Cinema

Filmes para ver em 2015

Destacamos os principais lançamentos do ano novo

FERNANDO VICENTE

A vida é dura para os Vingadores. Sim, eles têm superpoderes. Mas não podem descansar um segundo sem que surjam inimigos cada vez que dobram uma esquina. Em 2015, os heróis da Marvel terão que enfrentar na tela o terrível Ultron, na esperadíssima sequência Os Vingadores 2: A Era de Ultron. Mas na batalha pelas bilheterias, o Capitão América e seus amigos lutarão contra o retorno de titãs e pesos-pesados.

Voltam os Jedi, nove anos depois de sua última aparição. Será preciso esperar até dezembro para poder assistir Star Wars: O Despertar da Força, sétima produção da saga, com direção de J.J. Abrams, parte do elenco original, a nave Millennium Falcon e estrelas como Andy Serkis e Lupita Nyong’o.

Em outro ano hollywoodiano com mais sequências e adaptações do que novos roteiros, Colin Trevorrow dirige a volta de Parque Jurássico, que chega em junho. Duas décadas depois do filmeoriginal, Jurassic World – O Mundo dos Dinossauros é o sonho de John Hammond tornado realidade. Até que algo mude e apareçam novos e mastodônticos dinossauros.

MAIS INFORMAÇÕES

Em 2015, as reaparições familiares formam um exército. O Exterminador do Futuro: Gênesis volta a recrutar Arnold Schwarzenegger; com Mad Max: Estrada da Fúria, George Miller devolve outra lenda às telas em maio. E em Spectre, o 007 Daniel Craig se rodeia de estrelas contra a enésima ameaça.

Também são conhecidíssimos o Quarteto Fantástico, que surge em um novo filme que contará sua origem, o Homem-Formiga, outro mito da Marvel que passa para o cinema, e Cinderela, reinterpretada por Kenneth Branagh na direção. Para completar o déjà-vu, acrescente Velozes e Furiosos 7, Missão Impossível 5, Busca Implacável 3, Ted 2 e o final de Jogos Vorazes: A Esperança Parte 2.

O ano também oferece os novos filmes de vários dos cineastas mais famosos do planeta. Terrence Malick mostra Knight of Cups (ainda sem título em português), com Christian Bale, Cate Blanchett e Natalie Portman; Quentin Tarantino estreia The Hateful Eight e Martin Scorcese revela um projeto que ele vem preparando há anos: Silence, adaptação de um romance sobre a viagem de dois padres ao Japão.

‘Os vingadores’ e ‘Guerra das Estrelas’ estreiam novas  sequências

Tomorrowland – Um lugar onde nada é impossível é nova tentativa do diretor de Os Incríveis eRatatouille, Brad Bird, para seduzir o público. Para isso, sugere uma viagem na ficção científica, com uma arma infalível: George Clooney. E Insurgente, de Robert Schwentke, é muito esperado.

O novo projeto de Steven Spielberg tem quatro nomes atrativos. Ele, por trás da câmera; Tom Hanks, na frente; e o roteiro dos irmãos Cohen. Tudo em um thriller sobre o incidente do avião U-20 durante a Guerra Fria, que ainda não tem título, mas vai estrear em 2015. Também voltam Alejandro González Iñárritu com The Revenant (ainda sem título em português) e David O. Russell, que estreia Joy, novamente com Jennifer Lawrence.

Chegam os últimos filme de Spielberg, Malick, Amenábar, Tarantino e Mann

Mais? O espaço é tirano e o cinema, abundante. Ridley Scott navega pela ficção científica emThe Martian (ainda sem título em português), Michael Mann explora os crimes cibernéticos emBlackhat (ainda sem título em português), e Richard Linklater tentará superar a ressaca pós-sucesso de Boyhood – Da infância à juventude com That's What I'm Talking About (ainda sem título em português). O ídolo dos indies Jeff Nichols busca surpreender com Midnight Special(ainda sem título em português). Também ocorrerão estreias de Robert Zemeckis (A Travessia), Matthew Vaughn (O Serviço Secreto), Ron Howard (No Coração do Mar), Guillermo del Toro (Crimson Peak [ainda sem título em português]) e os Wachowskis (O Destino de Júpiter).

A Pixar reaparece em dose dupla: para os pequenos e seus pais, Divertida Mente é a viagem na mente de uma garota e The Good Dinosaur (ainda sem título em português) narra a amizade entre o animal Arlo e o jovem Spot. E uma das adaptações mais esperadas – e criticadas –, só para os pais: Cinquenta tons de Cinza.

Do resto do mundo para a Espanha, uma constante: muita e esperadas estreias. Ma ma (sem título em português), de Julio Medem, com Penélope Cruz e Luis Tosar, Regression (ainda sem título em português), de Alejandro Amenábar, Felices 140 (sem título em português), de Gracia Querejeta, Anacleto: agente secreto, de Javier Ruíz Caldera, e Atrapa la bandera (sem título em português), de Enrique Gato, para citar alguns poucos. Chegam às salas Negociador, de Borja Cobeaga, e Autómata (ainda sem título em português), de Gabe Ibáñez, com Antonio Banderas. Para repetir a histórica cota de mercado de 2014, 25,5%, talvez um ás na manga chegue a tempo: a sequência de Ocho apellidos vascos (sem título em português).