Videogames

Nintendo explode o mercado “retrô” com o relançamento do clássico NES

A empresa colocará no mercado em novembro uma versão "mini" do sucesso dos anos oitenta

Shigueru Miyamoto, criador do Super Mario Ralf-Finn Hestoft CORBIS / Nintendo

Mais informações

Com uma clara mensagem de nostalgia — "Lembre-se dos velhos tempos" — a Nintendo entrou de novo no mercado dos trintōes e quarentōes. A fabricante japonesa anunciou que, a partir do dia 11 de novembro, colocará à venda uma versão "mini" do clássico NES (Nintendo Entertainment System), conhecido no Brasil como Nintendo 8 bits ou Nintendinho, sucesso absoluto nos anos oitenta. Na Europa, o videogame custará o equivalente a R$ 220, e cada controle, a R$ 35. "Redescubra emoções antigas, vença aquele chefão que você nunca conseguia derrotar, ou simplesmente viva todos esses clássicos de uma forma diferente", diz a campanha da empresa, que viu suas açōes dispararem 120% em julho, com o lançamento do aplicativo Pokemon GO: outra revolução em um jogo dos anos oitenta.

No auge da onda retrô, com a série Stranger Things fazendo sucesso também na TV, a Nintendo recupera vários de seus ícones. O mini NES chegará às lojas com 30 jogos na memória. Entre eles, Super Mario Bros., The Legend of Zelda, Metroid, Donkey Kong, PAC-MAN e Kirby's Adventure. "O novo NES volta renovado, mas em forma de uma réplica do console original, que todos conhecem", disse a empresa.

"Essa coleção de grandes clássicos fará a alegria dos que quiserem relembrar seus jogos favoritos, e de quem jogará o NES pela primeira vez", continuou a fabricante. "Cada jogo carrega muitas lembranças para quem já tem uma certa idade".

A intenção comercial da Nintendo, no entanto, também é evidente. O Nintendo 8 bits clássico continua sendo vendido no mercado de eletrônicos usados. No início do ano, o preço médio de um deles na Europa girava em torno de R$ 600.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete