Seleccione Edição
Login

Por beijar um homem, PM de SP é atacado por colegas de farda

Soldado Leandro Prior recebeu ameaças e se internou em clínica de repouso após a PM abrir investigação; governador Márcio França (PSB) disse que ‘farda tem que estar respeitada’

Soldado Prior estava no Metrô quando foi filmado beijando um homem.
Soldado Prior estava no Metrô quando foi filmado beijando um homem.

Leandro Prior, de 27 anos, é policial militar desde 2014. É tido como um soldado “honrado” por quem o viu em ação. Porém, um beijo fez a sua vida profissional virar de cabeça para baixo com ataques homofóbicos de outros PMs e críticas até do governador de São Paulo, Márcio França (PSB). Tudo aconteceu após a imagem captada por um desconhecido viralizar na internet em que Prior aparece com a farda da tropa dando um selinho em um homem.

“Acabaram com a minha vida. Hoje eu estou afastado, passei no médico. Não é só a homofobia o problema, é mais grave que isso, estou sofrendo ameaças de morte”, desabafou Prior, em entrevista ao portal G1. “Eu quero continuar a trabalhar”, disse, antes de se internar em uma clínica de repouso, temendo pelo futuro na corporação. A própria PM instaurou procedimento para analisar a postura do soldado Leandro Prior.

Uma das mensagens de ódio direcionadas a Prior partiu do sargento da Rota (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar) Renato Nobile em seu perfil do Facebook. “Aqui não aceitamos um policial fardado em pleno metrô beijando um homem na boca. Desgraçado. Desonra para a minha corporação. Esse tinha que morrer na pedrada! Canalha safado! Se alguém não gostar desse comentário, foda-se você também”, escreveu Nobile.

Em contato com a reportagem da Ponte, o sargento da Rota negou que tenha escrito mensagens homofóbicas na internet. Segundo Nobile, que se encontra afastado dos trabalhos por decisão de seu comando, o perfil foi hackeado. “Não é a primeira vez que meu perfil é invadido. Informei ao meu comando o acontecido, a indignação é minha. Não tenho problema com nada, tenho até parente homossexual. Isto [seu afastamento e investigação] é um absurdo”, sustenta. A Corregedoria da PM e a Polícia Civil está investigando a publicação feita nas redes sociais.

O representante da tropa de elite da PM de SP não foi o único a condenar o ato do policial Leandro Pior. Governador de São Paulo e chefe máximo da PM, Márcio França criticou duramente o beijo dado enquanto ele estava fardado, ato considerado desrespeitoso. “É preciso ver que a farda é uma extensão do Estado e a farda tem que estar respeitada. Eu não vejo significado de você usar coldre, farda, e ficar fazendo gestos de amor expresso em público, seja com homem ou com mulher”, posicionou-se França, ao jornal O Estado de S. Paulo.

Renato Nobile disse à Ponte que o seu perfil no Facebook foi hackeado.
Renato Nobile disse à Ponte que o seu perfil no Facebook foi hackeado.

As reações fizeram com que o policial protagonista do vídeo pedisse afastamento temporário da corporação devido a uma crise depressiva, que teria motivado a internação na clínica de repouso, segundo informações iniciais. Mas a internação não foi confirmada.

Segundo o advogado José Beraldo, que atua na defesa de Prior, sua orientação sexual já era sabida de outros policiais. “Ele me contou que os policiais que atuam com ele já sabiam, exceto o alto comando”. O defensor contou ter sido procurado por um empresário, dono de uma casa de câmbio, que pretende testemunhar a favor do PM. Nas palavras de Beraldo, durante um assalto ao estabelecimento do empresário, que não teve o nome revelado, Prior teria salvo a vida do filho do homem e ainda recuperado 5 mil dólares. O caso teria ocorrido no ano passado.

Corporação com ‘ranço homofóbico’

Especialistas ouvidos pela Ponte apontam que houve clara prática de homofobia nos ataques feitos ao policial, tanto de outros membros da tropa quanto nas declarações do governador, Márcio França. Para o advogado especialista em direito LGBT Mario Solimene Filho, a iniciativa da PM em abrir um procedimento para investigar uma possível falha nos procedimentos da corporação pois o PM deveria “estar mais atento”, é “balela”.

“Para não se queimar, já que os direitos LGBTs hoje são muito fortes, eles dizem que o que houve é o descumprimento das normas por estar armado, mas na verdade, é o ranço homofóbico que está por trás disso”, diz. “Caso ele tivesse beijando uma mulher, o governador não ia precisar falar. Vejo, sim, uma conotação do ranço homofóbico que esta por trás da corporação, que é uma corporação explícita, a gente sabe que isso existe [homofobia]”, pondera Filho.

Filho analisa que a PM “não quer gay, ela não quer saber de gay”, diz. “Eu não critico a PM em si, eu critico a sociedade e a PM é parte dela. Eu não estou entrando em conflito com a PM, mas com a parte da sociedade que sabemos que não aceita gays. Como tem dentro do futebol, dentro dos bombeiros. Tudo que é equipe que tem relação de homens em conjunto estando todos no mesmo lugar eles se sentem ameaçados”, pontua.

Atualmente na reserva da PM, o tenente-coronel Adilson Paes de Souza também critica a homofobia dentro da corporação. “Parece um beijo discreto. Posso afirmar que se ele estivesse dando esse mesmo beijo em uma pessoa do sexo feminino não teria repercussão nenhuma. Então, pela imagem, mostra que esse rapaz está sendo vítima de homofobia”, sustenta o coronel. “Esse escândalo todo, esse furor é só porque ele deu um beijo discreto em um homem, uma pessoa do mesmo sexo. Errou quem filmou e divulgou as imagens e deu início a essa onda toda de ofensas contra o rapaz”, continua.

No entendimento do oficial, a PM precisa compreender a orientação sexual de sua tropa e deixar de tratá-la como um tabu. “Esse é um assunto que é um tabu na polícia. Ninguém conversa sobre a questão da homossexualidade na Polícia Militar. Chama a atenção por ser um fato inusitado. Eu acho que isso tem que ser admitido e acolhido e, ao você admitir e acolher esse tema você admite que existem policias que são homossexuais e que essa circunstância não o faz ser melhor ou pior do que ninguém”, completa.

Adilson analisa que o pedido de afastamento por parte do soldado é compreensível já que “deve estar submetido a uma carga de estresse muito elevada”. “Eu fico imaginado ele no local de trabalho dele, no quartel, o que ele pode ter ouvido de colegas ou de outras pessoas subordinadas ou superiores”, sustenta. “Eu conheço alguns policiais que são homossexuais, embora não tenha se declarado, mas se sabe que são. Não vejo problema nenhum, a sociedade mudou. A polícia tem que saber levar isso pois faz parte da sociedade. Não há porque ela querer ser uma ilha onde determinados comportamentos não podem existir”, finaliza Souza.

Advogado do PM Leandro Prior, José Beraldo disse ter pedido para a polícia acompanhar possíveis novos ataques ao soldado, e que puna exemplarmente colegas de farda identificados atacando seu cliente. “A vida particular dele não pode ser confundida com a vida pública”.

Apuração ‘exclusivamente sob aspecto administrativo’

A reportagem procurou a SSP (Secretaria da Segurança Pública) de São Paulo, através de sua assessoria de imprensa terceirizada, a InPress, que apontou que a PM “tem como um de seus alicerces a dignidade da pessoa humana e não discrimina ninguém por sua orientação sexual” e explicou a investigação aberta para apurar vídeo do beijo dado por Leandro Prior. “A conduta do PM fardado no metrô é apurada única e exclusivamente sob o aspecto administrativo, pois demonstra postura incompatível com os procedimentos de segurança que se espera de um policial fardado e armado, que exigem que esteja alerta”, sustenta a pasta.

Segundo a SSP, Prior procurou o serviço médico da instituição e “foi encaminhado para tratamento de saúde no Centro de Atenção Psicológica e Social da Polícia Militar”, além de a Decradi (Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância) apurar as ameaças feitas contra o soldado. “Além da investigação, a Instituição colocou à disposição do policial militar medidas protetivas, por meio da Divisão PM Vítima, da Corregedoria. Criada em 1983, a Divisão tem como objetivo apurar crimes cometidos contra policiais militares e dar apoio às vítimas”, garante.

A reportagem procurou a assessoria do governador Márcio França para saber seu posicionamento sobre o caso e se ele confirma a declaração publicada pelo jornal “O Estado de S. Paulo”. Em nota, a assessoria confirmou a autoria sendo de França, mas ressaltou que o governador “repudia todo e qualquer ato discriminatório e que as ameaças mencionadas pela reportagem já estão sendo apuradas pela Corregedoria da PM” e que o Estado ofereceu apoio médico ao soldado Prior.

“Em relação à frase, o governador complementou que todos têm direito a livre orientação sexual e que, independentemente disso, os servidores públicos, quando em serviço, devem cumprir sua jornada de maneira profissional, atenta e efetiva. O governador ainda destacou que a farda da PM é a extensão da bandeira de São Paulo. Por isso, quando o policial estiver fardado, não pode estar distraído ou envolvido com outras atividades que não sejam as inerentes à função militar”, posicionou-se a assessoria de imprensa de Márcio França, ainda em nota.

Reportagem originalmente publicada no site Ponte Jornalismo.

MAIS INFORMAÇÕES