Argentiina

FMI antecipará recursos à Argentina para afastar fantasma da moratória

Macri anuncia que o acordo garante o pagamento dos vencimentos de dívida até 2019

O presidente Mauricio Macri anuncia, na residência oficial de Olivos, o acordo com o FMI para antecipar os recursos do resgate decidido em junho.
O presidente Mauricio Macri anuncia, na residência oficial de Olivos, o acordo com o FMI para antecipar os recursos do resgate decidido em junho. (EFE)

A Argentina não entrará em default. Nem neste ano, nem no ano que vem. Em uma mensagem de menos de dois minutos transmitida pela televisão antes da abertura dos mercados, o presidente Mauricio Macri anunciou um acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI) para “antecipar todos os recursos necessários” ao cumprimento do programa financeiro até dezembro de 2019. O dinheiro é parte do resgate de 50 bilhões de dólares (206 bilhões de reais) assinado com o Fundo em junho. Agora, porém, o envio desse montante a Buenos Aires não dependerá nem do calendário nem do cumprimento das metas fiscais. Macri tentou assim neutralizar a desconfiança dos mercados quanto à capacidade de pagamento da Argentina, refletida neste mês numa alta de 23% do risco país e numa depreciação de 14% do peso em relação ao dólar.

A Argentina sofre com o fortalecimento do dólar em nível global, como outros mercados emergentes. Mas sente muito mais a tormenta por sua vulnerabilidade, fruto da necessidade de financiamento de um déficit fiscal que supera 4% do PIB. Em maio, quando os mercados fecharam a torneira do dinheiro externo, Macri recorreu ao FMI, um “prestamista de última instância”. O Fundo forneceu 15 bilhões de dólares na primeira parcela do acordo, mas não foi suficiente. Depois de algumas semanas de calmaria, a incerteza voltou à economia argentina, e cresceram os rumores de uma eventual suspensão de pagamentos. O anúncio de Macri buscou eliminar essas dúvidas, embora sem apresentar cifras ou datas precisas.

MAIS INFORMAÇÕES

“Esta decisão busca eliminar qualquer incerteza gerada ao nosso redor diante da piora do contexto internacional. Garantir o financiamento para 2019 irá nos permitir fortalecer a confiança e retomar o caminho do crescimento o antes possível”, disse Macri. Em troca, a Argentina se compromete a cumprir as metas de redução do déficit definidas com o FMI, que preveem o equilíbrio em 2020 e superávit em 2021. “Da nossa parte, acompanharemos este apoio com os esforços fiscais necessários, trabalho no qual vamos avançando muito bem”, acrescentou Macri.

O acordo prevê a liberação dos recursos do acordo segundo as necessidades argentinas. Segundo o Ministério da Fazenda, o dinheiro deste ano já está coberto, e para 2019 serão necessários oito bilhões de dólares para pagar dívidas. O montante final é pura especulação, porque dependerá da atitude dos investidores com relação aos títulos em pesos que mantêm em carteira. O cálculo da Fazenda parte de uma renovação de 40% dos papéis, mas uma corrida ao dólar pode multiplicar as necessidades de financiamento, num cenário cada vez mais refratário às turbulências dos emergentes.

O problema para a Argentina é que a chegada de novos recursos do FMI depende de auditorias que seus técnicos realizam sobre variáveis como a inflação e o déficit fiscal. O ministro da Fazenda, Nicolás Dujovne, passou pelo primeiro teste nesta semana e conseguiu a liberação de uma nova parcela de três bilhões de dólares, mas sem eliminar as dúvidas sobre os futuros desembolsos. Com este novo acordo, a Argentina poderá dizer aos investidores que conta com o dinheiro suficiente para enfrentar qualquer tormenta, ao menos durante os próximos 16 meses.

A economia é a principal dor de cabeça de Macri. A Argentina terá eleições em 2019, e os números não podem ser piores para os planos de reeleição do presidente. O orçamento de 2018 previa uma inflação de 15,7%, e hoje os cálculos mais otimistas falam em 32%; o dólar deveria se estabilizar em torno dos 19 pesos, e já rompeu a barreira dos 32; o PIB, ao invés de subir 3,2%, como dizia o Governo em dezembro, cairá 1%, na melhor das hipóteses. Todas as previsões viraram papel picado, e a ajuda do FMI até agora não bastou para deter a curva descendente nem para acalmar os nervos dos investidores.

O peso, em queda livre

O anúncio de que o FMI irá liberar os recursos necessários para cobrir os custos da dívida argentina não foi o bálsamo que Mauricio Macri esperava para os mercados. O dólar saltou mais de dois pesos nas casas de câmbio de Buenos Aires, sendo cotado a 34,45 pesos por unidade, 7% a mais do que ontem, e seu maior valor desde o fim da paridade cambial, em janeiro de 2002.

Tampouco o leilão de 300 milhões de dólares pelo Banco Central conseguiu deter a depreciação da moeda argentina. Foi a terceira venda consecutiva de reservas pela instituição nesta semana.

Também não alcançou para parar a depreciação da moeda argentina a oferta de 300 milhões de dólares que fez o Banco Central, a terceira venda consecutiva de reservas que realiza nesta semana.

Arquivado Em: