PEDRA DE TOQUE

Os justos de Israel

Muitos israelenses dedicam seus esforços a denunciar as injustiças sofridas pelos palestinos

Yehuda Shaul tem 33 anos, mas parece ter 50. Viveu e vive com tanta intensidade que devora os anos, como os maratonistas os quilômetros. Nasceu em Jerusalém, numa família muito religiosa, e é um de 10 irmãos. Quando o conheci, há 11 anos, ainda usava quipá. Era um jovem patriota, que deve ter se destacado no Exército enquanto cumpria o serviço militar, pois, ao terminar os três anos obrigatórios, o Tsahal lhe propôs fazer um curso de comando e ficou mais um ano nas fileiras, como sargento. Ao retornar à vida civil, da mesma forma que muitos jovens israelenses, viajou à Índia, para clarear as ideias. Lá refletiu e pensou que seus compatriotas ignoravam todo o mal feito pelo Exército nos territórios ocupados, e que sua obrigação moral era torná-lo público.

Para isso, Yehuda e um fotógrafo, Miki Kratsman, fundaram em 1º. de março de 2004 a organização Breaking the Silence (Rompendo o Silêncio), que se dedica a colher depoimentos de ex-soldados e soldados (cujas identidades mantêm em sigilo). Em exposições e publicações destinadas a informar o público, em Israel e no estrangeiro, exibem a verdade sobre o que acontece em todos os territórios palestinos ocupados após a guerra de 1967. (Em 2017 completa-se meio século da ocupação.) Textos e vídeos passam, antes de serem expostos, pela censura militar, pois Yehuda e sua meia centena de colaboradores não querem infringir a lei. Os depoimentos colhidos superam o milhar.

Mais informações

Até relativamente pouco tempo atrás, graças à democracia que reinava no país para os israelenses, a Breaking the Silence podia agir sem problemas, apesar de ser muito criticada pelos setores nacionalistas e religiosos. Mas, desde o começo do atual Governo – o mais reacionário e radical da história de Israel –, teve início uma campanha duríssima contra os dirigentes da instituição, acusando-os de traidores e pedindo que sejam colocados fora da lei, no Parlamento, pela boca de ministros e líderes políticos e na imprensa. E são inúmeros os insultos e ameaças nas redes sociais contra seus fundadores. Yehuda Shaul não se sente intimidado e não pensa em fazer nenhuma concessão. Diz ser um patriota e um sionista e que está empenhado no que faz não por razões políticas, mas morais.

Na milenar história judaica existe uma tradição que nunca foi interrompida: a dos justos. Esses homens e mulheres que, de tempos em tempos, surgem nos momentos de transição e de crise e se fazem ouvir, enfrentando a corrente, indiferentes à impopularidade e aos perigos que correm agindo dessa forma, para expor uma verdade e defender uma causa que a maioria, cega pela propaganda, a paixão e a ignorância, se nega a aceitar. Yehuda Shaul é um deles, em nossos dias. E, por sorte, não é o único.

Ainda está aí, impávida, a jornalista Amira Hass, que foi viver em Gaza para sofrer na própria pele os sofrimentos dos palestinos e documentá-los diariamente em suas crônicas no jornal Haaretz. Devo a ela ter passado, anos atrás, na asfixiante e abarrotada ratoeira que é a Faixa de Gaza, uma noite inesquecível na casa de um casal palestino dedicado à ação social. E seu colega Gideon Levy, incansável escritor, a quem encontro, muito tempo depois, sempre batalhando pela justiça com a pena nas mãos, mas com menos ânimo do que antigamente, porque ao seu redor se encolhe mais a cada dia o número de defensores da racionalidade, da convivência e da paz, e crescem sem trégua os fanáticos das verdades únicas e do Grande Israel que teria nada menos que o respaldo de Deus.

Virar um país colonial, que não escuta, faz com que a nação perca sua aura de prestígio

Mas conheci outros nessa viagem, não menos limpos e corajosos. Como Hanna Barag, que, às cinco da madrugada, no entroncamento de Qalandiya, cheio de cercas, câmeras e soldados, me mostrou a agonia dos trabalhadores palestinos que, apesar de possuírem permissão e trabalho em Jerusalém, devem esperar horas e horas antes de poder entrar e ganhar seu sustento. Hanna e um grupo de mulheres israelenses se colocam a cada madrugada diante dessas grades para denunciar as demoras injustificadas e protestar pelos abusos cometidos. “Tentamos chegar aos chefes”, me diz, apontando os soldados, “porque eles nem sequer nos escutam”. É uma anciã baixinha e cheia de rugas, mas em seus olhos claros brilham uma luz e uma decência ofuscantes.

E também é justo, mesmo sem suspeitar, o jovem Max Schindler, que conheci em Susiya, uma aldeia miserável das montanhas do sul de Hebron; é muito tímido e tenho que me esforçar para que me diga o que faz aqui, rodeado de crianças famintas, nesse lugar fora do mundo no qual os colonos das redondezas cortam suas árvores e destroem suas colheitas, e às vezes agridem os moradores, e sobre cujas escassas moradias pesa uma ordem de demolição. É um voluntário, que veio morar em Susiya – na verdade sobreviver – por alguns meses e dedica seu tempo a ensinar inglês aos aldeões. “Quis que eles soubessem que existe outro Israel”, me diz, apontando os aldeões.

São milhares de justos, mas não o bastante para retificar esse movimento que empurra Israel rumo à intransigência

Sim, os justos existem, muitos, mesmo que não sejam tantos a ponto de ganhar eleições. A verdade é que, há anos, as perdem uma atrás da outra. Mas não se deixam abater por essas derrotas. São médicos e advogados que vão trabalhar nas populações meio abandonadas e defender nos tribunais as vítimas dos abusos, jornalistas e ativistas dos direitos humanos que registram os ataques e crimes e os tornam públicos. Existe, por exemplo, uma associação de fotógrafos criada por mulheres e homens muito jovens, que eternizam em imagens todos os horrores da ocupação. Eles me seguem por onde eu vá e não se importam de caminhar em meio ao lixo malcheiroso e sofrer com o calor do deserto, se puderem documentar com imagens tudo aquilo que o Israel oficial oculta, e que as pessoas bem pensantes não querem conhecer. Mas, mesmo que a imprensa oficial não publique suas fotos, eles as exibem em pequenas galerias, em painéis nas ruas, em publicações semiclandestinas. Quantos são? Milhares, mas não o bastante para retificar esse movimento de opinião pública que vai empurrando cada vez mais Israel rumo à intransigência, como se o fato de ser a maior potência militar do Oriente Médio – e, ao que parece, a sexta do mundo – fosse a melhor garantia de sua segurança.

Eles sabem que não é assim, que, pelo contrário, se transformar em um país colonial, que não escuta, que não quer negociar nem fazer concessões, que só acredita na força, fez com que Israel perdesse sua aura de prestígio e honra e que o número de seus adversários e seus críticos, ao invés de diminuir, aumentasse a cada dia.

Dois dias antes de partir, janto com outros dois justos: Amos Oz e David Grossman. São magníficos escritores, velhos amigos e, ambos, incansáveis defensores do diálogo e da paz com os palestinos. Os tempos que enfrentam são difíceis, mas eles não se deixam abater. Brincam, discutem, contam histórias. Dizem que, somando os prós e os contras, nenhum deles poderia viver fora de Israel. Gideon Levy e Yehuda Shaul, que estão presentes, concordam. Certo, menos mal, em todos esses dias que estou aqui é a primeira vez que um grupo de israelenses está totalmente de acordo com alguma coisa.