Violência

Crime atrapalha a economia mundial

Delinquência produz perdas equivalentes a três vezes a riqueza espanhola

Prisão de grupo criminoso em Tegucigalpa (Honduras).
Prisão de grupo criminoso em Tegucigalpa (Honduras).AFP

Durante 50 anos, Meyer Lansky foi o homem que geriu as finanças do crime organizado nos Estados Unidos. Inspiração do personagem de Hyman Roth na segunda parte de O Poderoso Chefão, Lansky era indiscutivelmente um gênio para os negócios, tanto os seus como os alheios. Um agente do FBI afirmou, não sem admiração: “Se fosse honesto, poderia ter sido o executivo-chefe da General Motors”.

Mais informações

A história de Lansky permite pensar em duas conclusões. Primeiro, que o delito é um negócio global que movimenta bilhões de euros; segundo, que o crime é um prejuízo para o resto da economia: seja por negócios que deixam de ser realizados, seja pelos gastos que obriga a fazer e, como no caso do mafioso norte-americano, por talento que poderia ter melhor uso.

Mas quanto o crime custa ao mundo? É um problema com tantas facetas e com tantos fatores ocultos que até os maiores especialistas têm suas dúvidas. “Se for somado, veremos que é uma porcentagem importante do PIB, e é impossível quantificá-lo por inteiro”, explica por telefone Alys Willman, especialista da equipe de prevenção de violência e coesão social do Banco Mundial. “O efeito do crime na economia só começou a ser considerado recentemente. 15 anos atrás ninguém pensava em calcular o custo da violência. Mas está crescendo uma consciência de que isso é um assunto importante para o desenvolvimento”.

Quem mais trabalha nessa área é o Instituto para a Economia e a Paz (IEP, na sigla em inglês), uma organização não governamental fundada por um empresário da informática, o australiano Steve Killelea. Em seu último relatório, o IEP estima que em 2014 o planeta perdeu 3,3 trilhões de dólares (12,40 trilhões de reais) – 4,2% do PIB global – no combate à insegurança interna: dois trilhões de dólares (7,51 trilhões de reais) em perdas pelos efeitos do crime e outro 1,3 trilhão de dólares (4,88 trilhões de reais) em gastos de segurança não militar.

A América Latina, o continente mais violento, é o objetivo de muitos estudos

Diante da dificuldade de se generalizar os dados, a maior parte dos estudos sobre o tema são regionais ou setoriais. Uma análise de 2010 da organização Center for American Progress calculou que somente nos Estados Unidos, os custos diretos de quatro crimes (assassinato, estupro, agressão e roubo) eram de 42 bilhões de dólares (158 bilhões de reais), 137 dólares (515 reais) por cada norte-americano. Na Tailândia, uma pesquisa estima que cada caso de violência custa por volta de 65 euros (262 reais) em custos diretos para o sistema de saúde pública – o que é acumulado até chegar a 4% do orçamento de saúde do país asiático – e cerca de 700 euros (2.825 reais) em produtividade perdida.

Dos 10 países com maior taxa de homicídios do mundo, segundo o Banco Mundial, oito estão no continente americano. Em todos eles os índices de morte violenta são comparáveis aos de países em guerra civil. “Nela [América Latina e Caribe] vive menos de 9% da população mundial, mas são registrados 33% dos homicídios em todo o mundo”, explica um relatório publicado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) em outubro.

“E, o que é mais preocupante (...), é a única região onde a violência continua sendo alta e continuou aumentando desde 2005”, diz o relatório. “De fato, na maioria dos países [da região], os níveis de violência são tão altos que o aumento da violência é comparado com o de uma epidemia segundo os padrões internacionais”. Não é de se estranhar que os esforços para mostrar as consequências econômicas do crime centrem-se na América Latina. O próprio IEP fez vários relatórios referindo-se exclusivamente ao México. “Nós estimamos que em 2014 a violência custou ao México três trilhões de pesos (6,7 bilhões de reais)”, explica Killelea. “77% desse total deriva do homicídio e do crime violento e organizado”.

Quanto mais específicos os estudos, mais claros ficam os efeitos do crime. Em 2010, a Associação Mexicana de Corretores Imobiliários (AMPI, na sigla em espanhol) afirmou que somente em 2015 a violência impediu investimentos no valor de 240 bilhões de pesos (53,60 bilhões de reais), o equivalente a 30% do mercado imobiliário e 1,6% do PIB. A própria AMPI diz que durante os anos mais graves da violência na região norte do país, os lucros imobiliários caíram 30%.

“Existem três formas de contabilizar os efeitos da violência na economia”, diz Killelea por telefone. “Os custos diretos são os da polícia, da Administração de justiça e gastos médicos. Os custos indiretos incluem as perdas de salário e produtividade para as vítimas de um crime”. E dá o exemplo dos homicídios, que envolvem mais de 450.000 pessoas por ano, segundo dados da Organização Mundial da Saúde. “A maioria dos assassinados é jovem. Isso implica 40 anos de salário perdidos para a economia”. Não é preciso ter sofrido diretamente o delito para ser vítima. “A família, os amigos sofrem o trauma do crime”, afirma Killelea. “Sua mente volta repetidamente ao seu sofrimento, e isso, sem dúvida, afeta sua produtividade laboral”.

Golpe nas empresas

O efeito direto da violência se reflete nas empresas que operam nos países com maiores taxas de criminalidade. Poucas querem falar do alcance do crime em seus negócios, incluindo as que se dedicam à segurança. As que o fazem, pedem discrição. “Viver em um país como esse suga sua energia”, explica um empresário espanhol do setor energético alocado na América Central. “A tensão é permanente, porque você pode ser morto por usar um celular”. Não é o único problema. “É muito difícil encontrar crédito, porque os bancos se assustam com a criminalidade”, lembra. “É mais fácil recorrer a fontes de financiamento multilaterais, mesmo que, obviamente, você fique dependente dos juros cobrados”.

Poucas empresas querem falar do efeito da criminalidade em seus resultados

Mas para muitas empresas o principal problema é atrair o talento. “As pessoas vão com gosto trabalhar no Brasil e até mesmo no México”, explica o empresário. “Mas com Honduras e Guatemala... nem tanto. Se você aceita vir para cá, pedirá 50% a mais do que em uma ida normal para trabalhar no exterior. E no final das contas acaba se dando conta de que está de passagem, não traz a família, termina o projeto e vai embora”. “Nós que somos daqui estamos acostumados com a violência”, confirma a responsável de uma empresa venezuelana de automóveis. “Mas para quem vem de fora é sempre mais complicado”.

A resposta dos poderes públicos às crises na segurança pública costuma consistir em grandes investimentos na polícia, apesar da austeridade que muitos desses Governos pregam. Em 2015, o México reservou mais de 32 milhões de reais para a segurança pública; o Governo colombiano investiu 2,8 bilhões de dólares (10,6 bilhões de reais) entre 2013 e 2015; em El Salvador, o Estado destinou 3,5% do seu PIB em 2010, o dobro do percentual médio na União Europeia. Mesmo assim, em muitos casos o dinheiro adicional não se traduz em eficácia, e sim em mais oportunidades para prosperar à custa dos cofres públicos.

Luis Tinoco

E a opinião pública está consciente: segundo o Índice de Percepção da Corrupção Global de 2013, elaborado pela Transparência Internacional com dados de 107 países, a polícia é a segunda instituição considerada mais corrupta no mundo todo, depois dos partidos políticos. De acordo com uma pesquisa do Gallup, apenas 45% dos mexicanos confiam na sua polícia local, contra 70% na Espanha e 91% na Suíça.

Essa desconfiança com relação à polícia também obriga a olhar com cuidado para as cifras de criminalidade. Muitos crimes nem são denunciados, o que se conhece como subnotificação. “É um problema inclusive nos países desenvolvidos”, diz Rodrigo R. Soares, professor da Fundação Getúlio Vargas em São Paulo e coautor do estudo do BID. “Os homicídios podem ser uma referência mais precisa do nível de criminalidade, mas só por serem uma estatística de saúde pública, em vez de policial”.

As Pesquisas de vitimização, nas quais se pergunta aos cidadãos se sofreram algum crime, são mais precisas, mas também mais caras e menos abundantes. “Até 15 anos atrás, não eram feitas”, diz Soares. “Felizmente, estamos cada vez mais conscientes da sua importância.”

Mas também essas pesquisas de vitimização devem ser vistas com prudência. Um dos motivos que complicam a comparação entre os países são as diferentes classificações que um mesmo crime violento pode ter em um ou outro código penal. O que uma pesquisa elaborada pelo instituto Demoscopia na Costa Rica e Honduras classifica separadamente como “vandalismo doméstico”, “rompimento de grades, portões e trincos” e “roubo e invasão de domicílio” (diferenciando entre a presença da família ou não), no Chile é englobado pela pesquisa num relativamente genérico “assalto a moradia”.

Os Governos fazem grandes investimentos em polícia apesar da austeridade

A relação entre violência, medo e corrupção gera um círculo vicioso. “Passado um nível de corrupção, é mais provável que as atividades da polícia aumentem a criminalidade ao invés de diminuí-la”, considera Killelea. “Isso faz que a confiança seja rompida e que menos crimes sejam relatados.” Às vezes, a solução para um problema pode gerar outro. “Há países muito corruptos que não têm um alto nível de violência”, aponta James Shaw, analista da UNICRI, agência da ONU dedicada à pesquisa da criminalidade. “Paradoxalmente, quando nesses casos começam a ser estabelecidos mecanismos de combate à corrupção, a pressão aumenta, os criminosos começam a notar e reagem a essa pressão com mais violência. É por isso que a reação precisa ser integral.”

O negócio privado

Diante do medo despertado pelas forças (ditas) da ordem, as empresas de segurança privada, como Prosegur e G4S (ex-Securicor), a maior do mundo, enxergam enormes possibilidades de negócios. Segundo um estudo de 2012 da empresa de pesquisas Freedonia, o setor prevê crescer 7,4% por ano e faturar 244 bilhões de dólares (920 bilhões de reais) em 2016. A mesma consultoria aponta EUA e Brasil como os dois maiores mercados, e China e Índia como os mais promissores.

Mas a experiência demonstra que isso não basta. “Colocar um policial em cada quarteirão não parece ser a melhor forma de distribuir os recursos da sociedade”, afirma Laura Jaitman, editora do relatório do BID. A pesquisa do IEP concorda que “não há uma correlação entre o número de policiais e a segurança”, e Killelea acrescenta que “a maioria dos gastos usados no combate à violência não geram benefícios de produtividade adicionais”. “Construir uma prisão pode custar 200 milhões de dólares, e mantê-la, 20 milhões de dólares adicionais por ano. Se esse dinheiro fosse gasto em inovação ou em transporte, haveria benefícios adicionais para a economia. Nós estimamos que cada dólar gasto em violência reduz a atividade econômica em outro dólar”.

A ineficácia das “guerras” contra a criminalidade obriga a olhar mais adiante. “Não há uma bala mágica contra a violência”, diz Shaw. “Se houvesse, muitos países já a teriam adotado há anos. É necessária uma abordagem integral, e não só na polícia: também é preciso envolver outros funcionários, como as alfândegas, por exemplo. E, naturalmente, é necessário um envolvimento da sociedade civil.”

Reduzir a pobreza pode ser um primeiro passo. Um estudo da Unidade de Desenvolvimento Empresarial do Banco Mundial feito com 12.000 empresas em 27 países emergentes observou que um aumento de 1% na renda real por habitante se traduziria em 0,3% menos prejuízos decorrentes da criminalidade, uma estatística mais relevante nas pequenas e médias empresas (redução de 0,33%) do que nas grandes (0,21%). “Há indícios de que os pobres são os mais afetados pelo crime”, explica Jaitman, “pois têm menor capacidade de se proteger e menos acesso à Justiça. Por isso, propiciar segurança aos setores mais vulneráveis da população deve ser uma prioridade”.

Arquivado Em:

Mais informações

Pode te interessar

O mais visto em ...

Top 50