Verne

Boatos em busca de retuítes: a outra face das redes após os atentados

Ofertas de ajuda e divulgação de casos reais de desaparecidos se chocam com aproveitadores

O atentado depois do show de Ariana Grande em Manchester já deixou pelo menos 22 mortos e 50 feridos. Mais uma vez, as redes sociais serviram para canalizar solidariedade e ajuda (a hashtag #RoomforManchester foi usada para oferecer quartos para descansar ou refugiar-se, lugares para recarregar o celular e poder contatar os familiares e transporte grátis) e para divulgar informação sobre desaparecidos e demonstrações de apoio.

Mas cenários de alarme como esse também favorecem o surgimento de numerosos boatos e há usuários que divulgam mentiras sobre supostos desaparecidos. Exemplo disso é o caso do youtuber norte-americano dado como desaparecido, divulgado por uma conta que se orgulha de obter mais de 10.000 retuítes por fazer uma falsa chamada “em busca de meu filho”. Não é um caso isolado.

Este tuiteiro é um troll em busca de retuítes: o youtuber da foto não estava no Manchester
Este tuiteiro é um troll em busca de retuítes: o youtuber da foto não estava no Manchester

Estamos diante do típico caso de trolagem: o autor finge rir das pessoas que se sentem ofendidas por ver como alguém é capaz de utilizar uma tragédia como esta, aproveita o fato de ter conseguido chamar a atenção e exibe resultado de retuítes obtidos. A foto corresponde a uma pessoa conhecida, um youtuber com mais de 200.000 seguidores que publicou um vídeo para desmentir o boato.

É lógico entender que esse tipo de postagem ganhe notoriedade: entre os tuítes mais compartilhados nas horas seguintes ao atentado estão várias mensagens com fotos de desaparecidos, divulgadas por uma maioria de pessoas que, com boa fé, não questionam que alguém possa estar tentando lançar um boato em momentos como este. Além disso, em algumas ocasiões, os contatos entre anônimos nas redes sociais serviram para ajudar a localizar e colocar pessoas em contato com familiares, como aquele bebê de Nice cujos parentes souberam que estava são e salvo graças ao Facebook da pessoa que o acolheu em sua casa.

‘Isto não vai mais acontecer’, diz o troll se gabando de mais de 10.000 retuítes
‘Isto não vai mais acontecer’, diz o troll se gabando de mais de 10.000 retuítes

O apelo da mãe de Olivia Campbell, uma adolescente de 15 anos, é um dos casos dramáticos de familiares e amigos em busca de desaparecidos. Por enquanto não há notícias sobre ela. Outras postagens muito populares apresentam fotos de vários desaparecidos com pedidos de retuíte, e seus autores foram criticados pela possibilidade de haver casos falsos nessas fotos de grande divulgação. “Só estava tentando ajudar, não queria atenção. Se algumas das pessoas nesta foto não estavam ali naquela noite, lamento, não sabia. Só soube depois. Em situações como esta, a gente só quer ajudar. Desculpe se ofendi alguém. Eu não produzi esta imagem”, tuitou esta conta que pedia para que o post fosse “retuitado até que todos” fossem encontrados.

Testemunhos reais que se misturam com boatos. Mais de 14.000 retuítes foi o que obteve este outro falso apelo: “Este é meu irmão caçula, Frank. Fomos ao show e agora não podemos encontrá-lo”. Foi lançado a partir de uma conta criada em fevereiro e na qual há apenas outra dezena de tuítes. Vários usuários do Twitter desmentido o caso em repostas à postagem, dizendo, por exemplo, que “a foto deste menino foi feita há alguns anos para uma confecção de roupas”. Mas como explicamos em várias ocasiões, desmentir um boato é infinitamente mais difícil que contê-lo. Especialmente em casos como este, em que se trata de um retuíte solidário.

Outros boatos também foram divulgados nas horas seguintes à explosão no Manchester Arena, como o falso rumor sobre a presença de um homem armado em um hospital da cidade. A notícia falsa juntou tanta força que teve que ser desmentida pela conta da polícia de Manchester no Twitter. Apesar de não haver confirmação, veículos como o Daily Express distribuíram a informação em reportagens que depois tiveram que ser corrigidas.

“Adolescentes estão inventando falsos amigos desaparecidos no concerto de Ariana Grande para conseguir retuítes. Isso é muito distópico”.

Outro exemplo: foto velha usada para chamar atenção após o caos dos atentados

Em caso de alertas como este recomenda-se buscar informações em fontes oficiais. Também é útil divulgar os telefones dos serviços capacitados para atender as vítimas. É por isso que imagens como estas viralizaram.

"receberam isto de uma garota de Mánchester de 23 anos? pararam um momento a lê-lo?

Gestos para recuperar a fé na humanidade

Os gestos solidários também viralizam após atentados, em uma tentativa de demonstrar força, união e solidariedade diante das tragédias, que muitas vezes são compartilhados como gestos para recuperar a fé na humanidade. A jornalista Lauren Duca compartilhou este texto assinado por um jovem que se identifica como morador de Manchester, e que foi compartilhado quase 10.000 vezes: “Nesta cidade não reagimos com amargura nem com medo. Nem sequer de forma desafiadora (por enquanto). Nossa primeira reação foi sair às ruas com água e mantimentos, abrir nossas casas àqueles que não podiam ir para as suas e também, tristemente, orientando as famílias que perderam seus filhos no centro de uma cidade que não conhecem”.

O diálogo sobre o atentado em Manchester virou trending topic global. Também é normal que alguma imagem se torne ícone solidário. Muitos seguidores de Ariana Grande estão compartilhando um laço negro com orelhas sobre um fundo rosa. Tanto as orelhas quanto o fundo rosa são uma referência à cantora, por ser a imagem de seu último álbum, Dangerous Woman.

Cartaz oferece transporte de carro a quem precisar

“Isto é Manchester” [chá com leite grátis para os socorristas]

Os hotéis que serviram de abrigo improvisado

O Holiday Inn Express Manchester Arena e o Park Inn são dois hotéis localizados a menos de 700 metros do local onde ocorreu o ataque terrorista. Os dois colaboraram com as autoridades e se transformaram em refúgio para várias pessoas que tinham ido ao concerto de Ariana Grande, ocorrido pouco antes. Dali, os fãs da cantora puderam fazer contato com suas famílias. Ambos os hotéis confirmaram ao EL PAÍS que estão colaborando com as autoridades britânicas desde o incidente, e que ofereceram apoio temporário para algumas das pessoas que escaparam do Manchester Arena. Os grandes estabelecimentos hoteleiros próximos ao local também se juntaram à onda de solidariedade com aqueles que se encontravam longe de suas casas, com a ajuda da hashtag #RoomForManchester.