Editoriais
i

EUA-Israel: aliança blindada

O acordo de ajuda militar firmado pelos dois países vai condicionar o próximo ocupante da Casa Branca

Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel, no domingo passado em Jerusalém.
Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel, no domingo passado em Jerusalém.GALI TIBBON (AP)

MAIS INFORMAÇÕES

A assinatura do acordo de ajuda militar dos Estados Unidos a Israel no total de 38 bilhões de dólares (124 bilhões de reais) − o de maior valor já firmado pelos EUA − mostra que a relação entre os dois países está blindada para além das boas ou más relações entre Washington e Jerusalém. Trata-se de uma blindagem que condiciona a política que o ocupante da Casa Branca − seja ele democrata ou republicano − queira conduzir a respeito de uma parte muito importante do Oriente Médio. A prova é que no final de um mandato no qual Barack Obama foi permanentemente desprezado por Benjamin Netanyahu − como ocorreu no acordo com o Irã para evitar que o regime de Teerã conseguisse armas nucleares −, o presidente norte-americano deixa este pacto como parte importante de seu legado.

De qualquer forma, o anúncio da nova ajuda, que será entregue ao longo de dez anos, não deve ser interpretado como uma vitória pessoal de Netanyahu sobre Obama. Os EUA, em geral pouco amigos das alianças multilaterais, têm um sistema de relações internacionais baseado em vínculos singulares e, neste aspecto, aquele que o país tem com Israel está acima das políticas do momento.

Mas convém lembrar que uma relação tão especial coloca Washington numa posição privilegiada para pressionar Israel a negociar, por exemplo, o fim de um conflito que dura quase meio século: a questão palestina.

Arquivado Em: