Editoriais
São da responsabilidade do editor e transmitem a visão do diário sobre assuntos atuais – tanto nacionais como internacionais

Nas mãos de Fujimori

Peru decidirá no segundo turno se favorece o retorno do autoritarismo populista ou a direita liberal de Kuczynski

Keiko Fujimori, durante a campanha eleitoral.
Keiko Fujimori, durante a campanha eleitoral.GUADALUPE PARDO (REUTERS)

Teremos que esperar pelo segundo turno das eleições para ver quem vai governar o Peru, mas os mercados comemoraram com uma subida das Bolsas de mais de 10% que dois candidatos de direita vão concorrer em 5 de junho. Portanto, não estão em jogo as linhas centrais do modelo econômico com os estilos e programas dos dois candidatos que terminaram melhor posicionados: Keiko Fujimori (Fuerza Popular), com quase 40% dos votos, e Pedro Pablo Kuczynski (Peruanos por Kambio), que chegou perto dos 24%.

Mais informações
Fujimori vence e Kuczinski surge como adversário no segundo turno
Peru decide sob a sombra de Fujimori 24 anos depois do golpe
Um raio-X das eleições no Peru

Não é uma questão trivial: os caminhos exibidos pela filha do ex-presidente Alberto Fujimori, condenado a 25 anos por crimes de corrupção e lesa humanidade, estão enraizados nas velhas formas do clássico populismo de direita da América Latina: liderança carismática, mão dura contra a delinquência, desprezo às elites, políticas assistencialistas. Kuczynski, que foi presidente do Conselho de Ministros no governo de Alejandro Toledo, tem um perfil mais ortodoxo e suas políticas estão orientadas principalmente a liberalizar os mercados e reforçar o crescimento.

Keiko Fujimori pode ser ajudada pelo trabalho que está fazendo desde que perdeu a eleição anterior para Ollanta Humala. Percorreu o país e conseguiu construir um partido que está presente em todos os lugares. A implementação popular do PPK, ao contrário, é muito frágil. Vai ser decisiva a forte corrente transversal que renega os desmandos produzidos durante o Governo de Fujimori, inclusive seu autogolpe de 1992. Em suas mãos está manter o país longe desse tempo obscuro.

Mas tudo está aberto, e no Peru está em jogo o retorno ao pior autoritarismo populista que está em desacordo com essa modernidade necessária para manter e expandir seu crescimento. Os bons resultados de Frente Amplio de Verónika Mendoza permitem pressagiar uma reconstrução da esquerda, até agora muito confusa.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS