banca brasileira

Saída do HSBC do Brasil abre corrida de gigantes pelos negócios do banco

Além dos grandes nacionais,um espanhol e potencialmente os chineses estão no páreo

Pessoas diante de agência do HSBC no Rio de Janeiro.
Pessoas diante de agência do HSBC no Rio de Janeiro.Mario Tama (Getty Images)

O anúncio da venda das operações do HSBC Holdings - o maior banco da Europa- no Brasil, nesta terça-feira, não chegou a ser recebido com surpresa no país. A trajetória de queda de rentabilidade do grupo, envolvido em um grande escândalo de evasão fiscal em sua unidade suíça, era bem conhecida pelo mercado que já vinha acompanhando o desempenho aquém do esperado. Só no ano passado, o banco, que opera há 18 anos no Brasil, teve um prejuízo de 549 milhões de reais no país, enquanto grandes concorrentes bateram recorde de lucro. O HSBC Brasil não detalhou quanto espera obter especificamente com a venda, mas seu valor é estimado em mais de 10 bilhões de reais.

MAIS INFORMAÇÕES

Os candidatos mais fortes à compra são os gigantes brasileiros Bradesco e Itaú e o espanhol Santander, segundo especialistas. Os três já estariam negociando a venda das operações do HSBC Brasil que deve ser finalizada no mês de julho. O único a comentar o tema foi o Itaú, que afirmou que sempre avalia oportunidades “focadas no crescimento do banco no Brasil e na América Latina e na geração de valor aos acionistas”, segundo a agência Bloomberg.

“Mas a verdade é que todos os grandes bancos vão analisar esta venda. Tanto os brasileiros interessados em ganhar mais clientes como os estrangeiros que querem ganhar mais espaço na região, como os bancos chineses e espanhóis”, afirma Luís Miguel Santacreu, analista de bancos da Austin Rating.

Sem alteração inicial para clientes

Em nota, o HSBC Brasil ressaltou que está em processo de venda e não de encerramento. “O banco segue operando normalmente e, mesmo após a venda, seguirá prestando serviços aos seus clientes”, afirmou. O banco também esclareceu que o HSBC Brasil continuará funcionando para atender aos clientes corporativos de grande porte.

Mesmo assegurando que o HSBC Brasil segue funcionando normalmente, as eventuais demissões com a venda geraram protesto no Paraná nesta terça-feira. Funcionários do banco fecharam as sedes administrativas da empresa em Curitiba, sede oficial da instituição, e estenderam faixas na frente dos escritórios. Um dos cartazes ironizava o slogan do banco: "HSBC, no Brasil e no mundo, enganando você".

O encerramento das atividades na Turquia e o corte de quase 50.000 postos de trabalho em todo o mundo, metade delas na unidade turca e na brasileira, também fazem parte de um plano estratégico para restaurar os lucros, o crescimento do banco e também superar perdas ocasionadas pelo escândalo conhecido como Swissleaks. Na semana passada, o HSBC anunciou que pagará 43 milhões de dólares como parte de um acordo para encerrar a investigação do Ministério Público de Genebra sobre lavagem de dinheiro na filial suíça do banco.

As mudanças  anunciadas devem gerar uma economia de  US$ 4,5 bilhões e US$ 5 bilhões para a instituição até 2017. Elas mostram também que o objetivo do banco agora é concentrar a atuação na Ásia, principalmente na China e na Índia.

Queda da lucratividade

De acordo com Luís Miguel Santacreu, da Austin Rating,  havia evidências de que a estratégia da subsidiária brasileira do HSBC não estava funcionando. Os britânicos entraram no mercado em 1997, comprando o Bamerindus (que enfrentava diversos problemas de crédito) com a pretensão de ser um dos mais importantes do setor bancário nacional, mas foram perdendo espaço. “Apesar de chegarem com força foram perdendo participação, enquanto Bradesco, Itaú e Santander foram comprando outros bancos e fincando sua presença no topo.”

Atualmente, o HSBC é o sétimo maio banco do Brasil em ativos, no entanto possui uma estrutura que não condiz com a quantidade de clientes, segundo o especialista. “A lucratividade não estava boa, o banco possui uma rede de agências grande que ultrapassam 800, um número elevado de funcionários, mas uma quantidade de clientes que não é satisfatória”, explica Santacreu.

Arquivado Em: