Seleccione Edição
Login

Tesoureiro do PT é preso em nova etapa da Operação Lava Jato

João Vaccari Neto é suspeito de ter recebido propinas para o partido em esquema de cprrupção

Em depoimento na CPI da Petrobras na semana passada, ele negou teor de delações

João Vaccari Neto, durante sessão da CPI no dia 9.
João Vaccari Neto, durante sessão da CPI no dia 9. REUTERS

O tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, foi preso preventivamente na manhã desta quarta-feira pela Polícia Federal, na 12ª etapa da Operação Lava Jato, que investiga o esquema de corrupção e desvio de dinheiro da Petrobras. O petista foi detido em sua casa, em São Paulo, e será levado ainda nesta quarta para a a superintendência da PF em Curitiba (Paraná). O delegado da Polícia Federal Igor Romário de Paula afirmou que além de "ser mencionado por ao menos cinco delatores como operador do PT no esquema", existem "provas materiais" do envolvimento de Vaccari nos crimes apurados.

De acordo com o procurador do Ministério Público Federal Carlos Fernandes Santos Lima, Vaccari orientava os empreiteiros a pagar as propinas devidas por contratos com a Petrobras para empresas ligadas ao partido. “O delator Augusto Mendonça, da Setal, afirmou que fez pagamentos superiores a um milhão de reais a uma gráfica por orientação do Vaccari”, afirmou. O dinheiro entregue à empresa era justificado com notas fiscais referentes a serviços não realizados. Lima diz que toda ainda não é possível saber quanto do dinheiro arrecadado pelo tesoureiro era fruto de pagamentos ilegais e quanto era 'dinheiro limpo'.

A cunhada do petista, Marice Correa Lima, foi presa temporariamente. Já a mulher de Vaccari, Giselda Rousie de Lima, foi ouvida pela PF em sua casa, segundo a Folha de S.Paulo. “A família dele tem várias operações financeiras suspeitas que ainda estão sendo investigadas”, disse Lima.

Nesta etapa da investigação, a Polícia Federal cumpre, ao todo, um mandado de busca e apreensão, um mandado de prisão preventiva, um mandado de prisão temporária e um mandado de condução coercitiva (quando a pessoa presta depoimento e é liberada em seguida). Na semana passada, o órgão prendeu os ex-deputados federais André Vargas (ex-PT-PR e hoje sem partido), que teve o mandato cassado pela Câmara em dezembro, Luiz Argôlo (ex-PP e hoje Solidariedade-BA) e Pedro Corrêa (PP-PE).

Tesoureiro nacional do partido, e um dos fundadores da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vaccari Neto foi citado como um dos principais atores do esquema de corrupção pelo ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, que o acusou de ser o suposto intermediário entre a rede corrupta instalada na petroleira a legenda. “Operador do PT na trama” – foi a forma como se referiu a Vaccari o doleiro Alberto Youssef, outro personagem central do caso. Segundo eles, Vaccari recebia pessoalmente subornos das grandes construtoras em troca de obter contratos com a Petrobras. O ex-sindicalista também foi citado por outro delator, o ex-gerente de Serviços da estatal Pedro Barusco, que o acusou de ter arrecadado 200 milhões de reais para o PT nos últimos anos.

O petista sempre negou taxativamente as acusações. Na semana passada, em depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) no Congresso, Vaccari Neto voltou a negar ligação com o esquema, durante a sessão que ficou marcada pela soltura de roedores entre os parlamentares. "As declarações do senhor Pedro Barusco, nos termos que está na delação premiada, no que se refere a minha pessoa, não são verdadeiras", disse.

A prisão de Vaccari Neto complica ainda mais a situação política do partido da presidenta Dilma Rousseff, que atravessa uma grave crise de credibilidade desde que o caso --conhecido como Petrolão e que provocou a mudança da cúpula na petroleira-- veio à tona. Não é a primeira vez que um tesoureiro do Partido dos Trabalhadores é preso sob a acusação de corrupção: Delúbio Soares, que já ocupou a função durante a gestão do ex-presidente Lula, foi condenado pelo Supremo Tribunal Federal e preso por corrupção ativa no escândalo do Mensalão. Ele deixou a prisão em setembro do ano passado.

MAIS INFORMAÇÕES