Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Vidas refugiadas

Exposição em São Paulo mostra o cotidiano de oito mulheres, refugiadas e solicitantes de refúgio, de diferentes nacionalidades, no Brasil

  • Será lançado nesta segunda-feira em São Paulo o Projeto Vidas Refugiadas, que mostra o cotidiano de oito mulheres, refugiadas e solicitantes de refúgio, de diferentes nacionalidades no Brasil.
    1Será lançado nesta segunda-feira em São Paulo o Projeto Vidas Refugiadas, que mostra o cotidiano de oito mulheres, refugiadas e solicitantes de refúgio, de diferentes nacionalidades no Brasil.
  • As mulheres representam cerca de 30% dos refugiados no Brasil, segundo dados divulgados pelo ACNUR (Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados).
    2As mulheres representam cerca de 30% dos refugiados no Brasil, segundo dados divulgados pelo ACNUR (Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados).
  • No total, 16 imagens compõem a exposição, registradas pelo fotógrafo Victor Moriyama.
    3No total, 16 imagens compõem a exposição, registradas pelo fotógrafo Victor Moriyama.
  • Segundo a ONU, na Convenção de Refugiados de 1951 ficou estabelecido que um refugiado é alguém que “temendo ser perseguida por motivos de raça, religião, nacionalidade, grupo social ou opiniões políticas, se encontra fora do país de sua nacionalidade e que não pode ou, em virtude desse temor, não quer valer-se da proteção desse país”.
    4Segundo a ONU, na Convenção de Refugiados de 1951 ficou estabelecido que um refugiado é alguém que “temendo ser perseguida por motivos de raça, religião, nacionalidade, grupo social ou opiniões políticas, se encontra fora do país de sua nacionalidade e que não pode ou, em virtude desse temor, não quer valer-se da proteção desse país”.
  • A exposição tem o intuito de auxiliar na integração das mulheres refugiadas no Brasil.
    5A exposição tem o intuito de auxiliar na integração das mulheres refugiadas no Brasil.
  • Para discutir o assunto, no lançamento haverá um debate mediado pela realizadora do projeto, Gabriela Cunha Ferraz, com a presença do Secretário Nacional de Justiça, Beto Vasconcelos, do representante do ACNUR no Brasil, Agni Castro Pita, e da nigeriana Nkechinyere Jonathan.
    6Para discutir o assunto, no lançamento haverá um debate mediado pela realizadora do projeto, Gabriela Cunha Ferraz, com a presença do Secretário Nacional de Justiça, Beto Vasconcelos, do representante do ACNUR no Brasil, Agni Castro Pita, e da nigeriana Nkechinyere Jonathan.
  • A questão dos refugiados também estará presente nos Jogos do Rio 2016. Uma equipe de refugiados competirá na Olimpíada sob a bandeira olímpica. O time, estabelecido em uma reunião do comitê executivo do COI, já conta com uma pré-seleção de 43 atletas.
    7A questão dos refugiados também estará presente nos Jogos do Rio 2016. Uma equipe de refugiados competirá na Olimpíada sob a bandeira olímpica. O time, estabelecido em uma reunião do comitê executivo do COI, já conta com uma pré-seleção de 43 atletas.
  • A exposição Vidas Refugiadas ficará aberta ao público durante todo o mês de março, na FNAC da Avenida Paulista, com entrada gratuita.
    8A exposição Vidas Refugiadas ficará aberta ao público durante todo o mês de março, na FNAC da Avenida Paulista, com entrada gratuita.