Facebook recua e encerra experimento de excluir a mídia dos murais dos usuários

Empresa reconhece que internautas tiveram mais dificuldade no acesso a informações de qualidade

Logotipo do Facebook, em imagem captada em Bruxelas.
Logotipo do Facebook, em imagem captada em Bruxelas.REUTERS

O Facebook deu marcha à ré e nesta quinta-feira anunciou o fim do projeto-piloto que em outubro pôs em prática em seis países com o objetivo de eliminar os meios de comunicação profissionais do mural principal dos usuários. Desse modo, a rede social pretendia facilitar a conexão dos internautas com amigos e familiares. A empresa reconhece agora que não alcançou sua meta e que, com essa experiência, os usuários tinham mais dificuldade para ter acesso a informações de qualidade. Havia meses os internautas estavam se queixando do aumento da desinformação.

Mais informações

O teste começou em 19 de outubro no Sri Lanka, Bolívia, Guatemala, Camboja, Sérvia e Eslováquia. O Facebook limitou as informações que apareciam no feed de seus usuários a publicações pessoais e publicidade. O conteúdo compartilhado por páginas, a modalidade que os meios de comunicação usam para difundir os links das notícias, foi transferido para outro mural, em outra aba, chamada “explorar”. Os primeiros a dar o alarme foram os editores dos países afetados, preocupados com a repercussão que essa medida poderia ter no tráfego dos meios de comunicação, já que a rede social é uma importante fonte de leitores para a imprensa de todo o mundo.

Nesta quinta-feira, Adam Mosseri, o responsável pela News Feed — a área onde aparecem tanto as notícias como os conteúdos dos usuários — explicou por que decidiram encerrar o projeto-piloto, chamado Explore Feed. “Nas pesquisas, as pessoas nos disseram que estavam menos satisfeitas com as publicações que viam e que ter dois murais separados realmente não as ajudava a se conectar mais com familiares e amigos”, declarou Mosseri em um comunicado. “Também recebemos feedback que indicava que [ter dois murais] tornava mais difícil para os usuários dos países em que o teste foi feito o acesso a informações importantes”, prosseguiu.

Fomento da comunidade

O fato de que o Facebook tenha optado pelo fim do Explore Feed não está relacionado com a decisão da rede social de priorizar os conteúdos publicados por familiares e amigos em relação às publicações que tenham a assinatura de empresas ou de meios de comunicação, como anunciou a empresa em janeiro. Segundo explicou Mark Zuckerberg, fundador e executivo-chefe do Facebook, a empresa pretende fomentar a comunidade. Essas mudanças, especificou Zuckerberg, são destinadas a agregar valor à experiência dos usuários.

Filip Struhárik, um jornalista especialmente mordaz com o Facebook, escreveu em seu blog um artigo bem crítico: “O Facebook não pensa nas consequências e pouco lhe importa o que aconteça nesses países onde fazem experimentos”. Nesta quinta-feira tuitou sua opinião sobre o recuo: “Me alegra que o Facebook tenha terminado esse experimento. E me agrada ainda mais que admita que cometeu erros ao não comunicar claramente o teste. Espero que daqui por diante demonstrem mais interesse em saber como nos demos com o experimento”.

De duas abordagens diferentes, tanto o buscador como a rede social procuraram chegar à mídia com contribuições técnicas. No Facebook criaram os Instant Articles. No Google, o AMP, um formato aberto. Ambos prometem carregamento rápido nos celulares, com uma versão simplificada do código que consome menos dados. No caso do Facebook é consumido dentro de seu serviço; no do Google, com o olhar posto em um melhor posicionamento. EL PAÍS fez parte do lançamento das duas opções. O Facebook trabalha para criar uma opção para a assinatura de órgãos da mídia por meio do Instant Articles, com a finalidade de ajudar os meios de comunicação a conseguir renda digital.

No Facebook esse tipo de experimento é visto com toda a naturalidade. O que em uma empresa normal seria uma mudança de rumo, no mundo do Vale do Silício é considerado uma iteração (processo de repetição de uma ou mais ações), mais um giro repentino até chegar à fórmula adequada. O lema fundacional do Facebook, hoje um tanto esquecido, era “mexa-se rápido e quebre coisas”. Esse movimento reitera esse espírito.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: