Editoriais
São da responsabilidade do editor e transmitem a visão do diário sobre assuntos atuais – tanto nacionais como internacionais

Divisão profunda na França

Enquanto a esquerda e a direita se dividem, a ultradireita da Frente Nacional se reforça com a proximidade das eleições presidenciais

O ex-ministro francês Enmmanuel Macron.
O ex-ministro francês Enmmanuel Macron.Vincent Isore/IP3 (Getty Images)

A renúncia do ministro da Economia da França, Emmanuel Macron, anunciado há dois anos como gesto de renovação modernizadora do socialismo, significa uma nova divisão da centro-esquerda no caminho rumo às eleições presidenciais do ano que vem. É provável que ele mesmo se apresente como candidato após deixar clara a impossibilidade de mudar a esquerda estatal clássica. Em todo caso, o gesto de Macron aumenta as possibilidades de que o campo político dirigido pelo chefe de Estado, François Hollande, fique de fora da corrida presidencial de 2017, o que desenha um eventual confronto entre a direita e a extrema direita como já ocorreu em 2002, quando a Frente Nacional surpreendeu ao superar o candidato socialista no primeiro turno das eleições presidenciais.

Mais informações
Greves e medo do terrorismo privam Paris de um milhão de turistas
Nicolas Sarkozy anuncia candidatura à presidência da França em 2017
Terrorismo põe em cheque estratégia europeia de segurança
A ameaça do medo

Hoje já não seria tão surpreendente. A ultradireita cresceu no ambiente de medo e pessimismo que domina a França, um país assustado tanto pelo terrorismo jihadista como pela falta de crescimento econômico e de melhora de emprego, e com pouca confiança em que a habitual opção esquerda/direita permita ao país sair do marasmo.

Por sua vez, o campo político da direita também se encontra dividido entre o reformismo moderado do veterano Alain Juppé e o endurecimento crescente do ex-presidente Nicolas Sarkozy, que se vê perseguido pelos problemas judiciais do suposto financiamento ilegal de sua campanha em 2012.

Se tais circunstância levarem os franceses a cair no aventureirismo anti-europeu liderado por Marine Le Pen, todo o continente sofreria um golpe de consequências graves para a União Europeia, já fragilizada pelo Brexit. As correntes centrais da democracia deveriam ser conscientes da necessidade de um consenso geral, ao invés de se abrir as portas ao populismo.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS