Editoriais
i

Socialistas em pé de guerra

Primárias na França aumentam ainda mais a ruptura na esquerda

Imagem de Manuel Valls após o primeiro turno das primárias socialistas.
Imagem de Manuel Valls após o primeiro turno das primárias socialistas.LIONEL BONAVENTURE (AFP)

Mais informações

As possibilidades do Partido Socialista francês de continuar no poder se reduziram ainda mais após as primárias que está realizando para decidir o candidato à presidência da República. Não existem duas esquerdas mais irreconciliáveis do que as representadas pelos aspirantes que disputarão o segundo turno, no próximo domingo. Benoît Hamon, líder dos protestos contra o Governo socialista, é o polo oposto ao ex-primeiro-ministro Manuel Valls, partidário de uma esquerda governista e que colocou o futuro em jogo com a realização de reformas até mesmo contra muitos de seus correligionários.

Para cumprir o papel de ferramenta de conquista do poder, próprio de todo partido, é imprescindível a união dos eleitores por trás de quem for o ganhador. Nenhum dos dois candidatos se mostra capaz de se transformar no elemento de conciliação. O que está realmente em disputa no Partido Socialista é a sobrevivência, mais do que as possibilidades do ganhador das primárias na disputa pela chefia do Estado, que parece assunto para dois lados: a direita conservadora de sempre, encarnada agora por François Fillon, e o ultradireitismo de Marine Le Pen.

Mas o mais inquietante é o futuro que anuncia. A possível vitória de Hamon nas primárias, sobre a base dos apoios prometidos por líderes de facções e diversos notáveis, levaria o Partido Socialista a lugares já ocupados por outros à sua esquerda. Valls apontou o irrealizável do projeto de Hamon, que quer implantar uma renda universal a um custo elevado e acabar com a reforma trabalhista do Governo socialista. A reafirmação nos valores tradicionais seduz até mesmo Corbyn, o líder trabalhista britânico, cada vez mais compreensivo com o Brexit; e se agarrar aos isolacionistas e aos contrários à globalização é assunto de radicais. São essas as alternativas para a verdadeira esquerda francesa?