Opinião
i

Fantasia e realidade

Presidentes, governadores e prefeitos costumavam se mostrar nos camarotes oficiais para ver os desfiles e sorrir no Carnaval. Neste ano, preferiram não aparecer

MAIS INFORMAÇÕES

Hoje deixo de comentar a situação internacional, assim como o torvelinho político, econômico e institucional do Brasil. O país volta à realidade. Emerge lentamente de um Carnaval gigantesco. Praticamente cinco dias, desde a sexta-feira passada, em que a população se deixa dominar por seus sentimentos imediatistas e por desejos reprimidos. O importante é pôr para fora as inibições e as frustrações de cada um e se liberar com o ritmo, os desfiles e a proximidade da multidão. São milhões de pessoas que se arrastam pelas ruas das cidades, embalados por carros de som, dos quais só se escutam mesmo os batuques: a melodia se perde na imensidade do espaço urbano. As latas de cerveja e de refrigerantes amontoadas nas ruas testemunham a falta de respeito ao espaço público dos chamados "foliões".

Nos desfiles das escolas de samba, prevalece a manifestação do luxo utópico dos participantes, majoritariamente vindo de lugares modestos da cidade. Mas quem recebe o destaque na verdade são as artistas das novelas de televisão, que se produzem de tal forma que mesmo sua beleza e sensualidade acabam se escondendo detrás de plumas e de roupas coloridas.

Como bem observa Roberto DaMatta, em seu magistral Carnaval, Malandros e Heróis, que me dediquei a reler durante as festividades, a individualidade do brasileiro "é fortemente marcada pelo Carnaval como um momento onde se pode totalizar todo um conjunto de gestos, atitudes e relações que são vividas e percebidas como instituindo e constituindo o nosso próprio coração". Para DaMatta, o Carnaval representa "nossa própria continuidade como grupo (...) um reflexo complexo, um comentário complicado sobre o mundo social brasileiro, e não um reflexo direto de sua estrutura social".

Antes havia o contraste entre o Carnaval de rua, das classes menos favorecidas, e o Carnaval dos clubes, onde ricos e celebridades brincavam animados por whisky escocês e champagne francês. Hoje esse contraste diminuiu. Há muito menos ênfase no "Carnaval de clubes". A rua se assenhoreou quase que completamente das festas!

Até este ano, os presidentes, governadores, prefeitos, políticos em geral se mostravam nos camarotes oficiais para ver os desfiles, sorrir e se identificar com o povo. Este ano, preferiram não aparecer, talvez para evitar vaias. Tampouco vieram grandes celebridades, artistas de cinema estrangeiro que logo viravam objeto de desejo dos bonitões nacionais, que acabavam encontrando maneira de filtrar que com elas (ou com eles no caso das bonitonas) haviam tido intimidades inesquecíveis. E o público se orgulhava do fato de que algum ou alguma de nós fosse capaz de frequentar a intimidade de celebridades estrangeiras, rendidas ao charme latino. Durante semanas, jornais e revistas publicavam notas e fotos dando a entender quem levou quem para seus braços durante o Carnaval.

Isso aparentemente mudou neste ano da zika e da chikungunya. As más notícias sobre graves doenças infecciosas terão desestimulado potenciais visitantes mais precavidos, sobretudo depois que se passou a noticiar que poderiam ser transmitidas por relações sexuais.

O que aparentemente não mudou foi o espírito profundo da festa: o "tríduo momesco", como se dizia anteriormente. Nem mesmo cheguei a ver destaque para a coroação de algum volumoso senhor como Rei Momo. O dicionário Houaiss ensina que Momo vem do grego momos e do latim momus, Deus filho da noite, personificação da maledicência, comediante, farsante. Não sei como esta ideia acabou sendo associada ao personagem que preside a celebração do Carnaval no Brasil, que antes, inclusive, chegava a receber ritualmente as chaves da cidade pelas mãos do prefeito de turno para que reinasse durante os dias do Carnaval com autoridade própria. Não sei tampouco como uma festa de origem religiosa — Carnaval vem do latim carne vale, que quer dizer "adeus à carne", ou seja, os dias em que os cristãos saciavam o apetite com a carne que não poderiam comer durante a Quaresma — veio a se transformar no que passou a ser no Brasil.

O que não mudou também, pelo menos no Rio de Janeiro, foi a encenação das relações entre senhores e escravos. Antes, os proprietários de escravos deixavam que suas "peças", como eram chamados, andassem pelas ruas e festejassem uma certa liberdade, que logo voltariam a perder na Quarta-feira de Cinzas. Uma fotografia publicada no jornal do desfile de uma grande Escola de Samba do Rio, porém, despertou-me alguma inquietação quanto à possível permanência da antitética relação que prevalecia entre senhores e escravos. O tema do desfile era o Marquês de Sapucaí, nome da rua onde veio a se construir o Sambódromo. Sapucaí, atuou em diversas posições na Corte, tendo sido Senador por Minas Gerais por onze legislaturas. Foi tutor de Pedro II em literatura e ciência, ministro da Fazenda e dos Negócios do Império. Desempenhou-se como presidente do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro por 28 anos. Típico representante da elites monárquicas brasileiras, Sapucaí acabou curiosamente associado ao samba. No domingo de Carnaval apareceu na primeira página de um grande jornal do Rio vestido de branco, ostentando um olhar soberbo, coberto por um longo manto azul e ouro, carregado por sambistas fantasiados de escravos em símbolo de reverência...

Estranho país é o nosso em que a infâmia da escravidão — que nos penaliza pesadamente até hoje — ainda é usada em alegorias benignas. Refletir sobre este significativo aspecto da personalidade brasileira associada ao Carnaval é como entrar num emaranhado de percepções desencontradas sobre elitismo, conformismo e, sobretudo, quanto à razão mais profunda do nosso subdesenvolvimento: a incapacidade de relacionar as causas e os efeitos dos fenômenos políticos, econômicos e sociais que afligem um país em que muitas lideranças das classes trabalhadoras chegadas ao poder legitimamente se comportam de forma ilegítima em prejuízo dos ideais que sempre defenderam.

Enquanto isso, continuemos a brincar na beira da cratera do vulcão!

Arquivado Em: