Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Morre Marco Aurélio Garcia, pilar da política externa de Lula e do PT

Assessor especial das presidências petistas, de 76 anos, teve infarto fulminante nesta quinta

O ex-assessor da Presidência brasileiro, Marco Aurélio Garcia.
O ex-assessor da Presidência brasileiro, Marco Aurélio Garcia.

Morreu na tarde desta quinta-feira o ex-assessor especial da Presidência brasileira  e fundador do PT, Marco Aurélio Garcia. Um dos pilares da política externa durante os Governos Lula e Dilma e um operador político chave na América Latina no auge dos Governos esquerdistas na região, ele tinha 76 anos e sofreu um infarto fulminante.

Professor aposentado de história da Unicamp, Garcia marcou seu lugar nos anais da política externa brasileira elevando o posto de assessor internacional da presidência, até então sem tradição, a um patamar estratégico e público por mais de uma década. Por 13 anos, era estourar uma crise política relevante na América do Sul para que o assessor de Lula se fizesse presente, munido com os óculos de casco de tartaruga que se orgulhava de ter garimpado em Paris.

Entusiasta das alianças Sul-Sul, foi um defensor da criação da coalizão de países emergentes Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) e de instrumentos de integração na América Latina, como as hoje desprestigiadas Unasul e Celac, que marcaram o ápice da projeção internacional de Lula. Também por isso foi o alvo preferencial dos que viam excesso de ativismo e principalmente "ideologização" na política externa dos Governos petistas. Os críticos o acusavam, por exemplo, de ser um dos responsáveis pela posição do Planalto considerada leniente com a Venezuela de Hugo Chávez ou com a Bolívia de Evo Morales durante a negociação sobre o gás com a Petrobras, na década passada. "Agora, qual o argumento da leniência? É o mesmo. É dizer que nós temos uma afinidade misteriosa e ideológica com a Bolívia. Nós não falamos grosso com a Bolívia e fino com os EUA. Nós falamos da mesma maneira com todos os países do mundo", disse em entrevista em 2014.

A morte de Garcia foi lamentada por diplomatas que com ele atuaram. "Ele teve papel central na reorientação da política externa em busca de um novo lugar para o Brasil no mundo diferente do que estávamos acostumados a aceitar", diz Audo Faleiro, que trabalhou por quase oito anos com Garcia na assessoria à Presidência e agora é ministro-conselheiro da embaixada do Brasil em Paris. "Marco Aurélio, Lula, Celso Amorim e Samuel Pinheiro Guimarães eram uma equipe muito qualificada para esse desafio", segue Faleiro, citando também Amorim, o emblemático chanceler dos anos Lula, e o diplomata Pinheiro Guimarães, uma referência à esquerda nos quadros diplomáticos brasileiros.

"Mantive com Marco Aurélio Garcia uma relação de total confiança e lealdade, base de uma verdadeira parceria, em que nossas aptidões respectivas se complementavam, em benefício mútuo. Aprendi muito com ele", escreveu ao EL PAÍS o ex-chanceler Amorim, dissipando mais uma vez os rumores de que havia tensão pela busca de protagonismo entre ambos no Governo Lula. "Foi um verdadeiro intelectual de esquerda como já não se fazem hoje em dia. Deixa uma grande lacuna no pensamento democrático e progressista", seguiu.

O elos do PT no exterior

Garcia começou a carreira como vereador em Porto Alegre nos anos 60 pelo PCB e se exilaria no Chile e na França durante a ditadura brasileira. Da temporada no exterior guardaria os laços que lhe dariam trânsito na esquerda latina e nos partidos socialistas europeus que ele usaria tanto no Governo como nos anos que passou como assessor internacional do PT. Era, antes de tudo, um homem do partido, do qual também ocupou a vice-presidência.

Foi como defensor ferrenho do Governo petista, e não por suas posições de política externa, que estrelou sua maior polêmica pública. Há exatos dez anos, ele foi flagrado pela TV Globo fazendo um gesto obsceno de "se deram mal", o inglório "top, top, top", para comemorar um parecer que eximia o Governo Lula de culpa no trágico acidente do Airbus A320 da TAM, que matou 199 pessoas em São Paulo. O gesto exibido pela Globo, e depois pelos jornais e na Internet, foi lido como insensibilidade em relação às vítimas. O assessor sempre repetiu que foi um ato sem pensar de alívio após dias de tensão com as cobranças ao Planalto.

Sofrendo de problemas cardíacos, Garcia se manteve ativo no partido até seus últimos dias, após deixar o poder junto com todo o Governo Dilma por causa do impeachment, em maio de 2016. "É muito duro saber que não terei mais sua companhia, nem o prazer de ouvir sua poderosa gargalhada", escreveu a ex-mandatária, que enviou condolências ao filho único do historiador, Leon, e ao neto Benjamin. "Estava com Lula quando recebemos a notícia e foi um baque. Acho que para todos nós é um chamado. Um chamado de resistência e de militância", contou nesta quinta o petista Alexandre Padilha, ex-ministro da Saúde.

Audo Faleiro, o diplomata com quem Garcia trabalhou por quase uma década, diz que o "professor", como lhe chamavam nos círculos petistas, não demonstrava qualquer abatimento com a crise que acometeu o PT ou com a decadência do ciclo esquerdista na América Latina. "Muito pelo contrário. Da última vez que falei com ele, ele voltava do México, convidado para fazer uma reflexão por lá. Tinha planos de passar uma temporada na Argentina", conta. Enquanto parte de seus principais interlocutores no país e na região tem suas biografias manchadas por investigações da Operação Lava Jato, Garcia não teve arranhões pelo escândalo. "Ele partiu de cabeça erguida, sem nenhuma prostração."

Colaborou Marina Rossi.

MAIS INFORMAÇÕES