Copa América

México acorda tarde

Mexicanos só jogam no segundo tempo e empatam com uma Bolívia que só se defendeu

Jesús Corona, o jogador que mais se destacou no México.
Jesús Corona, o jogador que mais se destacou no México.REUTERS

O México acordou tarde demais e acabou jogando contra o relógio em sua estreia na Copa América. O time de Miguel Herrera começou o primeiro tempo jogando com cinco defensores, buscando o lançamento longo, como se fossem à guerra ao invés de um banquete. Parecia que enfrentavam a Holanda ou o Brasil. A Bolívia gostou da proposta de paus e pedras, até mesmo agradeceu pelo tratamento recebido. Raúl Jiménez entrou aos 15 minutos do segundo tempo e fez uma boa parceria com Jesús Manuel Corona, um pesadelo para a defesa adversária durante toda a noite. O jogo estava ali, mas já era muito tarde. O zero a zero, o resultado mais triste do futebol, não saiu mais do placar.

Mais informações

Foi preciso esperar mais de uma hora para que Miguel Herrera acendesse, vermelho de raiva, como se canibais o estivessem cozinhando em fogo lento em uma panela. Foi a prova de que a seleção demorou a entrar na partida. Esses minutos eram os melhores momentos do México, que encurralava a Bolívia. Javier Aquino, outro que entrou no segundo tempo, adentrou na área, deixando os defensores para trás. Tomou uma rasteira, mas o árbitro fingiu não ver nada. Em um escanteio, Güemez foi claramente derrubado quando estava prestes a cabecear. Em outro lance, o boliviano Hurtado colocou a mão na bola. Nada. A área estava liberada.

Jiménez teve boa parte da culpa pela mudança radical. O atacante do Atlético de Madri, deprimido por um ano no banco do Vicente Calderón, também começou a Copa América na sombra. A decisão do Piojo Herrera dava a entender que sobre o campo existia alguém melhor, com mais energia. Não foi assim. Eduardo Herrera, do Pumas, esteve discreto, olhando a bola passar. Seus companheiros também não ajudaram. Na primeira metade o meio de campo não existiu e as duas equipes apostaram tudo no chutão.

O México estreou com impaciência. Quis matar a partida pela maneira mais rápida, sem elaborar a jogada. Os defensores a todo momento lançavam Vuoso, argentino naturalizado mexicano, e, um pouco menos, o esquecido Herrera. Sem transição no meio de campo, Medina e Güemez tiveram pouco trabalho no ataque. No círculo central existiam muitos garçons e poucos clientes.

Miguel Piojo Herrera, de pavio curto, explodiu. No campo havia uma equipe em combustão. Nem assim puderam romper o zero a zero

A Bolívia gostou de jogar rebatendo a bola. Pensavam que os mexicanos iriam propor um baile na partida inaugural, mas encontraram uma briga, e aproveitaram bem. Os zagueiros recebiam as bolas de frente, em vantagem, sem grandes complicações. Em dois contra-ataques estiveram prestes a surpreender os mexicanos. Em uma jogada pela esquerda, Pedriel mandou a bola na trave. Foi o primeiro aviso. O segundo, um chute de esquerda de Campos defendido por Corona, seguro durante toda a noite.

O segundo tempo foi outra história. O capitão Rafa Márquez se machucou e Aquino, do Rayo Vallecano, veio a campo. De repente tudo se acertou. Com Aquino do lado esquerdo, Corona quebrando pela direita, e Jiménez incomodando na área, o México pareceu uma equipe mais harmoniosa. Até Medina era outro. Herrera, de pavio curto, explodiu. Sobre o campo existia uma equipe em combustão.

Era uma miragem. O tempo estava esgotado. A Bolívia se postou debaixo do travessão e resistiu como pôde. Pareciam bêbados que não caíam nunca. Os mexicanos não prestaram atenção ao velho provérbio (seja rápido, é mais tarde do que parece). Acabaram pagando o preço.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete