Como bater papo pelo mundo sem gastar em ‘roaming’

Novo cartão SIM permite utilizar aplicativos de bate-papo em todo mundo por apenas 34 reais por ano, sem os altos custos das tarifas internacionais

O cartão SIM 'ChatSim' em sua apresentação em Xangai.
O cartão SIM 'ChatSim' em sua apresentação em Xangai.zigor aldama

Roaming. Basta pronunciar a palavra para que um arrepio passe pelo bolso. Não por acaso, com tarifas que superam vários reais por minuto de voz ou por megabyte de dados, utilizar nosso número de telefone no exterior, especialmente quando vamos para outro continente, pode ser uma grande despesa. Na verdade, não faltam turistas que, desconhecendo as tarifas cobradas por suas operadoras, se deparam com uma surpresa desagradável na volta. Por isso, a empresa italiana ChatSim lançou na quarta-feira, durante a edição asiática do Mobile World Congress inaugurado em Xangai, o primeiro cartão SIM que permite usar a maioria dos aplicativos de mensagens instantâneas como WhatsApp (surpreendentemente estão excluídos Skype e Hangouts) em qualquer dos mais de 150 países onde possuem acordos com as operadoras de telefonia. E tudo por apenas 10 euros, ou 34 reais, por ano.

"Isso significa que nossos usuários podem viajar para qualquer lugar do mundo sem se preocupar em ficar desconectados. Porque automaticamente seu celular será registrado na rede com a qual contratamos o serviço e bloqueará a conexão de dados de todos os outros aplicativos que não sejam de bate-papo, como o navegador ou Facebook", explicou Juan De la Coba, diretor de Desenvolvimento de Negócios da empresa. "No final das contas, nossos próprios estudos mostram que as pessoas usam cada vez menos o telefone para falar e mais para participar de chats. O percentual é muito elevado — 77% —, especialmente entre os jovens de 25 a 34 anos. Na verdade, em 15% de seus smartphones o aplicativo do telefone nem sequer está na tela principal do aparelho. Consideram que o chat é mais seguro, mais confortável e menos estressante. Por isso, estamos convencidos de que o futuro da telefonia está nos dados e optamos por eliminar a possibilidade de chamadas por GSM, como em outros cartões SIM globais que geralmente são projetados para fazer chamadas e acabam saindo muito mais caros."

É o primeiro cartão SIM de baixo custo para acessar aplicativos como Whatsapp em mais de 150 países

A empresa confia tanto no cartão que fixou uma meta de vender um milhão de ChatSim antes do final do ano. Mas os 10 euros pagos pelo serviço anual apenas incluem o envio de mensagens de texto e emoticons. Para anexar ou receber fotos ou mensagens de voz, por exemplo, é preciso comprar um cartão pré-pago com créditos a serem gastos de acordo com os megabytes utilizados. E o mesmo vale para as chamadas de voz por VoIP. "Com 2.000 créditos que custam 10 euros [34 reais], dependendo da localização e qualidade do som, é possível obter 250 minutos de voz", disse o italiano Manuel Zanella, fundador e diretor-presidente da ChatSim. "No momento, a maioria das operadoras oferece conexão 3G, mas em oito países o 4G já está disponível e a lista vai continuar aumentando", acrescenta.

Por esse motivo, a ChatSim diz que seu produto não é interessante apenas para os que viajam. "Vemos também como um complemento para o wifi, uma espécie de salva-vidas, de modo que o usuário não tenha de pagar para utilizar os dados quando estiver longe de casa. Por exemplo, se o crédito contratado com a operadora acabar, pode continuar batendo papo, usando nosso SIM", diz o executivo. Claro que isso pode significar uma chateação se for preciso mudar o cartão e se despedir temporariamente de seu número usado normalmente, por isso a ChatSim fechou um acordo com as fabricantes de celular Lumia e Wiko, na Itália, para vender o cartão em conjunto com os dispositivos que tenham o dual SIM, a possibilidade de inserir dois cartões no mesmo terminal. "É o tipo de dispositivo mais adequado, porque nos permite deixar ativado o telefone pessoal, mas utilizar os dados do ChatSim", diz De la Coba.

Mais informações

O cartão SIM estará disponível no site da empresa a partir de 3 agosto, e em 35 países também será possível comprá-lo em lojas. Em qualquer caso, diante do anunciado desaparecimento do roaming na Europa dentro de dois anos, a ChatSim não faz segredo que seu principal interesse são os países em desenvolvimento, especialmente na Ásia e América Latina. "Os custos do roaming são mais altos e o uso de aplicativos de bate-papo ainda é mais generalizado", acrescenta Zanella. Por isso, na China, onde a maioria dos telefones permite introduzir dois cartões, muitos clientes potenciais que se aproximam do estande da ChatSim perguntam antes de tudo se é possível usar o novo cartão com o WeChat ou QQ, os dois principais aplicativos de bate-papo do país. "Também funciona com o Kakaotalk – líder na Coreia do Sul — ou com o Line, muito utilizado em outros países asiáticos. No final, sabemos que quase todo mundo quer um smartphone, mas nem todos estão dispostos a pagar 15 ou 20 euros [50 ou 68 reais] por mês pela tarifa de dados."