Seleccione Edição
Login

Você vai viajar menos e conviver com juros altos por mais tempo

Saiba como a perda do selo de bom pagador do país pela S&P afetará o seu dia a dia

Bonecos de Mickey e Minnie na Disney.
Bonecos de Mickey e Minnie na Disney. AP

Ao contrário do que afirmou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a perda do selo de “bom pagador” significa algo para o país sim. Os economistas, como de costume, divergem opiniões quanto aos efeitos da perda do grau de investimento. Uns acreditam que a economia deve se fortalecer, outros que a retomada pode levar mais tempo agora. Independentemente dos efeitos dessa notícia, o rebaixamento da nota de crédito do Brasil, anunciado pela Standard & Poor´s (S&P) na última quarta-feira (9), não é um capítulo em branco da nossa história. Saiba o que significa perder o grau de investimento e como isso afeta o nosso dia a dia.

O que é rating?

Para financiar gastos ou promover investimentos, tanto os governos quanto as empresas podem emitir títulos de dívida no mercado. O rating de crédito é uma nota que tem como finalidade classificar qual é o risco de um país dar o calote, ou seja, qual é a capacidade e disposição de um governo honrar suas obrigações financeiras, a dívida que contraiu com o mercado. Quem faz a análise desse rating são as agências de classificação de risco. As maiores do mercado são as multinacionais Standard & Poor´s, Fitch Ratings e Moody´s.

O que é grau de investimento?

O grau de investimento é como um selo de bom pagador, emitido pelas agências de análise de rating. Quando um país atinge o grau de investimento, ele sinaliza para o mercado que é uma região segura para receber capital. Investidores estrangeiros se baseiam nos ratings dos países e das empresas para fazer decisões de investimento. Muitos fundos de pensão estrangeiros, por exemplo, estão restritos por suas políticas de investimento a aportar recursos somente em papéis de dívida de países ou de empresas que possuem o selo de bom pagador, emitido por, no mínimo, duas agências de rating internacionais. Nesse sentido, perder o grau de investimento tem como um de seus efeitos o resgate desses recursos pelos fundos, ou seja, redução dos investimentos estrangeiros no país.

Como é feita a avaliação pelas agências?

Cada agência de classificação de risco tem seus critérios de avaliação. As notas também não são padronizadas. Entretanto, quanto maior for esta nota, menor é a chance de um país ou de uma empresa dar calote na dívida. Periodicamente, as agências refazem suas avaliações de rating, mantendo, reduzindo ou aumentando a nota de crédito dos países. As agências podem reavaliar as notas antes do tempo previsto, caso percebam mudanças significativas nos indicadores que serviram de base para a avaliação.

A S&P, por exemplo, emite a nota de crédito de um país com base em critérios como perspectivas de crescimento, risco institucional, estrutura econômica, liquidez externa, desempenho fiscal e monetário. A escala de rating varia de “SD”, a menor nota, até “AAA”, a maior nota. Ao todo, são 22 notas. Um país é considerado grau de investimento a partir da 13ª nota, “BBB-“. Na última quarta-feira (9), a S&P rebaixou a nota brasileira de “BBB-“ para “BB+”. Ou seja, passamos de grau de investimento para grau especulativo.

Quais os possíveis impactos do rebaixamento?

- Câmbio: com o aumento da insegurança dos investidores em relação ao Brasil, ocorre a chamada “fuga de dólares”. Na prática, os investidores resgatam investimentos e levam o capital para regiões que consideram mais seguras. A saída de dólares acarreta na sua valorização frente ao real. Fica mais caro para as pessoas viajarem e para as empresas importarem insumos, por exemplo.

- Custo de financiamento: o aumento no preço dos importados, que servem de insumo para boa parte da cadeia produtiva nacional, eleva o custo de produção industrial. Além disso, sem o grau de investimento os credores internacionais tendem a cobrar juros mais elevados para emprestar para as empresas brasileiras, ainda que o rating delas, individualmente, não seja ruim. Os grandes bancos, que tiveram seus ratings rebaixados junto com o país, também sentirão um aumento nos custos de financiamento, o que pode ser repassado para os tomadores.

- Investimentos: Se ficou mais caro para as empresas produzirem bens ou serviços, a tendência é que elas reduzam suas projeções de investimento. Em casos extremos, corte de investimentos e economia de custos pode respingar na taxa de desemprego. Aumento no desemprego provoca queda na renda e no poder de consumo, o que agravaria ainda mais a recessão. De qualquer forma, os economistas ainda não projetam o pior cenário.

- Inflação: ainda que o real se desvalorize nesse processo, a tendência é que não respingue tanto na inflação. Isso porque, mesmo com o aumento do dólar e dos custos das empresas, em uma economia em recessão não há tanto espaço para repasse de preços ao consumidor. 

- Juros: caso a inflação dispare, um cenário no qual os economistas não trabalham por ora, a taxa básica de juros (Selic) poderá ser elevada. Barros estima, contudo, que a Selic deve até cair a partir do segundo trimestre de 2016, ou início do segundo semestre do ano que vem. “A última ata do Conselho de Política Monetária (Copom) revela que não há intenção de subir juros agora. A Selic deve se manter no atual patamar por um período ‘suficientemente prolongado’, conforme consta na própria ata”, afirma o economista-chefe do Bradesco, Octavio de Barros.

- Bolsa: um quarto da movimentação diária de compra e venda de ações na BM&FBovespa vem de investidores estrangeiros. Naturalmente, esse grupo de investidores é bastante pautado pela visão que as agências de classificação de risco têm de um país. Afinal, por estarem distantes de seus investimentos, literalmente, precisam de fontes de informação com credibilidade para a tomada de decisões. Com a notícia do rebaixamento do rating, a bolsa despencou. É importante destacar, contudo, que os investidores nacionais também são guiados pelos ratings. A queda no valor das ações de empresas brasileiras, portanto, não é guiada exclusivamente pelos estrangeiros. “Se uma agência acredita que o país não é um bom pagador é porque ela avaliou a gestão das contas nacionais e calculou os riscos de calote. No fim, é um indicador de que o governo não fez a lição de casa e de que a recessão pode demorar mais tempo para acabar”, afirma Alex Agostini, economista-chefe da Austin Rating.

- Dívida pública: quando um governo quer captar recursos no mercado para cobrir gastos ou realizar investimentos, ele pode emitir títulos públicos. Com o aumento no risco de calote, os investidores vão cobrar mais juros do governo para comprar aquele título público. Ou seja, o governo terá de arcar com um custo maior de financiamento de suas dívidas no mercado.

Por que o Brasil perdeu o grau de investimento?

Segundo relatório divulgado pela S&P, os motivos que levaram o Brasil a perder o grau de investimento foram a deterioração da política fiscal, a performance mais fraca da economia e as incertezas políticas, marcadas por divergências no Congresso.

O anúncio do rebaixamento pela S&P veio pouco depois do governo ter enviado ao Congresso o Orçamento de 2016, que previa déficit primário de R$ 30,5 bilhões. Esse é o valor que faltaria nas receitas para cobrir todas as despesas previstas para o ano que vem.

É possível recuperar o grau de investimento?

Recuperar o grau de investimentos não é fácil, mas a história mostra que é possível. A Colômbia, por exemplo, levou 12 anos para recuperar o selo de bom pagador. O Uruguai, 9 anos. Já a Coreia do Sul conseguiu recuperar o título em apenas um ano. No caso do Brasil, os economistas estimam que em dois anos o país terá melhorar os indicadores que o levaram a perder o grau de investimentos.

Se as agências de rating não conseguiram prever a crise de 2008, mantendo grau de investimento a bancos que quebraram, que credibilidade elas têm para rebaixar o Brasil?

A crise de 2008 chegou a abalar um pouco a credibilidade das agências na ocasião, de fato. Mas a avaliação delas é ainda muito importante para o mercado. A prova disso é a reação dos investidores, refletida na queda das bolsas e no aumento expressivo do dólar no dia em que a S&P cortou o rating brasileiro para o grau especulativo. Os investidores se utilizam do rating para tomar decisão de investimentos. Os fundos de pensão, maiores investidores globais, mantém em suas políticas de investimento cláusulas que demandam grau de investimento dos países e empresas onde aplicam recursos. “Minimizar o trabalho das agências é um discurso que não se sustenta. O rebaixamento reflete decisões econômicas tomadas pelo país e precisamos assumir nossos erros”, declara Agostini.

MAIS INFORMAÇÕES