Richard Stallman

“Temos de derrotar o Uber, por nossa liberdade e privacidade”

Richard Stallman, pai do ‘software livre’, critica todas as grandes empresas tecnológicas

SAMUEL SÁNCHEZ | EL PAÍS VÍDEO

Mais informações

Suas armas de guerra são peculiares. Uma sacola de compras e uma pasta. Uma mesa de vidro. Muitos adesivos e um bicho de pelúcia. Trata-se de Richard Stallman, e sua guerra é travada contra inimigos, em sua opinião, muito concretos: Apple, Microsoft, Facebook ou Uber. O guru e pai do software livre liderou uma conferência com tom de discurso no RETINA, o fórum ibero-americano de transformação digital do EL PAÍS patrocinado pela Telefónica, Iberdrola e Santander. “Se um programa ataca sua liberdade, você não deve usá-lo. Eu me recuso a bisbilhotá-lo.”

Após cinco minutos de indecisão, nos quais Stallman pediu que a luz fosse diminuída, que se tirassem uma foto não ativassem a geolocalização e não a compartilhassem em redes sociais, que seus adesivos fossem distribuídos na saída e que as pessoas fossem à sua sessão de perguntas e respostas na parte da tarde no leilão de sua cabra de pelúcia, criticou duramente todas as grandes empresas devido ao que considera a fonte de todos os males tecnológicos: o software proprietário. “Transforma a informática em algo para imbecis. Transformou a tecnologia em um regime repressivo, que não devemos apoiar.” Stallman, claro, pratica com o exemplo.

Em 21 de março, liderou um protesto no campus de tecnologia de Cambridge contra o DRM, o protocolo de proteção que impede o compartilhamento de arquivos digitais, como livros, filmes ou documentos. Devido a essas práticas de criptografia, Stallman não vê filmes BluRay. “Um filme não vale minha liberdade”, disse nesta quarta-feira.

Stallman citou exemplos concretos. Como o do Uber, comparando o que a startup da moda faz com o que era antes pedir um táxi convencional. “Se você pegar um táxi, ninguém quer saber quem você é. O Uber exige que você se identifique, não permite que você use o serviço de forma anônima. Temos de derrotar o Uber, por nossa liberdade e privacidade.” O guru também apontou o histórico de negligência de gigantes tecnológicas como a Amazon. Em 2009, em um caso que dominou as manchetes na imprensa internacional, a Amazon deletou as obras de George Orwell de usuários do Kindle que haviam comprado os livros, devido a um conflito de direitos autorais. “Prometeram não fazer aquilo novamente, a menos que o fosse pedido pelo Governo. Qualquer um que conheça 1984 [livro de autoria de Orwell] sabe que esta não é uma afirmação exatamente tranquilizadora.”

Como alternativa, desde 1983, Stallman vem promovendo o projeto que lidera junto com outros defensores do software livre. O Projeto GNU, um sistema operacional que permite aos usuários usar um computador sem cair nos pecados capitais do software que Stallman considera privativo. Os pecados são, basicamente, violar uma das quatro liberdades que devem ser exigidas para o software livre e que podem ser resumidas em: ser capaz de copiar, acessar livremente o código fonte (conjunto de instruções que o fazem funcionar), modificar o livre arbítrio e compartilhá-lo, vendendo-o ou não, com quem quer que seja.

Stallman esclareceu que isso se aplica apenas às coisas funcionais, não às que podem ser “apreciadas”. “Uma canção pode ser apreciada, mas não se canta para fazer um trabalho funcional.” E ressaltou que não é contra a venda de um programa de software livre. O pecado que não pode ser cometido por quem vende é colocar a empresa à frente do usuário, ter o controle para modificar ou capturar informações à vontade. “A empresa, se tem o poder à frente dos usuários, se corrompe. E isso a leva a incluir a funcionalidade de espionagem.” Enquanto falava, sua tela digital, que coloca como cenário de todas as apresentações do RETINA, projetou a caricatura de um usuário onde seu computador, da marca Apple, diz a ele que não aceita suas instruções. E em seu balão de pensamento observa-se o símbolo da maçã ditando ordens.

Já com o tempo curto, às pressas, Stallman explicou sua alternativa para toda a polêmica editorial sobre a pirataria. Um sistema de pagamento anônimo que está sendo projetado para seu sistema operacional GNU e que permitirá que qualquer pessoa receba dinheiro por sua propriedade intelectual, sem quaisquer cookies como intermediários (Stallman disse que é por causa deles que já não se escreve ou se lê em Wired). E, como despedida, recordou o leilão de sua cabra de pelúcia para a Fundação para o Software Livre, da qual é presidente.