Seleccione Edição
Login

A sátira política de John Oliver

O comediante britânico é um dos apresentadores do momento nos Estados Unidos

O comediante John Oliver, apresentador de ‘Last Week Tonight’.
O comediante John Oliver, apresentador de ‘Last Week Tonight’.

Se John Oliver (Birmingham, Reino Unido, 1977) sabia que Jon Stewart anunciaria, poucas horas depois desta conversa, que no final do ano deixará o The Daily Show, disfarçou muito bem. O comediante britânico deve tudo a ele. É muito mais que seu mentor, pode-se dizer que é seu DNA. Não há nada que não tenha ensinado a ele e, por isso, é o barômetro que usa para julgar-se. Com ele começou a fazer sátira política e até o substituiu durante a pausa que fez para trabalhar em um filme.

Tampouco sabe exatamente como chegou ao The Daily Show. Foi tudo tão rápido que, como comenta, seus pertences pessoais continuam amontoados em um depósito do outro lado do Atlântico. “Um dia terei de ir buscar”, acrescenta, principalmente porque agora tem os documentos necessários para ficar nos Estados Unidos, depois de casar-se com uma veterana de guerra americana que conheceu na Convenção Republicana de 2008.

Oliver acaba de estrear na HBO a segunda temporada de Last Week Tonight. A rede norte-americana já anunciou a renovação de seu contrato por mais dois anos. O curioso é que o show começou há um ano, poucas semanas depois de David Letterman – da CBS – e Stephen Colbert – da Comedy Central – anunciarem que deixariam seus respectivos programas. É como se tudo parecesse tranquilo e, de repente, vem o terremoto, comenta.

Nem ele mesmo se atreve a descrever seu programa porque, no papel, soa horrível como comédia. Basicamente, a cada semana escolhe um tema de referência que transforma em um segmento de um quarto de hora e em torno do qual faz girar os demais componentes do programa.

O processo de elaboração é lento e complexo, tanto que poderia parecer mais um programa investigativo. Ele e sua equipe selecionam um par de temas em que veem algo estranho e se põem a pesquisar durante três dias. “Por muito tempo, o roteiro parece tudo menos uma piada”. Isso é deixado para o final. “É como um ato de fé”, acrescenta.

Queremos nos assegurar de que as piadas se apoiam sobre fatos, que a história da qual rimos é correta

Oliver deixa claro, em tom muito sério, que nunca se sentiu jornalista. “No máximo, eu me visto como um”. E a partir daí enfatiza que seu programa é pura comédia, apesar do trabalho árduo de pesquisa que existe por trás. “Na verdade, queremos nos assegurar de que as piadas se apoiam sobre fatos, que a história da qual rimos é correta”.

O que seu programa está conseguindo é jogar luz sobre aspectos da sociedade americana em que outros noticiosos não olham. John Oliver não crê, entretanto, que esteja preenchendo uma lacuna na cobertura diária feita pela imprensa generalista. “Ou, pelo menos, não fomos inteligentes o bastante para pensar estrategicamente que existia essa lacuna. Ainda acho que não existe”, afirma.

Mas o público está respondendo de forma clara. O segmento que dedicou ao tema do controle do acesso à Internet recebeu milhões de visitas no YouTube e a mobilização forçou o regulador das comunicações a mudar de estratégia. “Na verdade, não entendo o êxito viral. Jimmy Fallon jogando em uma mesa de bilhar gigante com Hugh Jackman, essa é a receita para algo viral”.

Oliver diz que tenta não pensar muito nas repercussões do que faz. Como comediante, diz ele, não sente que tem a responsabilidade de um jornalista de ser inteiramente crível o tempo todo. O que mais interessa a ele é a piada final. Mas tampouco quer que suas brincadeiras fiquem escritas sobre a areia. “Não funciona só pelo fato de ser engraçado, além disso deve ser verídico”.

Também tem plena consciência de que se disser às pessoas o que devem fazer, vão segui-lo. Por isso se vê na obrigação moral de ser rigoroso. Comenta que a HBO o deixa fazer tudo o que quer com seu programa. “É o que todo mundo diz. Mas, na verdade, às vezes penso que os executivos não veem o programa, porque ninguém fala nada”.

John Oliver diz que sua melhor piada é contar que estudou literatura inglesa. Assim como não se vê neste momento substituindo Stewart, tampouco se imagina fazendo as malas para voltar ao Reino Unido, e diz que o período em que mais se divertiu foi quando fazia stand-up na juventude. “Amo os Estados Unidos, vejo-os como minha casa. Pessoalmente, investi muito neste país”, afirma.

A rede HBO renovou seu programa por mais duas temporadas

O humor do comediante com relação aos Estados Unidos é agressivo em um país que, na fachada, se mostra sorridente e passivo. Admite. Mas deixa claro que suas piadas “não surgem de uma posição de desprezo, e sim de frustração”. “Você se aborrece quando ama algo ou alguém de verdade e te decepcionam”.

Também está certo de uma coisa. A sátira política funciona tão bem nos EUA porque “você tem acesso à plena liberdade de expressão”. “Isso é incrível. É como estar em um lugar cheio de brinquedos, deve brincar com todos eles o máximo possível”. E se alguém o odeia por suas piadas, prefere ignorar. “A comédia é tão subjetiva, que é o normal”.

MAIS INFORMAÇÕES