Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Mira Sorvino denuncia que foi amordaçada com uma camisinha em um teste de elenco aos 16 anos

A atriz, que lidera as denúncias sobre o assédio em Hollywood, narra seu calvário no mundo do cinema, onde o sexo está muito presente

mira sorvino
Mira Sorvino, na última cerimônia do Oscar. GTRES

Mira Sorvino tornou-se uma das líderes contra o assédio sexual em Hollywood. Depois de apontar com o dedo acusador para Harvey Weinstein, agora em uma entrevista ao podcast HFPA In Conversation da Associação da Imprensa Estrangeira de Hollywood, a atriz ganhadora do Oscar falou de sua experiência com o assédio na indústria do cinema, que, segundo ela, está muito presente.

“Ao reavaliar minha carreira, eu me dei conta de que em uma de minhas primeiras audições, quando tinha 16 anos, o diretor de casting me tratou de um jeito totalmente inapropriado”, declarou. “Para me assustar para uma cena de um filme de terror, ele me amarrou em uma cadeira, machucou meu braço. Tinha 16 anos e ele me amordaçou com um preservativo”, revelou Sorvino, que não citou o nome do diretor de elenco nem do filme. “Eu era jovem demais até para saber, graças a Deus, como era o gosto de uma camisinha”, acrescentou. “Foi tão inapropriado. E que diabos um diretor de elenco fazia com um preservativo no bolso durante uma audição?”

Sorvino disse que a audição foi uma de suas primeiras “experiências sobre como funciona o sistema de atuação” e explicou que “quando você é jovem, não questiona nada”. “Quando você é jovem, pensa: ‘Oh, tudo bem, tenho que ser dura, tenho que ficar triste para atuar de verdade, e se isso significa que precisam que faça um esforço adicional...”, explicou. “Existe essa estética de ir até o seu eu e tentar submeter-se à arte. As pessoas se aproveitam disso. As pessoas sempre se aproveitaram disso”, acrescentou Sorvino, que continuou dizendo que passou por outras situações constrangedoras ao longo de sua carreira. "Como nos dias das cenas de nu ou nos dias de cenas de amor com pessoas extras no set, que se aproximam. Os diretores te pressionam para que você mantenha relações com eles, as pessoas te dizem que se você mantiver uma relação sexual com eles te darão o papel. Isso aconteceu comigo várias vezes.”

Sorvino acrescentou que, por “nunca ter feito isso” e “nunca estar disposta a fazer”, perdeu papéis.

“Um grande diretor que ganhou Oscar e é conhecido por seu perfil de justiça social em alguns desses filmes, literalmente me disse em uma reunião de audição, em uma etapa final: “Sabe, quando olho para você, minha mente não pode evitar. Viaja sobre possibilidades artísticas e sexuais”, revelou.

MAIS INFORMAÇÕES