Seleccione Edição
Login
Um bombeiro durante os labores de busca.
Um bombeiro durante os labores de busca. AFP

A estrutura da barragem de Brumadinho após a tragédia

9 fotos

As buscas continuam após o colapso de uma barragem que matou pelo menos 166 pessoas. Ainda há 160 desaparecidos. O Ministério Público acusou a Vale de ter conhecimento desde outubro de 2018 do risco de rompimento

  • O número de fatalidades devido ao colapso da barragem em Brumadinho matou 166 pessoas, enquanto as autoridades continuam com a busca de 160 desaparecidos na tragédia.
    1O número de fatalidades devido ao colapso da barragem em Brumadinho matou 166 pessoas, enquanto as autoridades continuam com a busca de 160 desaparecidos na tragédia. AFP
  • A tragédia ocorreu em 25 de janeiro, uma sexta-feira, quando uma das barragens onde os resíduos minerais eram armazenados em um complexo da Vale em Brumadinho, município de Minas Gerais, rompeu e gerou uma avalanche que enterrou as instalações da própria empresa e centenas de propriedades rurais.
    2A tragédia ocorreu em 25 de janeiro, uma sexta-feira, quando uma das barragens onde os resíduos minerais eram armazenados em um complexo da Vale em Brumadinho, município de Minas Gerais, rompeu e gerou uma avalanche que enterrou as instalações da própria empresa e centenas de propriedades rurais. AFP
  • De acordo com o último relatório divulgado na segunda-feira pela Defesa Civil, entre os desaparecidos estavam 37 funcionários da empresa Vale e 118 outros, incluindo terceirizados, que serviam a gigante da mineração, e membros da comunidade. Imagem de um escritório na mineradora Vale, tirada 20 dias após o rompimento da barragem.
    3De acordo com o último relatório divulgado na segunda-feira pela Defesa Civil, entre os desaparecidos estavam 37 funcionários da empresa Vale e 118 outros, incluindo terceirizados, que serviam a gigante da mineração, e membros da comunidade. Imagem de um escritório na mineradora Vale, tirada 20 dias após o rompimento da barragem. AFP
  • Um bombeiro participa da busca por vítimas na usina da Vale, 20 dias após a ruptura de uma barragem de rejeitos na mineradora Vale, em Córrego do Feijão, no estado de Minas Gerais.
    4Um bombeiro participa da busca por vítimas na usina da Vale, 20 dias após a ruptura de uma barragem de rejeitos na mineradora Vale, em Córrego do Feijão, no estado de Minas Gerais. REUTERS
  • Cerca de 376 membros das forças de segurança, incluindo bombeiros e policiais, de Minas Gerais e de outras regiões do país participam do trabalho com a ajuda de escavadeiras. Na foto, os bombeiros rezam antes de retomar a busca por vítimas.
    5Cerca de 376 membros das forças de segurança, incluindo bombeiros e policiais, de Minas Gerais e de outras regiões do país participam do trabalho com a ajuda de escavadeiras. Na foto, os bombeiros rezam antes de retomar a busca por vítimas. AFP
  • Aqueles listados como desaparecidos estão supostamente mortos, mas ainda não foram encontrados sob as camadas de resíduos de mineração lamacenta lançados quando a barragem de rejeitos rompeu na cidade de Brumadinho.
    6Aqueles listados como desaparecidos estão supostamente mortos, mas ainda não foram encontrados sob as camadas de resíduos de mineração lamacenta lançados quando a barragem de rejeitos rompeu na cidade de Brumadinho. AFP
  • Os bombeiros usam máquinas pesadas na busca por vítimas.
    7Os bombeiros usam máquinas pesadas na busca por vítimas. AFP
  • Além das buscas, a gigante Vale continua com o trabalho de reconstrução de uma ponte que é uma das principais vias de acesso ao município de Brumadinho e deve ficar pronta em cerca de três semanas. Na imagem, os moradores bloqueiam uma estrada de acesso à barragem de rejeitos, de propriedade da Vale, durante um protesto.
    8Além das buscas, a gigante Vale continua com o trabalho de reconstrução de uma ponte que é uma das principais vias de acesso ao município de Brumadinho e deve ficar pronta em cerca de três semanas. Na imagem, os moradores bloqueiam uma estrada de acesso à barragem de rejeitos, de propriedade da Vale, durante um protesto. REUTERS
  • O desastre em Brumadinho ocorreu apenas três anos depois que outro semelhante aconteceu em Mariana, outro município de Minas Gerais e onde o rompimnento de várias barragens da mineradora Samarco, controlada pela Vale e pela BHP Billiton, causou 19 mortes e representou uma tragédia ambiental sem precedentes.
    9O desastre em Brumadinho ocorreu apenas três anos depois que outro semelhante aconteceu em Mariana, outro município de Minas Gerais e onde o rompimnento de várias barragens da mineradora Samarco, controlada pela Vale e pela BHP Billiton, causou 19 mortes e representou uma tragédia ambiental sem precedentes. AFP