O ACENTO
El acento
Texto no qual or author defends ideias e chega a conclusões is based on its interpretação dos fatos ou dado

A última chacota da FIFA

O órgão máximo do futebol julga a si mesmo e se absolve de suposta corrupção

SOLEDAD CALÉS

A FIFA superou aquela paródia cômica de seu presidente, Joseph Blatter, imitando Chiquito de la Calzada para zombar de Cristiano Ronaldo. Desta vez, o órgão supremo do futebol optou por criar armações sozinho e mascarar grosseiramente uma investigação sobre corrupção na FIFA nas concessões das Copas de 2018 e 2022 à Rússia e Catar, respectivamente. Como não gostou do resultado, oculta as provas, admite algum puxão de orelhas... e que a festa continue.

Segundo as conclusões, em oito das nove candidaturas –incluindo a da Espanha-Portugal– houve trapaças, como presentes a mulheres dos plutocratas de Blatter, pactos secretos, subornos e outras propinas. Questõezinhas de pouca importância, insuficientes para anular as votações. Mas, claro, haverá mais cautela no futuro. Para isso, multiplicará o bolo: os consultados passarão de 25 eleitores para 209. Também reconhece que há indícios para prosseguir com as investigações individuais sobre alguns membros de seus comitês, talvez para o caso de serem necessários expurgos públicos, mas nada que comprometa os planos da Rússia e Catar. Deixa pra lá.

Diante das evidências das fraudes, a FIFA não teve outro jeito senão abrir uma investigação que propagandeou como “independente”, da qual encarregou Michael García, um ex-promotor de Nova York. O material levantado por García durante 18 meses preenche 200.000 páginas. Depois de retê-lo por um tempo, a FIFA divulga suas conclusões em apenas 42 folhas: “Motivos legais impedem a publicação na íntegra; é preciso garantir a confidencialidade, o contrário nos deixaria em uma situação complicada”. E García não demorou pra contestar: “A decisão da FIFA contém muito material incorreto e errado dos fatos e conclusões detalhados no relatório”.

Recusado o árbitro García, a partida continua. Blatter, que está há 16 anos no cargo, se desvencilha e lança a bola para outra reeleição; o Catar acumula denúncias de exploração de trabalhadores; e os russos....? Por García se soube que dedicaram muito tempo destruindo a documentação que ele pedia. O que passou, passou.

Será preciso ver se a FIFA convoca outra edição do Prêmio Fair Play (Jogo Limpo).

Será capaz?

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: