Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Vacina elimina tumores e suas metástases ocultas em ratos

Injeção de dois agentes em vários tipos de câncer programa as defesas do organismo para acabarem com o mesmo tipo de tumor em todo o organismo

Os pesquisadores injetaram os agentes dentro de tumores localizados, mas os efeitos podiam chegar a todo o corpo.
Os pesquisadores injetaram os agentes dentro de tumores localizados, mas os efeitos podiam chegar a todo o corpo.

O sistema imunológico nos libera do câncer continuamente. Além de se encarregar de rechaçar as invasões de micróbios que ameaçam nossa saúde, ele é capaz de destruir células tumorais antes que elas virem um problema, e inclusive pode eliminar tumores já formados. Às vezes, o que parece uma cura milagrosa não passa de uma boa reação das próprias defesas do organismo contra o câncer, mas nem sempre elas bastam. Há mais de um século, intui-se o potencial de estimular o sistema imunológico contra os tumores, mas até a última década os cientistas não haviam obtido avanços importantes nessa tarefa. Agora a situação mudou.

Nesta quinta-feira, a revista Science Translational Medicine publicou uma descoberta que pode abrir uma nova janela para os sistemas defensivos contra o câncer. Em alguns casos, as imunoterapias exigem uma ativação generalizada do sistema imunológico, com os subsequentes efeitos secundários, ou é necessário extrair células imunológicas para modificá-las em laboratório e tornar a injetá-las no paciente, com toda a complexidade e custo que isso acarreta. Em um trabalho liderado por Ronald Levy, da Universidade de Stanford (EUA), uma equipe de pesquisadores testou o novo enfoque em ratos.

A nova técnica teria vantagens sobre as outras por causar menos efeitos secundários e ser mais barata

O método consiste em introduzir no tumor a ser eliminado uma pequena quantidade (a milionésima parte de um grama) de dois agentes que ativam o sistema imunológico e o direcionam contra as massas tumorais. Segundo os autores, como esses dois agentes – um pedacinho de DNA e um anticorpo – são injetados diretamente nos tumores, eles só ativam os linfócitos que já se infiltraram no câncer.

O tratamento curou 87 de 90 ratos que tiveram cânceres linfáticos provocados em dois lugares diferentes do corpo, e funcionou não só no tumor onde foi injetado. Como ficaram programados pelos agentes para destruir esse tipo de tumor, os linfócitos acabaram também com tumores das mesmas características localizados em outros órgãos. Os três ratos que não se beneficiaram de um primeiro tratamento apresentaram bons resultados numa segunda tentativa, e os pesquisadores obtiveram benefícios similares com tumores de mama, cólon e melanomas.

Idit Sagiv-Barfi, a primeira autora do artigo, comprovou também o funcionamento específico da programação das células do sistema imunológico transplantando três tumores em um camundongo: dois linfomas em dois lugares diferentes, e um câncer de cólon em outro lugar. O tratamento para um dos linfomas fazia com que o segundo desaparecesse também, mas mantinha intacto o câncer de cólon, demonstrando assim a precisão do método.

Agora, conforme nota à imprensa divulgada pela Universidade de Stanford, Levy e sua equipe querem reunir 15 pacientes com linfoma para testar o novo enfoque. Se der certo, Levy acredita que esse tratamento poderia ter muitas aplicações. Por um lado, a injeção de seus dois agentes poderia ser um complemento no tratamento de pacientes antes de terem o tumor primário extirpado por via cirúrgica. A técnica serviria ainda para eliminar tumores secundários que tenham surgido a partir do principal e que poderiam ter passado despercebidos. Os autores cogitam inclusive a possibilidade de desenhar tratamentos que bloqueiem o crescimento futuro de tumores surgidos por mutações genéticas, como os BRCA1 e 2 nas mamas.

MAIS INFORMAÇÕES