Centenas de pessoas protestam contra falta d’água em São Paulo

Poucos foram ao evento que prometia reunir 17.000 contra o governador Geraldo Alckmin

Manifestantes protestam contra crise de água em São Paulo.
Manifestantes protestam contra crise de água em São Paulo. A. P. (AP)

Enquanto eleitores insatisfeitos com a reeleição da presidenta Dilma Rousseff protestavam na avenida Paulista, em São Paulo, um grupo de 200 pessoas, na estimativa da Polícia Militar, e 500, nas contas dos manifestantes, se reuniu a quilômetros dali, no Largo da Batata, para criticar a falta de água no Estado. Empunhando faixas e cartazes com inscrições como “Tenho direito a ter direito! Onde está a água”, os integrantes do protesto “Alckmin, cadê a água?”, em referência ao governador de São Paulo, rumaram por volta das 16h em direção à Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp).

Mais informações

Durante a caminhada, que prometia mobilizar 17.000 pessoas via redes sociais, os manifestantes, muitos em roupões e enrolados em toalhas, adaptaram marchinhas de carnaval para criticar a crise hídrica do Estado. Muitas das paródias tinham provocações direta ao governador Geraldo Alckmin: “Se você pensa que São Paulo tem água, São Paulo não tem água, não. A culpa não é de São Pedro, a culpa é do Geraldão”. Minutos depois de os manifestantes se dispersarem, começaram a cair as primeiras gotas do que se espera seja o início da estação de chuvas em São Paulo.

A chuva que caiu nesta sexta-feira ainda não foi o bastante para impedir as perdas que a temporada de seca impôs aos reservatórios do Estado. No sistema Cantareira, que abastece 6,5 milhões de pessoas, as reservas caíram de 12,4% para 12,2%, já levando-se em conta a segunda cota do volume morto. No sistema Guarapiranga, a queda foi de 39,6% para 39,2%. O Alto Tietê também registrou queda, de 6,6% para 6,5%.

Neste sábado, a Sabesp deu início a uma nova política de descontos para incentivar os consumidores a economizar água. A partir desta data, quem economizar entre 10% e 15% terá um desconto de 10% no valor pago no fim do mês. Quem conseguir economizar um pouco mais, de 15% a 20%, ganha o desconto de 20%. Até então, o desconto de 30% só valia para quem economizava pelo menos 20% do que estava acostumado a consumir, de acordo com política estabelecida em fevereiro deste ano.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: