Aprovação de Haddad recua e a das ciclovias, bandeira da gestão, também

49% dos paulistanos avaliam o Governo como ruim ou péssimo, de acordo com o Datafolha Apoio à ciclovias cai de 80% para 56% a um ano de cruciais eleições municipais

Marina Rossi
São Paulo -
Haddad na ciclovia na Paulista.
Haddad na ciclovia na Paulista.André Tambucci / Fotos Públicas

A um ano para as eleições municipais, o prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) é avaliado como ruim ou péssimo por 49% dos eleitores da cidade, segundo pesquisa Datafolha divulgada nesta segunda-feira. Considerando a margem de erro de três pontos para mais ou para menos, esse percentual é o mesmo registrado em julho do ano passado (47%) e em fevereiro deste ano (44%). Esses são os três picos de reprovação da gestão do petista, iniciada em 2013.

A má avaliação do prefeito, que ainda não fala abertamente em ser candidato no ano que vem ao mesmo tempo em que se move para tentar manter o PMDB como aliado, parece acompanhar a popularidade das ciclovias —uma das suas maiores bandeiras. Enquanto em setembro do ano passado 80% dos paulistanos eram a favor das ciclovias, hoje esse percentual caiu para 56%. Outras medidas recentes também dividem os paulistanos, como o fechamento da avenida Paulista aos domingos (47% a favor e 43% contra) e a redução da velocidade nas Marginais. Os que avaliam o prefeito petista como ótimo ou bom representam 15% dos eleitores da cidade, mesmo percentual registrado em julho do ano passado. Em junho de 2013, às vésperas das jornadas de junho, 34% dos paulistanos avaliavam Haddad como ótimo ou bom.

"A oposição em São Paulo está jogando no obscurantismo. A ponto de chamar um ciclista de comunista. Quando se chega nesse nível... ", queixou-se o prefeito em entrevista ao EL PAÍS no mês passado, enquanto as medidas eram elogiadas por publicações estrangeiras como o New York Times e o Wall Street Journal.

Mais informações
Governo atinge a maior reprovação em 27 anos na pesquisa CNI-Ibope
‘Mito Lula’ é sacudido por denúncias e rejeição ao seu nome aumenta
Alessandro Molon: “O PT não soube cortar na própria carne nos casos de transgressão ética”
Perfil de quem foi à Paulista destoa de lideranças e não poupa ninguém
Em estratégia para ficar no cargo, Cunha reabre porta ao impeachment
Sem perspectivas futuras, brasileiro se declara órfão de lideranças

Mais bem avaliado entre os ricos

Num comportamento pouco comum no histórico dos petistas na capital, os eleitores das classes mais altas continuam sendo o maior capital político do prefeito: 23% dos que têm renda superior a 10 salários mínimos aprovam o prefeito, ante 12% dos que têm renda até dois salários mínimos. Essa é uma questão que persegue Haddad desde o início da sua gestão e é mais um complicador em um eventual disputa para a reeleição que pode ter a ex-prefeita e ex-petista Marta Suplicy na disputa. A senadora, agora no PMDB, tem recall na periferia, enquanto também são populares na faixa o pré-candidato Celso Russomanno (PRB) e o apresentador e aspirante a candidato Luis Datena (PP).

O custo PT também deve, provavelmente, fazer parte dessa conta. O partido vive a maior crise desde que chegou ao poder no Governo federal e está sofrendo com os casos de corrupção da Petrobras, investigados pela Operação Lava Jato. A crise econômica e o ajuste fiscal, que reduzem os repasses de Brasília à prefeitura, também fazem parte do panorama.

Em setembro, o governo Dilma Rousseff foi avaliado como ruim ou péssimo por 69% dos brasileiros. A maior reprovação em 27 anos, segundo levantamento da CNI-Ibope. Na semana passada, foi a vez de Lula ser atingido pelo custo PT: uma pesquisa realizada pelo Ibope mostrou que 55% dos brasileiros não votariam no ex-presidente "de jeito nenhum". Até o momento, não há investigação de caso de corrupção no Governo de Haddad em São Paulo. Mas, mesmo assim, 77% dos manifestantes que foram às ruas na última grande manifestação contra o governo Dilma, em agosto, afirmaram que Haddad é corrupto.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS