Maioridade penal

Reações à estratégia de Cunha se multiplicaram nas redes: ‘golpista’

Memes e hashtags se popularizam pelas redes sociais em crítica à manobra de Cunha

Montagem com a foto de Cunha e os Trend Topics do Twitter de quarta.
Montagem com a foto de Cunha e os Trend Topics do Twitter de quarta.

Após a manobra realizada pelo presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) para aprovar a redução da maioridade penal, representantes da classe política se manifestaram pelas redes sociais contra a lei aprovada. Vários postaram trechos da sessão de quarta-feira, onde eles se posicionavam contra Cunha, reclamando do atropelo da sessão, com a retomada do projeto derrotado um dia antes, reformado com uma emenda aglutinativa. "A sessão foi uma farsa, uma afronta ao regimento", disse o deputado Chico Alencar (PSOL-RJ), em vídeo postado no seu twitter.

"Vossa excelência está aplicando um golpe com o apoio de vários partidos", afirmou o deputado Ivan Valente (PSOL-SP). Sua argumentação também podia ser vista num vídeo postado no Facebook.

"Vossa excelência passa por cima da democracia, passa por cima da Constituição, passa por cima do regimento dessa casa até que vença a posição de vossa excelência", afirmou o deputado Alessandro Molon (PT-RJ). "Quando vossa excelência perde, vossa excelência encerra os trabalhos e na madrugada, começa a articular a derrota da posição vencedora".

Joaquim Barbosa, ex-presidente do Supremo Tribunal Federal, usou sua conta no Twitter para também se manifestar contra a manobra de Cunha.

Na quarta-feira, a hashtag #CunhaGolpista estava entre as mais usadas no microblog. Já nesta quinta, houve um 'Twittaço' que deixou a hashtag #AnulaSTF em segundo lugar no ranking brasileiro. A ideia é pressionar o Supremo para que a votação seja vetada.

Mas as críticas não ficaram só no mundo político. Nas últimas 24 horas, artistas, cantores e atleta brasileiros foram às redes para lamentar a aprovação da lei que reduz de 18 para 16 anos a idade para prisão em casos de crimes hediondos como estupro e sequestro, homicídio doloso (com a intenção de matar) e lesão corporal seguida de morte.

A nadadora Joana Maranhão, que representa pela quarta vez o Brasil nos jogos Pan-Amaericanos, publicou um vídeo criticando a aprovação da lei e aproveitou para afirmar que "não faz questão" da torcida de Eduardo Cunha nos jogos. "Não representarei esse Brasil que segrega", disse.

Os cantores Gilberto Gil e Caetano Veloso criticaram a manobra da Câmara, que fez a lei voltar para a pauta apenas um dia após ser rejeitada pelos deputados. "Houve uma manobra política esquisita para aprovar [a redução]. Somos contra", disse Gilberto Gil, ao lado de Caetano Veloso, em um vídeo feito em Londres, onde estão para realizar um show.

A enxurrada de críticas caiu salpicada por memes que fizeram piada com Cunha.

Os 'anti-Cunha' fizeram barulho, mas os que apoiaram a vitória do presidente da Câmara são maioria no Brasil. O próprio Cunha fez questão de destacar isso em sua página no Facebook nesta quinta. Sua equipe postou que “a vontade do povo deve prevalecer” e que por esse motivo Cunha colocou em votação o projeto de redução da maioridade penal “Mesmo sob os protestos de uma minoria, fez-se valer a vontade de 87% do povo brasileiro, que está com o grito de impunidade entalado na garganta há muito tempo.” O posto recebeu cerca de 1.000 comentários na página, a grande maioria de apoio e celebração ao deputado. “Vitória para todos os brasileiros do bem”, dizia um. “Os 87% da população brasileira que querem a redução agradecem o respeito e o comprometimento por você demonstrados”, escreveu outro.

Representantes de grupos anti-Dilma, como o Movimento Brasil Livre, acompanharam também a votação em Brasília e celebraram a votação. “Uma grande vitória para o Brasil”, dizia Renan Santos, um dos líderes do MBL, sobre a votação de quarta-feira.

Os Revoltados Online também publicaram mensagens de apoio. “Chupa defensores de bandidos ‘Di menor’”, foi um dos posts publicados na página do grupo.