Partido de Marina Silva é aprovado sem garantia de verba ou propaganda

Cláusula de barreira pode deixar Rede Sustentabilidade sem recurso e tempo no rádio e TV

Marina Silva, nas eleições de 2014.
Marina Silva, nas eleições de 2014.Tomaz Silva (Ag. Brasil)

O Tribunal Superior Eleitoral aprovou nesta terça-feira o registro da Rede Sustentabilidade, partido liderado por Marina Silva, candidata à presidência no ano passado. A oficialização ocorre dois anos e meio após a sua fundação, em 16 de fevereiro de 2013, quando os militantes tentavam reunir o número mínimo de assinaturas para registrar o partido no TSE e concorrer nas eleições do ano passado. Mas, não conseguiram o total necessário de signatários, e Marina Silva acabou se unindo a Eduardo Campos para concorrer como vice.

Agora que venceu finalmente o obstáculo do registro, a Rede tem outros obstáculos pela frente. Um dos pontos da reforma política, que já foi aprovado em primeira votação na Câmara e no Senado neste ano, por exemplo, pode deixar o recém-nascido partido sem nenhum segundo para realizar sua propaganda eleitoral em rádio e televisão. Mais: a Rede pode ficar sem receber verba do Fundo Partidário.

Isso porque a chamada cláusula de barreira, incluída no texto da reforma, exige que o partido tenha deputados eleitos e estabeleça diretórios permanentes pelo país para poder ter acesso ao tempo da propaganda eleitoral gratuita, participar dos debates nas eleições e receber verba do fundo partidário. O texto ainda vai voltar para a Câmara para uma segunda votação e independe da sanção da presidenta por tratar-se de uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC).

Do jeito como está, o texto estabelece que até 2018 só terão acesso ao dinheiro do fundo partidário (leia mais abaixo) os partidos com diretórios permanentes em ao menos 10% das cidades, em no mínimo 14 Estados. Em 2022, a exigência subiria para 20% em 18 estados. As propagandas partidárias em cadeia nacional e estadual contemplarão apenas os partidos com ao menos um deputado eleito. O texto também diz que até 2020, só entram nos debates os candidatos de partidos com pelo menos quatro deputados federais eleitos. Depois desse ano, a exigência sobe para nove deputados. Ou seja, para ter acesso a esses direitos, a Rede agora deverá atrair deputados já eleitos.

Alguns políticos flertam com a Rede desde sua fundação. No ano passado, o grupo de Marina Silva - que é formado, entre outras figuras públicas, por Bazileu Alves Margarido, que trabalhou com Silva no ministério do Meio Ambiente, e Maria Alice Setúbal, socióloga e herdeira do banco Itaú - comemorou a vitória nas eleições do ano passado de alguns  parlamentares que poderiam migrar para a Rede após a sua oficialização.

O senador João Antonio Reguffe (PDT-DF) era um. Sua eleição foi celebrada por Ricardo Young (PPS-SP), aliado pessoal de Marina e um dos representantes da Rede em São Paulo. Mas o namoro durou pouco. De acordo com sua assessoria de imprensa, o senador "tem muita simpatia pela Rede, mas se elegeu pelo PDT" e ali permanecerá.

Mais informações

O deputado Miro Teixeira (PROS-RJ), também próximo à Rede, afirmou que "a princípio" deve migrar para o novo partido. A deputada Eliziane Gama (PPS-MA) também figurou entre os possíveis marineiros quando foi eleita no ano passado. A transição poderia ocorrer dentro de uma janela de 30 dias, até 13 meses antes da próxima eleição municipal. Esse prazo, porém, ainda é uma incógnita, pois em princípio, este mês já estaria ultrapassando esse prazo. O texto da reforma que contém essa e outras regras que determinam o jogo do processo político precisa passar por segunda votação na Câmara depois de passar pelo Senado.

Se não conseguir trazer para o seu hall de filiados - que hoje, segundo o site do partido, passa de 6.000 pessoas - a Rede, juntamente com os nanicos PSTU, PCO e PPL, que não têm nenhum representante na Casa, ficariam de fora da propaganda partidária. "A decisão do Congresso joga o nosso partido e os outros três que estão na mesma situação na posição de semi-ilegalidade", disse Zé Maria, candidato do PSTU à presidência em 2014. "Somos clandestinos novamente".

Para ele, o maior problema é perder o tempo para a propaganda na televisão e no rádio. "Como apresentar candidaturas e participar das eleições sem ter acesso à TV?", diz. "Nem esses partidos que gastam 300 milhões de reais nas campanhas conseguiriam".

Agora, Marina Silva pode se ver obrigada a se unir a um partido maior para ter mais chances em uma possível campanha nas eleições do ano que vem. De acordo com Roberto Romano, professor de ética e política da Unicamp, essa é uma alternativa para se garantir de alguma maneira. "Talvez ela [Marina Silva] pegue carona com o PSB novamente", diz. "Inclusive ela não está rompida com esse partido, embora tenha inimigos fortes, como o Roberto Amaral [ex-presidente do PSB]."

O apoio perdido de 2013 para cá já criou até mesmo um novo partido dissidente. É o Avante, nome provisório do partido organizado por ex-marineiros no ano passado. O racha ocorreu depois que Marina Silva declarou publicamente seu apoio a Aécio Neves (PSDB-MG) no segundo turno das eleições presidenciais.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: