O carpinteiro de Sergio Mendes

Nenhum brasileiro vendeu tantos discos nos Estados Unidos como este pianista

O músico brasileiro Sergio Mendes.
O músico brasileiro Sergio Mendes.ULY MARTÍN

Nenhum brasileiro vendeu tantos discos nos Estados Unidos como Sergio Mendes. E ninguém podia prever que os norte-americanos gostariam dele tanto assim quando Herb Alpert e Jerry Moss o contrataram para o selo A&M. Seu primeiro LP à frente do grupo Brasil ’66 foi um sucesso total: com Mas Que Nada, cantada em português, alcançou os primeiros lugares das paradas.

Mais informações

Mendes havia encontrado sua pedra filosofal: uma inovadora combinação de grandes canções em inglês, ritmos brasileiros suavizados e duas sugestivas vozes femininas: Lani Hall e Janis Hansen –pouco depois Karen Philipp. Assim chegaram Night and Day, The Look of Love, The Fool on the Hill –com o qual vendeu mais singles do que os próprios Beatles–, os prêmios Grammy, Brasil ’77 e ’88, e também seu casamento com Gracinha Leporace, a cantora que havia ocupada na banda o lugar de Lani Hall, já uma senhora —e até o dia de hoje— de Herb Alpert.

Estudante de piano clássico e aspirante a concertista, Sergio Mendes se alimentou de pianistas de jazz como Bud Powell e Horace Silver, enquanto a bossa nova começava a se projetar pelo mundo a partir do Rio de Janeiro. Com apenas 19 anos já tinha conquistado reputação de bom pianista. Cruzava de barca a Baía de Guanabara, desde sua Niterói até Copacabana, para tocar com seu trio no Little Club ou no Bottle´s Bar do famoso Beco das Garrafas. Em 1961, lançou seu primeiro disco, o instrumental Dance Moderno, e organizou o Sexteto Bossa Rio para a joia discográfica Você Ainda Não Ouviu Nada, com músicos capazes de tocar com o saxofonista Cannonball Adderley em Nova York ou com o guitarrista Barney Kessell em Los Angeles.

Há mais de 50 anos mora na Califórnia. Ainda que em 1992, com o premiado Brasileiro, tenha renovado os laços com seu país de origem, gravando tambores de escola de samba e blocos afros, em quadras e ruas do Rio e Salvador, e dando voz a novos artistas como Carlinhos Brown. Estava há quase uma década sem gravar quando, em 2006, um admirador, will.i.am., bateu a sua porta. Primeiro o convenceu a colaborar com o The Black Eyed Peas em um trabalho de Elephunk; depois para assinar o impactante Timeless, produzido pelo próprio will.i.am. com participações de Justin Timberlake, Erykah Badu e Stevie Wonder. A versão eletrônica e em rap de Mas Que Nada foi usada pela Nike em sua campanha para a Copa do Mundo de 2006. E foi a um Sergio Mendes rejuvenescido que os produtores recorreram para as trilhas sonoras dos filmes de animação Rio e Rio 2.

Em 1971 havia decidido instalar um estúdio de gravação na garagem da casa comprada em Encino (Los Angeles). Durante os seis meses que durou a obra, Sergio Mendes e o carpinteiro que tinham lhe recomendado construíram uma boa amizade. E continuaram se encontrando de vez em quando. Claro que algumas coisas mudaram. O estúdio foi destruído pelo terremoto de 17 de janeiro de 1994. E o jovem carpinteiro, que desejava ser ator e chegou à casa de Mendes pela primeira vez com cabelo comprido, barba e calça surrada, finalmente realizou o sonho de trabalhar no cinema. Inclusive se tornou um grande nome de Hollywood: Harrison Ford.