Luis Enrique: “Perdemos a vantagem, mas podemos ganhar todos os jogos”

Técnico do Barcelona reforça o discurso positivo antes de enfrentar o Sporting Gijón

Luis Enrique, ao lado de Robert Moreno.
Luis Enrique, ao lado de Robert Moreno.Toni Albir (EFE)

Superado o primeiro desafio com muita facilidade (vitória por 8x0 contra o Deportivo La Coruña), o Barcelona enfrenta agora a reta final do Campeonato Espanhol com problemas dentro de campo – antes do jogo no Riazor vinha de uma sequência de quatro derrotas e um empate – e na classificação, uma vez que o Atlético de Madrid é líder ao lado dos azul-grená e o Real Madrid está um ponto atrás. O Barcelona joga no sábado contra o Sporting Gijón no Camp Nou, um duelo fundamental. “Nas últimas rodadas sempre ocorrem resultados surpreendentes porque existem equipes com a obrigação de ganhar, outras que não têm nada a perder... E para meu pesar, meu foco é ganhar do Sporting porque precisamos vencer nas quatro partidas que nos restam”, disse Luis Enrique.

O técnico acredita que não será uma partida qualquer, nem simples. “O Sporting Gijón faz uma campanha única e merecem disputar a manutenção na Primeira Divisão. E podem consegui-lo. Realizaram com muito trabalho, com organização ofensiva e defensiva. E eu, que sou sportinguista de coração, gosto da equipe, ela reflete o espírito de uma cidade”. Mas o Barcelona recuperou a tranquilidade e sua melhor versão nas duas últimas partidas, por mais que tenha perdido para o Valência e vencido com autoridade o Deportivo La Coruña. “Foi um resultado perfeito que reforça nosso momento. Para nós foi excelente”, disse Luis Enrique. “Superaram o mau momento?”, foi questionado. “Esperamos que sim porque perdemos nossa vantagem. Mas isso não significa que não podemos ganhar todos os jogos”.

Para ganhar o Barcelona depende especialmente da pontaria de seus atacantes, que estão sempre em campo pela falta de reservas de qualidade. “Faço mudanças se vejo a possibilidade de melhorar a equipe e se percebo que precisam de descanso. No ano passado o time rodava muito; neste continuam sem gostar do que faço... É para isso que sou o técnico e esse é meu trabalho, goste ou não”, enfatizou. Mas elogiou os três. “Os quatro gols e três assistências de Luis Suárez contra o Deportivo é um feito para poucos”, disse. “Vejo Neymar em um nível muito bom”, afirmou. E sobre Messi, que não treinou na terça-feira por ter sofrido um pisão de Sidnei, explicou: “Está em perfeitas condições para jogar”.

Não quis, entretanto, falar sobre outros jogadores, como Aleix Vidal, afastado da convocação na última partida. “A convocação que faço e a escalação já dizem muito sobre o que quero fazer. Estou contente com todo meu elenco e não tenho nenhuma queixa, muito menos pública”, alegou. Mas falou sobre Bartra, que no Riazor jogou pela primeira vez como titular no Espanhol desde a 9° rodada. “Ele realizou um trabalho espetacular com discrição e é um grande profissional. É a atitude que qualquer profissional deve ter, mas não é tão fácil e ele disse – porque sempre me diz que está preparado – e cumpriu. Deve aproveitar o momento e continuar sempre preparado para quando entrar em campo”.

Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: