Um país em depressão

Medo, cansaço, desconfiança, raiva e culpa levam o brasileiro médio a essa patologia

Manifestantes protestam em frente à casa do presidente Michel Temer, em SP, no dia 28 de abril
Manifestantes protestam em frente à casa do presidente Michel Temer, em SP, no dia 28 de abril Andre Penner (AP)

Mais informações

Depois de participar de quase uma centena de pesquisas qualitativas com grupos focais no Brasil nos últimos dois anos concluí que, se o nosso país se deitasse em um divã, o diagnóstico seria preciso: TDP ou transtorno depressivo persistente. 

O TDP é o novo termo usado pela Associação Psiquiátrica Norte-Americana para aquilo que, no passado, se chamava distimia. É um transtorno do humor que consiste nos mesmos problemas cognitivos e físicos presentes na depressão clássica, com sintomas menos severos, porém mais duradouros. 

Ele persiste por, pelo menos, dois anos e é caracterizado por baixa energia e motivação, baixa auto-estima e incapacidade de encontrar satisfação nos afazeres do dia-a-dia. 

O brasileiro está fraco, mal-humorado, e não é de hoje. 

São cinco os sentimentos predominantes que levam o brasileiro médio a essa patologia: o medo, o cansaço, a desconfiança (ou incerteza), a raiva e a culpa.

Temos medo do desemprego, da violência e até de ficarmos doentes por conta do caos na saúde pública. 

Estamos cansados dos baixos salários, do elevado custo de vida, do noticiário monotemático e negativo, da polarização nas redes sociais e de passar horas e horas da nossa existência tentando nos transportar entre a nossa casa e o trabalho. 

Não conseguimos mais projetar como ou onde estaremos no futuro e não acreditamos mais na isenção e imparcialidade dos veículos de comunicação, particularmente na imprensa tradicional. E uma novidade: essa desconfiança em relação à isenção e à imparcialidade já começa a se estender ao judiciário e a todo seu aparato. 

Sentimos raiva dos políticos, da corrupção e da quebradeira dos governos que, a cada dia, vêm reduzindo ainda mais a qualidade dos serviços públicos. 

Depois da raiva, vem a culpa. E a culpa surge do reconhecimento de que a crise que enfrentamos não é apenas política ou econômica. Ela é, sobretudo, uma crise de valores, uma crise moral que corrói toda a sociedade brasileira e que não está restrita a políticos ou empresários gananciosos e desonestos. 

Esses sentimentos ou sintomas são causados por um hexágono de fatores interligados: a instabilidade político-institucional, a crise econômica, os governos quebrados, o noticiário político, a absurda concentração de renda do nosso país, e por último, a própria natureza, outrora mansa e otimista, do nosso povo. 

Mas, esses fatores não existem por obra do acaso. São consequências de causas estruturais muito mais profundas que, há algumas décadas, condenaram o Brasil a não crescer, a não cumprir um destino civilizatório que poderia ser grandioso. 

Em primeiro lugar, o acordo tácito do establishment brasileiro (sistema financeiro, indústria paulista e grandes monopólios e oligopólios privados) que faz com que, há quase 25 anos, sejamos simultaneamente o país com as maiores taxas de juros reais do mundo; o país mais protecionista do G-20; um dos países mais tolerantes com a formação e a perpetuação de monopólios e oligopólios na sua economia; o país com o sistema tributário mais complexo e um dos mais regressivos do planeta. 

O sistema financeiro aceita o protecionismo comercial desde que as elevadas taxas de juros e a oligopolização do seu setor sejam mantidas. 

A indústria paulista aceita as elevadas taxas de juros e ter monopólios e oligopólios como clientes (com grande poder de barganha) desde que ela permaneça protegida da competição internacional e que o mercado interno brasileiro continue seu cativo – em pleno século XXI, depois do salto econômico e social da Coreia do Sul e da China, há ainda quem argumente que as ideias de Raúl Prebisch e a política de substituição de importações sejam a chave para o nosso desenvolvimento. 

Os grandes oligopólios e monopólios privados (para além do sistema financeiro) aceitam as elevadas taxas de juros e também comprar produtos caros e/ou de baixa qualidade de fornecedores nacionais desde que as autoridades que deveriam estimular a concorrência no país mantenham seus cartéis e monopólios intocáveis. 

E os três grupos garantem a perpetuação do nosso sistema tributário complexo e regressivo que tem, como consequência natural, mais concentração de renda (somos o 10º país mais desigual do mundo – só estamos à frente de alguns países africanos e do Haiti) e o afastamento do investimento estrangeiro não-financeiro (elemento primordial do crescimento econômico asiático das últimas décadas). 

Dentre as outras causas estruturais que levaram o brasileiro ao atual estado depressivo persistente há uma que vem sendo enfrentada (só não sabemos se com a imparcialidade devida...): a cultura da corrupção; e outras três que vêm sendo reformadas (também não sabemos se no momento ou da forma correta...): a legislação trabalhista, a previdência nacional e o sistema político-eleitoral brasileiro (personalista, fragmentado e sem partidos orgânicos). 

Há ainda outros dois elementos estruturais que estão ausentes do debate nacional recente: o inchaço da máquina pública e a elevada carga tributária do país (em grande medida sustentada pela classe média assalariada); e a improdutividade do setor público que deriva, principalmente, da estabilidade no emprego e da ausência de meritocracia no serviço público do Brasil.

Ano que vem é ano de eleição presidencial e o brasileiro (um esperançoso incorrigível...) irá para as urnas, buscando um redentor. Alguém que seja capaz de lhe mostrar uma luz no fim do túnel e de lhe tirar do TDP.

Muito provavelmente, assim como em 2016, o eleitor médio brasileiro buscará essa redenção por meio de um outsider: um não-político ou uma figura reconhecidamente anti-establishment.

Nesse contexto, não há surpresa quando figuras como Lula, Bolsonaro, Marina Silva, João Doria, Ciro Gomes, e até Joaquim Barbosa e Sergio Moro surjam com mais chances de vitória que qualquer político tradicional que goze de boas e duradouras relações com o establishment do país. 

A psiquiatria indica que pessoas com TDP também podem ter comportamento suicida. Esse fato tornará essa disputa eleitoral ainda mais intrigante. Ninguém terá o direito de se dizer surpreso com o resultado final das urnas. 

Quem sobreviver verá.

Marcello Faulhaber, estrategista político-eleitoral, foi marqueteiro na campanha de Marcelo Crivella à Prefeitura do Rio.