Termômetro Econômico e Social da América Latina

A ‘Geração Y’ do campo desafia as grandes empresas

Produtores rurais descobrem consequências de deixar de produzir apenas matérias-primas

Gilberto Giombelli, produtor de frangos.
Gilberto Giombelli, produtor de frangos.Mariana Kaipper Ceratti

O que vale mais a pena: ser um peixe pequeno em um aquário grande ou um peixe grande num aquário pequeno? Vender matérias-primas em muita quantidade ou apostar em produtos de maior valor agregado? Fazer uma parceria com uma empresa reconhecida ou ter o próprio negócio?

Embora nenhum empreendedor escape dessas perguntas, elas surgem com ainda mais frequência entre os agricultores familiares de uma das maiores regiões produtoras de alimentos do mundo, a América Latina. Achar a resposta correta representa a diferença entre vencer no campo ou ter de abandoná-lo para arriscar a sorte nas grandes cidades.

Mais informações

Aos 33 anos, o produtor de frango Gilberto Giombelli crê ter encontrado o melhor caminho: tocar o próprio negócio, vendendo produtos de valor agregado (cortes temperados), que hoje chegam a 30 pontos de venda no sul do Brasil. Já faz 12 anos que ele abriu a empresa e, ainda assim, luta diariamente para se manter e crescer sempre um pouco mais.

O Brasil é o maior exportador de aves e o segundo maior produtor do mundo (atrás da China). Santa Catarina – onde Gilberto nasceu e se criou – é, por sua vez, é o segundo Estado brasileiro que mais produz frango. Grandes empresas do setor atuam lá e compram as aves de milhares de pequenos agricultores, como a família Giombelli.

“Por mais de 20 anos meu sogro criou frango para vender a uma grande empresa. A nossa renda era mínima”, conta Gilberto.

Negócio complexo

O sogro dele participava de um sistema chamado pelos catarinenses de “integração”, pelo qual as fábricas fornecem as aves, a ração e a assistência de veterinários e outros profissionais. O problema é que também cabe às famílias fazer os investimentos em infraestrutura necessários para criar os animais conforme os padrões de qualidade das grandes empresas.

“A empresa ia exigindo e excluindo cada vez mais porque havia muita concorrência de outros aviários. O investimento era caro demais e mal se pagava”, lembra. No fim das contas, o sogro passou o negócio a Gilberto e a família decretou independência, com todas as vantagens e desvantagens que ela representava.

Lado bom: em 12 anos, a produção e a renda aumentaram o suficiente para garantir o sustento. Nos tempos de integração, a família entregava 75 frangos por semana. Hoje vende 600kg de pedaços temperados e congelados a mercados, quiosques e escolas. Os seis familiares envolvidos na operação – ele, os pais, a esposa, o irmão e a cunhada – conseguem tirar um salário mínimo por pessoa ao mês.

E os obstáculos? A renda aumenta, mas o negócio também fica mais complexo. Gilberto, os parentes e quatro funcionários cultivam o milho para fazer a ração do frango, cuidam dos abates e de todas as tarefas de comercialização. Nesse período, ele ainda se especializou (na prática!) em legislação sanitária e administração de cooperativas, pois a agroindústria faz parte de uma entidade com 108 sócios que atuam no interior catarinense.

O próximo passo para Giombelli é aumentar a produção e investir em uma nova linha de produtos. Um dos instrumentos que lhe permitirão fazê-lo é a câmara fria adquirida com o apoio do SC Rural, um programa entre o Banco Mundial e o governo do estado.

A iniciativa apoia os agricultores familiares (tanto individuais quanto associações e cooperativas) com financiamento direto, capacitações técnicas e investimentos em infraestrutura, como estradas rurais e serviços de telecomunicação rural. 20 mil famílias serão atendidas até 2016.

Caminhos múltiplos

Josimar Sordi, 23 anos, é outro empreendedor que hoje trabalha no próprio frigorífico – não de aves, mas de suínos. A pequena indústria, aberta pela família dele e mais duas, foi montada em parte com recursos do SC Rural e de outros projetos de apoio à pequena agricultura.

Se antes o grupo vendia os animais para grandes empresas, agora apresenta salames, linguiças e cortes de porco congelados aos mercados da região. O quilo desses produtos mais refinados custa até quatro vezes mais do que o quilo do porco para abate. Porém, mesmo com a possibilidade concreta de aumento na renda, o jovem prefere ser cauteloso.

“Quando oferecemos um suíno in natura, sabemos que vamos vender com certeza, embora o pagamento seja menor. Aqui é o contrário, porque compramos 50 suínos, por exemplo, e pode ser que não consigamos escoar a produção de salame. Mas hoje há mercados que já nos conhecem e ligam para fazer pedidos. Espero que a gente se sinta mais confiante e forte com o passar do tempo”, comenta.

Os bons resultados de empreendedores como Sordi e Giombelli não significam que a independência seja o único caminho de sucesso para os agricultores familiares, esclarece o economista Diego Arias, do Banco Mundial.

“Pode ser que para muitos continue sendo rentável vender diretamente para grandes empresas, pelo menos parte da produção, como um mercado ‘garantido’. Também é interessante eles se associarem porque, assim, os produtores conseguem maior volume e influência para negociar com o comprador”, explica Arias.

Na prática, a experiência no Sul do Brasil mostra que os empreendedores rurais têm cada vez mais modelos de negócio para escolher ou e novas opções para melhorar de renda – algo que pode inspirar a América Latina e outras regiões agrícolas.

Mariana Kaipper Ceratti é produtora online do Banco Mundial

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete