Pense em outro idioma e acertará

Tomar decisões numa língua diferente da materna leva a conclusões mais ponderadas

Tradutora trabalha durante sessão do Parlamento Europeu.
Tradutora trabalha durante sessão do Parlamento Europeu.Pietro Naj-Oleari (PE-EP)

MAIS INFORMAÇÕES

“Em que língua preciso falar para que você me escute?”. Essa frase, que milhares de mães já lançaram contra seus filhos, tem um fundo de verdade (como todas as coisas que as mães dizem). Uma série de trabalhos científicos recentes indica uma realidade surpreendente: pensamos e decidimos de forma distinta se processamos a informação em outro idioma que não seja o materno. Entendemos a ideia ou o problema do mesmo jeito, mas, ao fazê-lo numa segunda língua, o resultado será mais ponderado; menos emocional, mais voltado à obtenção de um resultado útil.

Em outro idioma, nos concentramos menos em nossa primeira resposta emocional, cresce nossa tolerância ao risco e aumenta nosso interesse pelo benefício

“[Pensar em outra língua] beneficia o pensamento deliberativo; faz você pensar duas vezes”, diz Albert Costa, um dos maiores especialistas em bilinguismo graças às suas pesquisas na Universidade Pompeu Fabra, na Espanha. Costa começou seus estudos nesse campo com o dilema do bonde: você empurraria uma pessoa no trilho para que, com a morte dela, pudesse salvar a vida de outras cinco pessoas? O conflito moral de empurrar essa vítima solitária desaparece em muitas pessoas quando pensam nele num idioma que não seja o materno.

Ao pensar noutra língua, aqueles que sacrificariam essa pessoa em virtude do bem comum aumentam de 20% para quase 50%. Isso porque processam o dilema num idioma aprendido depois do materno. Muitos outros estudos confirmaram esses resultados: num idioma estrangeiro, somos menos influenciados pelo aspecto emocional e nos concentramos no resultado mais eficiente. Somos menos moralistas e mais utilitaristas. Trata-se sempre de indivíduos que dominam bem o outro idioma. O fenômeno foi provado em espanhol, inglês, italiano, alemão..., ou seja, parece não depender da língua em questão.

Em recente artigo publicado numa revista especializada (Trends in Cognitive Sciences), Costa e seus colegas analisam alguns dos resultados mais importantes desse campo de pesquisa, tentando explicar os motivos. Em outro idioma, além de nossa primeira resposta emocional ser menos atrelada aos dilemas morais, também aumenta nossa tolerância ao risco — ao planejar uma viagem ou ao aceitar uma novidade biotecnológica, por exemplo. Ou seja: cresce nosso interesse pelo benefício. E os insultos nos ofendem menos.

Este mês, também foi publicada uma pesquisa da especialista Janet Geipel, da Universidade de Trento, propondo duas situações onde as intenções morais entram em conflito com o resultado obtido. Por exemplo: alguém entrega um paletó a um mendigo para aquecê-lo, mas acaba recebendo uma surra porque outros acham que o doador do paletó o roubou. Por outro lado, citam a história de um casal que decide adotar uma menina com deficiência para poder receber benefícios do Estado e a ideia de uma empresa de fazer doações de caridade para aumentar seus lucros. Ao propor esses cenários em idioma estrangeiro, os indivíduos estudados valorizaram muito mais o resultado obtido (ruim no primeiro caso, bom no segundo) do que a ética das intenções.

O conflito moral de empurrar essa vítima solitária desaparece em muitas pessoas quando pensam nele num idioma que não seja o materno.

Geipel publicou no ano passado outro estudo propondo situações com certa carga de tabu social: um homem que cozinha e prova a carne de seu cachorro morto; alguém que rasga a bandeira de seu país para limpar uma privada; um casal de irmãos que decide manter relação sexual. Os participantes deviam avaliar de 0 a 10 a maldade do ato. Os que os leram em seu segundo idioma deram, em média, um ponto a menos de incorreção moral a essas ações.

Não se sabem ao certo os motivos concretos dessa mudança de conduta, dessa dupla personalidade linguística. Costa sugere um conjunto de razões que estariam conectadas entre si. “Por um lado, outro idioma obriga a pensar devagar. Além disso, entendemos que o emocional está mais ligado à primeira língua que a pessoa aprende”, diz.

Como explica o prêmio Nobel Daniel Kahneman, nosso cérebro contaria com um “Sistema 1”, dedicado às respostas intuitivas, mais velozes e eficazes, embora mais enviesadas; e um “Sistema 2”, encarregado das respostas que exigem ponderação. Em nosso idioma natural, o Sistema 1 entraria em ação com mais facilidade para resolver um problema; o esforço adicional de usar o outro idioma despertaria o Sistema 2, mais preguiçoso embora mais criterioso. Assim se explicaria essa porcentagem de pessoas que deixam de lado vieses como a aversão ao risco, os juízos morais, etc.

Tanto Geipel como Costa costumam mencionar, em seus trabalhos, a situação que ocorre em cenários como a ONU e a União Europeia, onde boa parte dos membros tomam decisões numa língua que não é a do berço. “Nas multinacionais, na ciência, em diversos âmbitos há pessoas trabalhando em inglês, ainda que este não seja seu primeiro idioma”, diz Costa, que no momento trabalha em aplicações para a descoberta. Exemplo: negociações que exigem que os atores deixem de lado suas emoções e conceitos pessoais, centrando-se nos benefícios que ambos obterão se conseguirem entrar em acordo. Talvez seja uma boa ideia propor sessões em inglês no Congresso.

Arquivado Em: