_
_
_
_
HSBC
Análise
Exposição educativa de ideias, suposições ou hipóteses, baseada em fatos comprovados (que não precisam ser estritamente atualidades) referidos no texto. Se excluem os juízos de valor e o texto se aproxima a um artigo de opinião, sem julgar ou fazer previsões, simplesmente formulando hipóteses, dando explicações justificadas e reunindo vários dados

O banco que cai em todos os atoleiros

Envolvimento do HSBC em grandes casos se deve ao fato de ser um conglomerado empresarial díspar

Xavier Vidal-Folch
Fachada do banco HSBC em Genebra.
Fachada do banco HSBC em Genebra.Harold Cunningham (Getty Images)

O HSBC é o maior grupo financeiro europeu, com ativos superiores a um trilhão de dólares, lucro líquido de 15,6 bilhões, filiais em todas as partes do mundo, 250.000 funcionários e 125 milhões de clientes.

Que necessidade tem de aparecer em todos os grandes casos? Porque a lista Falciani, contendo supostos sonegadores (e outros que passavam por ali), não é certamente o caso mais lamacento da sua longa história. Longa: começa em 1865, quando foi fundado em Hong Kong por um aventureiro escocês que fez fortuna com o tráfico alucinógeno das guerras do ópio chinês.

A lista Falciani, contendo supostos sonegadores (e outros que passavam por ali), não é certamente o caso mais lamacento da sua longa história

O caso mais grave o afetou em 2012. Sua cúpula aceitou pagar 1,26 bilhão de dólares (3,6 bilhões de reais, em valores atuais) por ter contribuído com a lavagem de dinheiro do narcotráfico (7 bilhões) na sua filial do México, em conexão com a das Ilhas Cayman. Outro caso, da mesma época, custou-lhe 665 milhões de dólares (1,9 bilhão de reais) por violar sanções ao Irã e outros países. Matéria: tráfico de armas e transações de terroristas (Arábia Saudita).

Todo isso foi tratado no Senado dos EUA, e houve um mea culpa profundo da instituição: “Pedimos desculpas, nos comprometemos a reparar os danos”, entoaram seus dirigentes.

Mais informações
Suíça investiga HSBC por corrupção e inspeciona sua sede em Genebra
Banco anuncia “transformação radical” para evitar novas fraudes
Como ganhar 99.000 dólares em 15 segundos
Multa milionária a seis bancos por manipular as taxas de câmbio

O caso mais recente – até o surgimento do anjinho Falciani – é a investigação que a Comissão Europeia abriu em maio passado. O então comissário (ministro europeu) Joaquín Almunia acusou esse banco, e também o JP Morgan e o Crédit Agricole, de manipular o mercado das taxas de juros do euro, assim como antes havia multado o Citi, o Deutsche Bank e o RBS em 1,7 bilhão de euros (5,5 bilhões de reais) por trapacear com a Libor, que é a taxa de juros de referência do mercado londrino.

O que ocorre no HSBC, esse potente monstro, mas geralmente ágil – sobretudo em grandes operações? Certamente “está chapinhando em todos os atoleiros porque tem um problema de controle interno e de código ético”, analisa um protagonista equânime do mercado financeiro. E tem esse problema, em boa parte, “porque é um conglomerado de bancos, com culturas heterogêneas e disparidades geográficas grandes”. Engloba instituições muito boas (Banque du Louvre) e outras muito precárias.

Sua história explica bastante. Banco do ópio, prestador de crédito ao governo chinês, instituição emblemática de Hong Kong e polo proeminente na Ásia/Pacífico, transferiu sua sede para a City londrina – a cloaca global do sistema – nos anos noventa do século passado.

Até então havia adquirido, em ritmo frenético, bancos em todos os continentes. Constituiu assim um potente tripé China-Reino Unido-Espanha. Na Espanha, seu perfil é mais discreto, sem usar sua proeminência mundial como aríete. Talvez porque a cúpula de Londres não reforce o ramo espanhol, já que “minimiza a potência” desse mercado, segundo interpretação de outro experiente banqueiro espanhol.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_