Economia brasileira

FMI prevê menor queda do PIB no Brasil com melhora do mercado de commodities

Organismo projeta queda de 3,3% em 2016 e crescimento de 0,5% em 2017 Em abril, fundo previa tombo de 3,8% para este ano

A diretora do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde.
A diretora do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde.Drew Angerer (AFP)

O Brasil vai repetir este ano o desempenho sofrível da economia em 2015, quando o PIB recuou 3,8%, mas a queda será um pouco menor do que era esperada inicialmente, segundo projeção divulgada nesta terça pelo Fundo Monetário Internacional. O órgão dirigido por Christine Lagarde projeta uma queda de 3,3% este ano, meio ponto porcentual acima do que havia previsto em relatório divulgado há três meses, quando o país vivia a ebulição do processo de impeachment da presidenta Dilma. A revisão do resultado negativo para o Brasil – de 3,8% para 3,3% – leva em conta uma melhora no cenário das matérias-primas e o mercado de energia. Para o ano que vem, a expectativa é de crescimento de 0,5%.

A recessão ‘menos pior’ da economia brasileira neste ano acabou atenuando levemente as perspectivas para toda a América Latina. Segundo o FMI, o continente terá uma recessão de 0,4% em 2016, 0,1 ponto porcentual acima do projetado pelo relatório de abril deste ano.

MAIS INFORMAÇÕES

É a primeira vez em vários anos que o órgão revisa para cima o resultado para a economia latino-americana. Daí voltaria a subir até chegar a um crescimento de 1,6% em 2017.

O México está em uma situação parecida com a que foi prevista há três meses pelo Fundo, ao registrar uma expansão de cerca de 2,5% neste ano e no próximo, apesar de cortar a 1,8% o crescimento dos Estados Unidos. No caso da maior potência do planeta, a diminuição de dois décimos em 2016 se explica pela alta do dólar e pela queda de investimentos no setor de energia.

O crescimento para o conjunto dos países emergentes e das economias em desenvolvimento se mantém em 4,1% para 2016 e 4,6% em 2017. Os técnicos do FMI destacam que a melhora nas perspectivas para o Brasil, a China e a Rússia pode contribuir para uma revisão para cima do crescimento em 2017, se as implicações macroeconômicas do Brexit acabarem sendo menos severas do que se teme.

“O cenário base reflete uma redução gradual da tensão”, indica o FMI na atualização de suas previsões. Mas tudo é provisório. A incerteza gerada por esses acontecimentos é um lastro para a confiança e o investimento em uma conjuntura frágil, segundo o economista-chefe do órgão, Maury Obstfeld. “Se o crescimento na Europa for atingido significativamente, os efeitos adversos serão palpáveis”, afirmou.

A saída do Reino Unido da União Europeia é um elemento de risco claro para a economia mundial. É por isso que a FMI decidiu cortar em um décimo a projeção de crescimento mundial, chegando a 3,1% em 2016 e 3,4% em 2017.

Na pior das hipóteses, a economia global reduziria sua taxa de crescimento a 2,8% neste ano e no próximo por causa das consequências no comércio e no sistema financeiro. No caso dos países emergentes, a taxa ficaria abaixo de 4% em 2016 e voltaria a subir a 4,3% em 2017. O efeito será mais pronunciado nas economias avançadas, que crescerão apenas 1,4% este ano, e devem beirar 1% no ano que vem.

Obstfeld insiste que, por isso, é importante que tanto Londres quanto Bruxelas esclareçam como será o processo de saída, para assim reduzir a incerteza (política, econômica e institucional) e evitar uma repercussão negativa maior do Brexit sobre a economia global. “Se a atual situação persistir, será complicado quantificar suas potenciais repercussões”, reiterou o assessor de Lagarde.

De qualquer maneira, o FMI está confiante em que não se chegará à alternativa mais severa de suas projeções. O órgão afirma que os mercados financeiros se mostraram resistentes ao primeiro golpe e a correção foi organizada, apesar da surpresa. O Fundo destaca ainda o fato de os bancos centrais estarem prontos para injetar liquidez, caso necessário. Mas, como conclui Obstfeld, a vulnerabilidade persiste.

Arquivado Em: