Procurador-geral quer acelerar investigação de políticos da Lava Jato

Grupo de oito profissionais tem seis meses para analisar o envolvimento das autoridades no esquema da Petrobras

São Paulo - 20 jan 2015 - 18:06
O procurador Janot conversa com Lewandowski, presidente do STF, em outubro passado.
O procurador Janot conversa com Lewandowski, presidente do STF, em outubro passado.José Cruz (Ag. Brasil)

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, quer acelerar a análise dos processos que envolvem políticos no esquema de corrupção da Petrobras. Em no máximo seis meses um grupo de oito procuradores investigará a participação de todos os políticos citados pelos suspeitos de participar do bando que teria desviado ao menos 10 bilhões de reais da maior petroleira brasileira. A constituição formal da força-tarefa ocorreu hoje por meio de uma publicação no Diário Oficial.

Mais informações
Supremo se fecha após desgastes e traumas do julgamento do mensalão
Mais um ex-diretor da Petrobras é preso; caso respinga em Collor
Lava Jato lança dúvidas sobre grandes obras no Brasil previstas para 2015
Crise das empreiteiras brasileiras abre espaço para invasão chinesa
Por que Dilma não revela quais são os ‘inimigos externos’ da Petrobras?

Conforme as apurações iniciais, entre 30 e 40 parlamentares, governadores e ministros serão investigados. Eles foram citados principalmente pelos delatores das fraudes, o doleiro Alberto Youssef, o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa e executivos da construtora Toyo Setal.

Os principais partidos brasileiros, porém, esperam que perto uma centena de políticos sejam investigados. Até o momento vazamentos seletivos entregues à imprensa mostraram que legendas da base governista (PT, PMDB e PP) e da oposição (PSDB, PSB, PTB, DEM e SD) serão investigadas. Janot já deverá apresentar as primeiras denúncias já em fevereiro, no retorno do recesso do Poder Judiciário.

Como a maioria dos políticos têm foro privilegiado, eles terão de ser julgados pelo Supremo Tribunal Federal (deputados e senadores) ou pelo Superior Tribunal de Justiça (governadores). No caso dos outros envolvidos nas fraudes, as ações já tramitam na primeira instância da Justiça Federal em Curitiba, no Paraná. A expectativa é que até meados deste ano, já sejam dadas as primeiras sentenças. Além de corrupção ativa e passiva, o grupo é suspeito de fraude processual, crimes contra o sistema financeiro, formação de quadrilha e cartel, entre outros.

Deflagrada no início do ano passado, a Operação Lava Jato prendeu mais de 30 executivos das maiores construtoras do Brasil. A suspeita é que eles pagavam propinas a políticos e a funcionários da Petrobras para terem contratos firmados com a petroleira. Os valores das propinas estariam incluídos no montante que a empresa receberia pela obra feita. Uma porcentagem de cada obra seria destinada aos partidos envolvidos na fraude. No caso das legendas de oposição, a suspeita é que seus membros tenham recebido dinheiro para evitar investigações no Congresso Nacional, como Comissões Parlamentares de Inquérito.

Outro braço da quadrilha era o dos doleiros, que era o responsável por lavar o dinheiro desviado e repatriá-lo por meio de empresas fantasmas. Alguns desses doleiros já foram julgados.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS