Euro

Euro está a cinco centavos da paridade com o dólar

A moeda europeia se desvalorizou cerca de 13% em relação à dos EUA apenas em 2015

Notas de 10 dólares e 10 euros em uma balança.
Notas de 10 dólares e 10 euros em uma balança. (REUTERS)

Por cada euro se pôde conseguir, na quarta-feira, um dólar e cinco centavos. É o mais próximo que ambas as divisas já estiveram da paridade desde janeiro de 2003. A moeda europeia empreendeu, em meados de 2014, uma forte queda que, nos últimos dias, com o início do programa de compras de dívidas do Banco Central Europeu (BCE), se transformou em uma autêntica queda livre. Desde janeiro a moeda comunitária se desvalorizou cerca de 13%.

MAIS INFORMAÇÕES

Os europeus que foram passar as férias nos Estados Unidos no ano passado, ao trocar de divisas, chegaram a obter quase 1,40 dólares por cada euro. Em março de 2014 a moeda única alcançou seu preço máximo em mais de dois anos. Por outro lado, se agora fizessem a mesma viagem, tudo sairia muito mais caro: na quarta-feira, receberiam 1,05 dólares por cada euro.

A força da moeda norte-americana tem efeitos em outros mercados além do europeu, especialmente, nas economias emergentes. O dólar atingiu seu maior preço desde 2009 com relação ao peso mexicano (15,4 pesos por dólar). O novo sol peruano chegou a cotações parecidas com as de cinco anos atrás (3,09), a lira turca nunca tinha alcançado os 2,24, e o real não apresentava um câmbio de 3,12 desde 2004. A fraqueza dessas divisas pode impactar as economias, já que parte de suas dívidas está vinculada à moeda norte-americana, motivo pelo qual o ônus aumenta.

O chamado plano Draghi, o programa de compra maciça de títulos de dívida que o BCE acaba de iniciar, cumpriu um de seus principais objetivos de forma imediata: o euro se debilitou, o que, teoricamente, deve impulsionar as exportações, já que os produtos europeus ficarão mais baratos para os compradores de outros países. Do mesmo modo, as importações se encarecem, o que pode provocar alta dos preços e interromper a deflação que ameaça a economia da zona do euro. Ainda não é possível saber se este ciclo vicioso se completará. Mas o primeiro elo, o do euro fraco, já é uma realidade.

O BCE começou a realizar compras de dívidas no dia 9 de março. A instituição investirá 60 bilhões de euros (197,8 bilhões de reais) por mês na aquisição de ativos públicos e privados pelo menos até finais de setembro de 2016. O presidente do BCE, Mario Draghi, afirmou que as medidas adotadas contribuirão para um "rebote da inflação" e ressaltou que inclusive antes de haver começado o plano já se havia "observado um número significativo de efeitos positivos". O organismo também revisou para cima suas previsões de crescimento (embora em baixa a de inflação). Concretamente, os analistas da entidade preveem, agora, que a zona do euro crescerá 1,5% este ano e 1,9% em 2016, contra o 1% e o 1,5% previstos, respectivamente, em dezembro de 2014.

Arquivado Em: