Justiça europeia obriga bancos da Espanha a devolverem juros abusivos

Tribunal da UE decidiu contra o sistema financeiro espanhol, que deve reembolsar ao menos 3 bilhões de euros aos que fizeram hipotecas antes de 2013

Membros da plataforma de afetados pelas cláusulas costumo
Membros da plataforma de afetados pelas cláusulas costumo

Mais informações

Os bancos estavam esperando há meses para saber se teriam que devolver o dinheiro das cláusulas piso desde 2013 (quando uma sentença do Supremo declarou que eram ilegais) ou de antes: com efeitos retroativos desde 2009. A diferença é enorme: os já mencionados 3 ou 5 bilhões de euros, de acordo com diferentes estimativas de especialistas. Apenas para as entidades listadas na Bolsa, devolver o dinheiro que estava em jogo significa pagar mais de 2 bilhões de euros, de acordo com cálculos do EL PAÍS.

O procurador-geral da UE deu uma lufada de ar para o setor ao afirmar, em julho, que os reembolsos teriam limites de tempo, depois que os tribunais de Granada e Alicante perguntaram ao TJUE se deve existir retroatividade total nas devoluções. Mas o Tribunal de Justiça (aqui pode ser lida a sentença completa) discordou, o que significa um revés para o setor financeiro espanhol. “A declaração do caráter abusivo de uma cláusula deve ter como consequência o restabelecimento da situação em que o consumidor se encontraria na ausência de tais cláusulas”, diz a sentença. Tradução bíblica: devem devolver tudo. Até agora essa devolução era feita apenas até maio de 2013. “Com essa limitação de tempo acontece uma proteção incompleta e insuficiente dos consumidores o que não constitui um meio adequado e eficaz para acabar com o uso das cláusulas abusivas, ao contrário do que exige a Diretiva”, argumenta o tribunal.

O caso vem de longe: o Supremo Tribunal da Espanha considerou abusivas as cláusulas há três anos e meio. O alto tribunal decidiu que os consumidores não tinham sido bem informados dos encargos financeiros que significavam aquelas cláusulas, que impedem que os juros dos empréstimos continue diminuindo a partir de um certo limite.

O Supremo definiu a nulidade dessas cláusulas em 9 de maio de 2013 – e não em 2009, quando as entidades começaram a aplicá-las – para proteger os bancos do impacto das devoluções quando havia passado poucos meses do resgate financeiro europeu e com o setor em meio a um mar de dúvidas. Essas dúvidas foram dissipadas. Mas ainda existem problemas pontuais: BBVA, La Caixa e Popular, juntamente com o Sabadell, eram os mais expostos à sentença, com todos os olhos voltados para o Banco Popular depois das mudanças na cúpula e os problemas dos últimos meses. As Bolsas reagiram em conformidade, embora grande parte deste dinheiro já esteja provisionado.

O advogado geral da UE aprovou em julho a proteção do Supremo aos bancos pelas “repercussões macroeconômicas associadas”, por “circunstâncias excepcionais”: a possibilidade de alterar mais uma vez a estabilidade do sistema financeiro. Esse respiro de julho foi momentâneo: os bancos esperavam e temiam a decisão final de hoje. A Comissão Europeia não compartilha a mesma opinião que o advogado geral: defendeu a retroatividade completa durante o julgamento para proteger os consumidores. Proteger os bancos ou proteger os clientes: essa é a questão.