ICON

Os sete traços de um falso magro

A Internet está obcecada com os magros que, ainda assim, têm corpos flácidos e concentrações de gordura

Jason Segel em ‘Ressaca de Amor’, manual do falso magro
Jason Segel em ‘Ressaca de Amor’, manual do falso magro

O idioma está definido para diferenciar as pessoas naturalmente magras—gente que está com peso normal, sem flacidez excessiva nem protuberâncias—das que que têm uma tendência natural à obesidade, ou porque sua estrutura óssea é muito grande, por sua genética, hábitos alimentares ou por uma combinação desses três fatores. Mas o idioma não tem uma definição para o que alguns médicos chamam de pessoas de estrutura magra, mas com metabolismo baixo. Quer dizer, uma pessoa cujo corpo não é especialmente largo e portanto não seria associada a alguém acima do peso, mas sim com falta de músculos e excesso de gordura. Gente que é magra e gorda ao mesmo tempo. Em inglês são chamadas de skinny fat persons.

MAIS INFORMAÇÕES

“Isso pode acontecer com pessoas mignon e com baixo metabolismo ou com pessoas que por qualquer motivo o metabolismo é alterado”, acrescenta Giuseppe Russolillo Femenías, presidente da Fundação Espanhola de Nutricionistas. É possível reconhecê-las pelas concentrações de gordura, que chamam ainda mais a atenção devido ao resto do corpo magro. “É, no final das contas, um aspecto de obesidade: há pessoas que tendem a acumular gordura abdominal ou gluteofemoral”, disse Russolillo Femenías.

Esse tipo de corpo se tornou em um dos tipos de conversa favoritos na Internet. A rede, afinal, é o lugar onde todos discutem seus problemas em comum, por isso é natural o nascimento dessa classificação. Os falsos magros cibernéticos adaptaram a definição científica descrita acima e a transformaram em um meme. Uma investigação detalhada de todas as descrições feitas na Internet revela quais são suas características:

1. Vários tipos de pessoas se identificaram com a definição de falso magro: obesos, que graças a puxadas sessões de exercício se encontram com um peso razoável; gente magra com papada; gente saudável, mas com pancinha insinuante; pessoas atraentes quando estão vestidas, mas só por causa da roupa; pessoas eternamente reféns de dietas... (Buzfeed).

Pessoas que se identificam como falsos magros incluem obesos que, graças aos exercícios, têm um peso razoável, gente com pancinha insinuante; e outros queque não se cuidam, mas também não engordam....

2. Têm uma relação de ódio com o tamanho M. É o que mais revela defeitos de seus corpos quando estão passando por uma fase menos, digamos, atlética, mas a única que não parece um lençol quando se encontram em forma. Com um corpo no meio-termo,magro em algumas partes e mais cheinho em outras, é difícil encontrar outro tamanho que uniformize o perfil. (Thought Catalog).

Isso se sustenta sobre a tese de que um falso magro é alguém com um peso intermediário, que acabará aumentando ou diminuindo de peso mais cedo ou mais tarde. Russolillo Femenías se mostra um pouco mais cético de que as flutuações sejam algo próprio dessas pessoas. “Faltam estudos que demonstrem isso”, argumenta.

3. Tendem a acumular gordura em lugares específicos do corpo. Além das regiões já mencionadas da barriga e glúteos, se soma a área abaixo da mandíbula, por exemplo. Ou dos lados dos quadris. (Buzfeed).

Depende principalmente do sexo do indivíduo: “A acumulação de gordura no abdômen é típico de homens e gluteofemoral de mulheres”, explica Russolillo Femenías.

Tanta popularidade deixou de lado a possibilidade científica de ser um tipo mignon com baixo metabolismo e transformou o conceito em um fenômeno mais amplo

4. Não é porque são pessoas mais ou menos magras que estão isentas dos problemas dos que estão acima do peso (The New York Times).

“O depósito de gordura abdominal é a forma que apresenta mais risco”, afirma Russolillo Femenías. “Aumenta consideravelmente a possibilidade de uma doença cardiovascular e outros fatores de risco associados, como diabetes, pressão arterial... E quando o depósito de gordura abdominal ocorre em mulheres, o risco é muito maior, porque não é próprio do seu organismo.”

5. Entendem as dietas de maneira flexível (TIME).

Dito de outra forma, compartilham da opinião de Sara Jiménez, especialista em ciência e tecnologia de alimentos: “Gosto do mito de que pão engorda. Como disse Paracelso, 'só a dose faz o veneno', por isso tudo depende da quantidade de pão que mandamos para dentro. E dos acompanhamentos”.

6. São os primeiros a identificar os pontos fracos ao se olharem em uma foto, mas se reclamam dos próprios corpos dão uma má impressão. Embora o corpo não seja pequeno e mantê-lo em forma dê certo trabalho, ao aparentar magreza que se dissimula com roupas, parece que reclamam por reclamar, para constranger amigos mais robustos, ou pior, para que lhe digam: “Imagina, você está magro”. (Thought Catalog).

7. Se o falso magro não é uma herança genética, é uma condição. Apenas precisa comer alimentos mais saudáveis e fazer um pouco mais de exercício para deixar de sê-lo. (Daily Mail).

Arquivado Em: