ATLETISMO

Tribunal Arbitral do Esporte anula leis para determinar o sexo de atletas

Vitória de atleta indiana discriminada por produzir muito testosterona muda leis esportivas

A atleta Dutee Chand, em outubro de 2014.
A atleta Dutee Chand, em outubro de 2014.RAFIQ MAQBOOL / AP

Trinta anos depois de ser excluída do atletismo e humilhada publicamente porque seu corpo produzia mais testosterona do que a maioria das mulheres, a atleta espanhola María José Martínez Patiño, e com ela muitas outras as atletas, obteve uma grande vitória contra a discriminação, na pessoa de uma jovem atleta indiana. Dutee Chand, de 18 anos, campeã asiática júnior dos 200 metros, fez a Federação Internacional de Atletismo (IAAF) retirar as normas sobre a excessiva produção de testosterona como critério para determinar o gênero e decidir quem pode competir na categoria feminina. Dutee Chand poderá continuar competindo com as demais mulheres e a IAAF e o Comitê Olímpico Internacional (COI), que apoiou suas regulamentações, estão com problemas para decidir quem não é mulher para competir sem vantagens injustas.

A regra que o Tribunal Arbitral do Esporte (TAS na sigla em francês) anulou, a chamada Lei do Hiperandrogenismo, é a mais nova tentativa das autoridades esportivas para tentar fixar um critério objetivo em um assunto, o gênero sexual. A lei, que substituiu as práticas humilhantes de reconhecimentos visuais e análises de cromossomos para determinar do sexo dos atletas, fixa que uma produção de 10 nanomoles de testosterona, o quádruplo do que é considerado normal nas mulheres, outorga vantagem competitiva. Dessa forma, as atletas que sofrem com o problema só poderiam voltar a competir se fossem submetidas a diferentes tratamentos antiandrógenos para fazer com que deixassem de produzir testosterona e operassem plasticamente os órgãos sexuais.

Mais informações

Dutee Chand negou-se publicamente a fazer isso. E anunciou que não o faria pois ela era como era e que assim pretendia continuar. Para a atleta, o tratamento proposto pelas autoridades do atletismo teria efeitos colaterais durante sua vida. Portanto, disse que lutaria. Lutou e ganhou.

Segundo o laudo do TAS (161 páginas, um dos mais longos elaborados pelo tribunal), a IAAF deve suspender provisoriamente, durante dois anos, a aplicação da lei até que não fique demonstrado que o excesso de produção de testosterona gere uma vantagem frente às outras mulheres. “Ainda que os eventos esportivos estejam divididos arbitrariamente em categorias feminina e masculina, o sexo no ser humano não é tão simplesmente binário: a natureza não é precisa. Não existe somente um determinante do sexo”, diz o laudo, que insta a IAAF a formular uma base de divisão que seja “razoável e proporcional”.

“Não é justo o que tive de enfrentar nos últimos dois anos”, disse Chand através dos advogados canadenses que a representaram. “Tenho o direito de correr e competir, um direito que me foi roubado. Fui humilhada por algo de que não sou culpada, mas estou feliz porque, graças a esse veredito, nenhuma outra atleta terá de lutar contra o que eu tive de lutar”.

Desde sua entrada em vigor, em 2011, para solucionar o problema apresentado pela atleta sul-africana Caster Semenya, a lei só foi aplicada em atletas de países em desenvolvimento.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete