Cientistas descobrem os dois planetas mais similares à Terra

Grupo de astrônomos norte-americanos localiza oito novos planetas em região habitável

Representação de um dos oito planetas anunciados nesta terça-feira.
Representação de um dos oito planetas anunciados nesta terça-feira.David A. Aguilar (CfA)

Um grupo de astrônomos anunciou nesta terça-feira a identificação de oito novos planetas fora do nosso sistema solar, na região conhecida como “cachinhos dourados”, com órbitas a uma distância em que poderia haver água no estado líquido na superfície do planeta. Isso duplica o número de planetas pequenos (menos de duas vezes o diâmetro da Terra) que se acredita que estejam na região habitável de suas estrelas. Entre esses oito planetas há dois que, segundo os pesquisadores, são os mais semelhantes à Terra já encontrados.

O achado, feito pelo Centro Harvard-Smithsonian para a Astrofísica (CfA), dos Estados Unidos, foi anunciado nesta terça-feira em reunião da Sociedade Astronômica Norte-americana, mas ainda não foi publicado por nenhuma revista científica. “A maior parte desses planetas parecem rochosos, como a Terra”, disse o principal pesquisador, Guillermo Torres, do CfA.

Mais informações

Os dois planetas mais parecidos com a Terra são Kepler-438b e Kepler-442b. Os dois orbitam anãs vermelhas, que são menores e mais frias que nosso Sol. Kepler-438b faz isso a cada 35 dias, e Kepler-442b, a cada 112.

Kepler-438b tem diâmetro 12% maior que o da Terra, e cerca de 70% de probabilidade de ser rochoso, segundo os pesquisadores. O planeta recebe 40% mais luz que a Terra, e os astrônomos acreditam que tenha 70% de possibilidade de estar numa região habitável de sua estrela. Kepler-442b, por sua vez, é um terço maior que a Terra, com 60% de probabilidade de ser rochoso.

“Não sabemos com certeza se qualquer um desses planetas é realmente habitável”, disse David Kipping, do CfA. “Tudo que podemos afirmar é que são candidatos promissores.”

Antes desses dois planetas, os mais parecidos com a Terra identificados eram Kepler-186f, a cerca de 500 anos-luz de nosso planeta, e Kepler-62f, que tem tamanho 40% maior que o da Terra e recebe cerca de 41% mais luz. Para estar na região habitável de sua estrela, um exoplaneta deve receber pelo menos a mesma quantidade de luz que a Terra. Se receber em demasia, a água se evapora. Se for muito pouca, congela.