colômbia, que abriga mais de um quarto dos migrantes.
    6A oposição culpa a miséria na Venezuela pelas políticas econômicas equivocadas e pela má administração e corrupção do Governo estabelecidas pelo falecido Hugo Chávez. A atmosfera que hoje é vivida em Maracaibo é mais exaustiva. Muitos dos que podem pagar se juntam ao êxodo de mais de quatro milhões de venezuelanos que deixaram o país nos últimos anos. A cidade do noroeste fica perto da fronteira com a Colômbia, que abriga mais de um quarto dos migrantes. AP
  • Um grupo de crianças brinca com um carro no bairro Villa Esperanza. Dadas as condições críticas enfrentadas pelo Estado de Maracaibo - e que é generalizado no país - o líder chavista Nicolás Maduro argumenta que os problemas são o resultado do que ele descreve como uma guerra comercial travada pelos Estados Unidos, que, junto com quatro dezenas de outros países, afirma que sua reeleição no ano passado não foi legítima.
    7Um grupo de crianças brinca com um carro no bairro Villa Esperanza. Dadas as condições críticas enfrentadas pelo Estado de Maracaibo - e que é generalizado no país - o líder chavista Nicolás Maduro argumenta que os problemas são o resultado do que ele descreve como uma guerra comercial travada pelos Estados Unidos, que, junto com quatro dezenas de outros países, afirma que sua reeleição no ano passado não foi legítima. AP
  • Dois garçons esperam atrás do balcão de bebidas no bar El Girasol, com vista para o Lago Maracaibo, onde um navio petroleiro está navegando. Atualmente, os dados da Comissão de Energia e Petróleo da Assembleia Nacional colocam a produção de petróleo bruto no oeste venezuelano em aproximadamente 220 mil barris por dia, uma queda de 75% em relação ao boom do petróleo que caracterizou o mandato de Hugo Chávez.
    8Dois garçons esperam atrás do balcão de bebidas no bar El Girasol, com vista para o Lago Maracaibo, onde um navio petroleiro está navegando. Atualmente, os dados da Comissão de Energia e Petróleo da Assembleia Nacional colocam a produção de petróleo bruto no oeste venezuelano em aproximadamente 220 mil barris por dia, uma queda de 75% em relação ao boom do petróleo que caracterizou o mandato de Hugo Chávez. AP
  • Os túmulos também foram palco de saques em Maracaibo. Desde o final de 2018, no cemitério de El Cuadrado, os ladrões têm profanado nichos e esquifes em busca das vestimentas com que os corpos descansam. "Há oito meses, eles levaram os dentes de ouro dos mortos", disse José Antonio Ferrer, responsável pelos cemitérios que foram usurpados.
    9Os túmulos também foram palco de saques em Maracaibo. Desde o final de 2018, no cemitério de El Cuadrado, os ladrões têm profanado nichos e esquifes em busca das vestimentas com que os corpos descansam. "Há oito meses, eles levaram os dentes de ouro dos mortos", disse José Antonio Ferrer, responsável pelos cemitérios que foram usurpados. AP
  • Alguns revolvem o lixo, procuram comida ou correm para encher os baldes quando o caminhão-pipa para na vizinhança. O último relatório da Transparência Internacional lembra que "no país não há setor livre de corrupção". Entre as empresas ilegais, a ONG destaca "a operação Money Flight, um desvio de 1,2 bilhão de dólares da PDVSA", aos quais se somam milhares de dólares que, de acordo com as acusações, foram levados pelo ex-chefe do Tesouro Nacional Alejandro Andrade Betancourt - atual presidente da empresa de óculos espanhola Hawkers - e as operações de lavagem do ex-ministro da energia Nervis Villalobos.
    10Alguns revolvem o lixo, procuram comida ou correm para encher os baldes quando o caminhão-pipa para na vizinhança. O último relatório da Transparência Internacional lembra que "no país não há setor livre de corrupção". Entre as empresas ilegais, a ONG destaca "a operação Money Flight, um desvio de 1,2 bilhão de dólares da PDVSA", aos quais se somam milhares de dólares que, de acordo com as acusações, foram levados pelo ex-chefe do Tesouro Nacional Alejandro Andrade Betancourt - atual presidente da empresa de óculos espanhola Hawkers - e as operações de lavagem do ex-ministro da energia Nervis Villalobos. AP
  • Um andar do hotel Brisas del Norte mostra as consequências do saque em Maracaibo, em março passado. Naquela época, as autoridades culparam os criminosos pela escalada, que teve uma magnitude única no país e só acelerou a queda da cidade. Os acessórios do hotel foram arrancados e destruídos.
    11Um andar do hotel Brisas del Norte mostra as consequências do saque em Maracaibo, em março passado. Naquela época, as autoridades culparam os criminosos pela escalada, que teve uma magnitude única no país e só acelerou a queda da cidade. Os acessórios do hotel foram arrancados e destruídos. AP
  • Os moradores da Villa Esperanza carregam contêineres com água potável em carrinhos de mão. A resignação é sentida em toda a cidade, que antes do êxodo para a Colômbia, tinha mais de dois milhões de habitantes.
    12Os moradores da Villa Esperanza carregam contêineres com água potável em carrinhos de mão. A resignação é sentida em toda a cidade, que antes do êxodo para a Colômbia, tinha mais de dois milhões de habitantes. AP
  • Um graffiti se refere a um romance iniciado durante os protestos em que os manifestantes construíram barricadas para exigir a renúncia do líder chavista Nicolás Maduro. A cidade, submersa em uma crise de fornecimento de energia há mais de dois anos, já havia exigido em 2018, através da Câmara de Comércio de Maracaibo, que se declarasse a emergência no setor devido à impossibilidade de operar com as quedas de energia prolongadas. Quando não há eletricidade, os sistemas de bombeamento que fornecem água, a Internet, as telecomunicações ou pontos de pagamento não funcionam.
    13Um graffiti se refere a um romance iniciado durante os protestos em que os manifestantes construíram barricadas para exigir a renúncia do líder chavista Nicolás Maduro. A cidade, submersa em uma crise de fornecimento de energia há mais de dois anos, já havia exigido em 2018, através da Câmara de Comércio de Maracaibo, que se declarasse a emergência no setor devido à impossibilidade de operar com as quedas de energia prolongadas. Quando não há eletricidade, os sistemas de bombeamento que fornecem água, a Internet, as telecomunicações ou pontos de pagamento não funcionam. AP
  • Um casal dança para acompanhar a melodia de um pianista no bar El Girasol em Maracaibo. A cidade era conhecida como "a mais fria" do país pelo uso massivo de ar condicionado. Hoje, todas as noites, a escassez de geradores levou muitas famílias a dormir à porta de suas casas, mal iluminadas por lâmpadas a gás.
    14Um casal dança para acompanhar a melodia de um pianista no bar El Girasol em Maracaibo. A cidade era conhecida como "a mais fria" do país pelo uso massivo de ar condicionado. Hoje, todas as noites, a escassez de geradores levou muitas famílias a dormir à porta de suas casas, mal iluminadas por lâmpadas a gás. AP
  • Alguns motoristas dormem em seus carros enquanto aguardam a chegada de combustível em longas filas nos postos de gasolina. Em meio ao agudo caos econômico, o Banco Central da Venezuela anunciou a emissão de três novas notas, de 10.000 (1,6 dólares), 20.000 (3,2 dólares) e 50.000 bolívares (8,1 dólares). A medida, anunciada pelos funcionários de Nicolás Maduro, condena um país que sobrevive em uma estrutura hiperinflacionária inédita.
    15Alguns motoristas dormem em seus carros enquanto aguardam a chegada de combustível em longas filas nos postos de gasolina. Em meio ao agudo caos econômico, o Banco Central da Venezuela anunciou a emissão de três novas notas, de 10.000 (1,6 dólares), 20.000 (3,2 dólares) e 50.000 bolívares (8,1 dólares). A medida, anunciada pelos funcionários de Nicolás Maduro, condena um país que sobrevive em uma estrutura hiperinflacionária inédita. AP